Pular para o conteúdo principal

Enquanto isso...

... os sonhos bizarros continuam.

O de hoje, porém, não significa morte :D
Mas é um sonho perturbador, do mesmo jeito.

(Antes de continuar, uma pequena nota mental: será que é influência do que eu ando lendo antes de dormir? O_o)

Bom, no episódio de hoje, eu não era eu. Eu era alguém chamada Lucile, ou quase isso, sei lá. Ah, e todos conversavam em inglês, nesse sonho. :P
Enfim, eu era essa Lucile e vivia numa casa estranha, num lugar estranho, (que nem parecia o Brasil - vide diálogos em inglês :P) com uma família estranha, que eu tinha certeza de que não era minha família. Mesmo assim, vivia lá e não podia sair de lá. Não lembro de muitos detalhes dessa parte do sonho, só que eu sabia que tinha que dar um jeito de sair dessa casa de qualquer jeito. Até a hora que, por bobeira de alguém, aproveitei e escapei. Corri o maldito do sonho inteiro, até acordei cansada.

Uma vez fora da casa, e correndo, me lembrei que já tinha sonhado com isso antes, e duas vezes! O lado de fora era uma escuridão, e tudo parecia morto lá fora. Corria em linha reta, desviando de eventuais barracas que apareciam pelo caminho... Pelo que eu percebia, estava atravessando o Estado (não apenas a cidade; eu fiquei DIAS correndo), em linha reta, e esse caminho parecia uma maldita feira aberta quilométrica. E tudo no caminho me era familiar, porque já havia passado por ali em sonhos anteriores - o mesmo sonho. Cheguei a uma espécie de praça (tudo isso sempre à noite), com vários animais selvagens, e me lembrei que da primeira vez que havia sonhado aquilo, uma puma tinha me apanhado (logicamente o sonho acabava bem ali :P), mas da segunda vez tinha conseguido escapar, então fiz o mesmo caminho que fiz da segunda vez.

Passando dessa "fase", cheguei a um tipo de pousada fuleira, e tive que passar por dentro dela. Lá dentro estava um casal que, pelo que eu sabia, eram meus tios (daquela família estranha). Ainda correndo, passei por eles, mas meu "tio" me impediu e disse (isso tudo em inglês, HUAHU): "Não adianta correr", e eu pensava: "Ah é, na segunda vez o sonho acabou aqui mesmo", e ele completou: "Porque não existe Lucile nenhuma". Well, what the hell? Continuei correndo, e a partir daí já me era tudo estranho, porque até então eu nunca tinha passado da "fase da pensão fuleira"... O caminho em linha reta acabava ali, e então a única opção que eu tinha era virar à esquerda. Já tava cansada de correr (depois de dias sem parar, e ainda era noite), então fui cautelosamente andando até os fundos de uma casa que parecia estar vazia. Dei uma espiada pela janela e vi um quarto de bebê. Fiquei ali esperando acontecer alguma coisa, qualquer coisa, mas não acontecia nada. Nada se movia, nada aparecia, nenhum barulho, nada. Aí desisti de esperar e acordei : ) HAHAHA

Bizarrice sem fim. Fala sério.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…