Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2009

Minha Trilha Sonora

Volta e meia tô brincando disso. É dada uma lista de itens/fases da vida, como se fosse um filme; você abre o player de sua preferência e começa a tocar todas as suas músicas de forma aleatória. Cada música corresponde a uma fase da vida, e não vale pular!

Geralmente o iTunes me dá medo... Ele sabe "escolher" as músicas certas, na maioria das vezes O_o
Junto às respostas vou colocar os links para ouvir/conhecer as músicas (se eu achar todas, algumas são difíceis!) e o que eu achei da "escolha".

Vamos lá!

(essa não foi a melhor das listas, mas de certa forma deu certo também)

1- Créditos de Abertura:
Because - The Beatles

"Because the world is round, it turns me on...". Viagem, mas ainda assim uma viagem maravilhosa *.*

2- Ao acordar:
Abigail - Arkells

Nem me fale. Essa música tem sido meu mais recente pesadelo. Pesadelo porque é a desconhecida das desconhecidas mais desconhecidas que eu já achei, creio eu. Tô há dias tentando pegar a letra dessa música (porque não …

A faculdade, sob um ponto de vista realista

Email interessante que eu recebi de uma ex-colega de faculdade. Entre parênteses são comentário pessoais :)

O que você deve saber antes de entrar pra faculdade:

1. Não importa o quão tarde é a sua primeira aula, você vai dormir durante ela;
(verdade)

2. Você vai mudar completamente e nem vai notar;
(verdade²)

3. Você pode amar várias pessoas de maneiras diferentes;
(e odiá-las também)

4. Alunos de faculdade também jogam aviões de papel durante as aulas;
(antes fosse só isso as demonstrações de infantilidade!)

5. Se você assistir às aulas calçado, todo mundo vai perguntar por que você foi tão chique para a faculdade;
(haha verdade!)

6. Cada relógio no prédio mostra um horário diferente;
(AHUHUAUAH EU RI! Incrivelmente verdade!)

7. Se você era inteligente no colegial... azar o seu!
(se é...)

8. Não importa tudo o que você prometeu quando passou no vestibular, você vai às festas da faculdade, mesmo que sejam na noite anterior à prova final;
(não que se aplicasse a mim, mas que é verdade, é)

9. Você pode s…

Scott Klopfenstein

"If I had a dollar bill for every time I've been wrong
I'd be a self-made millionaire and you'd still be gone..."

Quando ouvi Drunk Again pela primeira vez (uma das únicas músicas do Reel Big Fish cantadas só pelo Scott), achei que fosse um cover. Sabe como é, o RBF adora um cover, e essa música, como é obvio, não tem absolutamente nada a ver com o material da banda.

Só que não é um cover. É uma música do próprio Scott. "WTF?", pensei eu. Música linda.

Scott tem uma coisa de jazz nele; apesar de toda a empolgação óbvia com o ska, quando o vemos tocando com o Reel Big Fish, a gente sente aquela paixão secreta nele. Bem, não tão secreta, porque há uns anos atrás ele teve uma banda meio jazz (há!) meio piano-bar, chamada The Littlest Man Band (que aparentemente não funciona mais desde 2005). Ainda em outra ocasião, durante a execução de Where Have You Been?, no álbum ao vivo do Reel Big Fish, quando o trompetista Johnny Christmas começa a solar algo improvisad…

A difícil vida de uma lampreia...

Triste vida a da lampreia.
No começo, elas não se parecem nada com uma lampreia. E são tão diferentes que por muitos anos esses filhotes nem eram considerados da mesma espécie! Ficam na água doce, paradas, esperando comida, filtrando pra dentro da boca tudo o que passa pela frente... E assim ficam por sete anos.
Até que seu desenvolvimento chega ao fim e ela enfim se torna uma lampreia adulta. Uma lampreia que finalmente se parece com uma lampreia! Aí ela é livre pra nadar por aí. E se sente tão bem com toda essa liberdade, que vai embora pro mar. Mas, vendo que a "vida na cidade" não é assim tão fácil, muito sabiamente ela torna-se parasita; e então, por toda a sua curta vida adulta (que não dura mais de dois anos), ela fica grudada ao couro de peixes maiores, se alimentando.

Lampreias são interessantes, sabem, elas são longas (chegam até a um metro de comprimento) e têm uma boca circular cheia de estruturas espinhosas (promovendo aquele sorriso simpático da foto acima). Esses…

Enquanto isso...

... os sonhos bizarros continuam.

O de hoje, porém, não significa morte :D
Mas é um sonho perturbador, do mesmo jeito.

(Antes de continuar, uma pequena nota mental: será que é influência do que eu ando lendo antes de dormir?O_o)

Bom, no episódio de hoje, eu não era eu. Eu era alguém chamada Lucile, ou quase isso, sei lá. Ah, e todos conversavam em inglês, nesse sonho. :P
Enfim, eu era essa Lucile e vivia numa casa estranha, num lugar estranho, (que nem parecia o Brasil - vide diálogos em inglês :P) com uma família estranha, que eu tinha certeza de que não era minha família. Mesmo assim, vivia lá e não podia sair de lá. Não lembro de muitos detalhes dessa parte do sonho, só que eu sabia que tinha que dar um jeito de sair dessa casa de qualquer jeito. Até a hora que, por bobeira de alguém, aproveitei e escapei. Corri o maldito do sonho inteiro, até acordei cansada.

Uma vez fora da casa, e correndo, me lembrei que já tinha sonhado com isso antes, e duas vezes! O lado de fora era uma escuridão,…

Cansei!

Fala sério esses sonhos bizarros.

Preciso contar o de hoje, também:

Bom, sabe-se lá em que lugar era, mas estava eu e uma velhinha simpática entrando em uma casa abandonada, resumindo (teve coisas antes, mas sinceramente não lembro). Uma vez lá dentro, sentimos que havia alguma coisa estranha, que dava medo mesmo, e saímos. Assim que saímos e olhamos pra trás, uma sombra começou a nos perseguir. Era uma sombra disforme, mas era bem grande e saía de dentro da casa. Começamos a nadar mais rápido, pra evitar que ela nos alcançasse, mas lá vinha ela atrás de nós. Foi aí que chegamos à esquina e eu disse à velhinha que era melhor que nos separássemos. Aí que eu me senti lixo, porque eu tive a impressão de que já tinha passado por aquilo (talvez eu até já tenha sonhado com isso antes), e sabia que a sombra com certeza ia atrás da velha. Ela continuou reto e eu virei a esquina. Não deu outra, a tal da sombra foi atrás dela. E aí eu não vi o que aconteceu, porque fiquei corajosamente escondida …