Pular para o conteúdo principal

Scott Klopfenstein

"If I had a dollar bill for every time I've been wrong
I'd be a self-made millionaire and you'd still be gone..."

Quando ouvi Drunk Again pela primeira vez (uma das únicas músicas do Reel Big Fish cantadas só pelo Scott), achei que fosse um cover. Sabe como é, o RBF adora um cover, e essa música, como é obvio, não tem absolutamente nada a ver com o material da banda.

Só que não é um cover. É uma música do próprio Scott. "WTF?", pensei eu. Música linda.

Scott tem uma coisa de jazz nele; apesar de toda a empolgação óbvia com o ska, quando o vemos tocando com o Reel Big Fish, a gente sente aquela paixão secreta nele. Bem, não tão secreta, porque há uns anos atrás ele teve uma banda meio jazz (há!) meio piano-bar, chamada The Littlest Man Band (que aparentemente não funciona mais desde 2005). Ainda em outra ocasião, durante a execução de Where Have You Been?, no álbum ao vivo do Reel Big Fish, quando o trompetista Johnny Christmas começa a solar algo improvisado em seu trompete, um Scott empolgadíssimo grita mais ou menos assim ao microfone: "What a beautiful thing, this is jazz!! Close your eyes and feel the magic!!" (e, após alguns minutos de jazz improvisado, um Scott contrariado grita novamente: "I SAW YOUR EYES OPEN!!" - haha. Queria achar o vídeo no YouTube, mas nem achei ._.).

É, não é uma paixão secreta.

Hoje ouvi duas músicas de uma carreira solo recém-começada e, PQP, que música linda é essa Welcome to New York. o_O [ouvir aqui]


Scotty no RBF. "Por que ele tem dois microfones, Manu?" "Porque um é pros vocais e o outro é pro trompete", eu respondo. "Que trompete, se ele tá segurando uma guitarra?", você tenta ser esperto. E eu digo: "É porque ele toca trompete e guitarra e teclado também... além de cantar :)"


Agora vou só torcer pra que essa Síndrome louca que ele tem (Síndrome de Guillain-Barré) não o mate antes que ele lance um CD solo. Sério :(

Postagens mais visitadas deste blog

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Conhece o teste de personalidade Myers-Briggs?

O MBTI (Myers-Briggs Type Indicator) é um teste psicométrico altamente difundido pelo mundo, embora não seja completamente validado pela psicologia.
Baseadas nas teorias tipológicas propostas originalmente por Carl Jung, Katherine Briggs e sua filha Isabel Myers desenvolveram este indicador na época da Segunda Guerra com a intenção de que, com tal teste, as mulheres descobrissem que trabalhos poderiam desempenhar com mais eficiência e conforto de acordo com os aspectos das suas personalidades. 
O teste considera 16 tipos de personalidades, representados por siglas que são combinações de quatro dicotomias. São elas:


EXTROVERSÃO x INTROVERSÃO SENSORIAL x INTUIÇÃO RAZÃO (Thinking) x SENTIMENTO (Feeling) JULGAMENTO x PERCEPÇÃO

Os 16 tipos são, portanto (clique para ampliar):



Ao realizar o teste, que consiste de várias perguntas a respeito de suas preferências pessoais, o indivíduo é apresentado a um relatório com a sigla das quatro dicotomias que representam seu tipo de personalidade. Um tes…