Pular para o conteúdo principal

Noel Gallagher, The Chief

(presente do pessoal maluco da rádio BBC, no último aniversário)

Há exatamente 42 anos atrás, na cidade de Longsight, em Manchester, na Inglaterra, ao som de Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, nasce Noel Thomas David Gallagher (ok, não sei dizer com que peso nem altura).

Não vou me ater à biografia toda, porque ninguém vai ler. A infância difícil, numa família muito pobre da classe trabalhadora e com um pai violento; a adolescência problemática com drogas e pequenos furtos; a guitarra que ganhou da sua mãe; ser roadie do Inspiral Carpets; ser convidado pelo irmão mais novo para fazer parte da banda Rain (que ele tomou pra si, assumiu o posto de compositor oficial, mudou o nome e deu outro rumo pr'aquela merda - e assim surgiu o Oasis \o/); ser famoso do dia pra noite, fazer muito dinheiro, gastá-lo de maneira altamente inapropriada ("gastei libras e libras em carros e piscinas... Mas não sei nadar e nunca aprendi a dirigir"); o abuso de drogas nos 3 primeiros anos de carreira, a maneira como as largou sem maiores problemas (e continua livre delas há pelo menos 11 anos); casar, ser pai, se separar, casar (apesar de que não casooou oficialmente) de novo, ser pai de novo... E assim vai indo a vida de The Chief.

"Se a vida dele foi assim tão difícil, ele devia ser menos arrogante", ouço muita gente dizendo por aí. Não vou tomar posição em defesa dele ou do que ele diz ou faz. Muita coisa que ele diz me deixa frustrada, mas como fã que conhece e acompanha, tenho direito de arriscar alguns comentários.

Ponha-se na situação de alguém que num dia não tem nada, no outro dia tem tudo. Some-se a isso o fato de você não ser lá "instruído" o suficiente sobre como lidar com fama e dinheiro. O mundo todo exalta seu trabalho, te chama de gênio, lambe suas botas... Claro que você vai adorar isso tudo. Mas certas pessoas não sabem segurar a língua dentro da boca e soltam comentários dispensáveis, como muita coisa que Noel andou dizendo anos atrás que martelam até hoje na cabeça das pessoas... Coisas que atualmente não são mais ditas, coisas das quais ele já pediu desculpas publicamente, coisas que ele desmentiu, coisas que foram distorcidas. O grande problema nisso tudo é que, como todos sabemos, a mídia manipula. Clichê? Verdade! Botaram nas nossas cabeças que o "Noel Gallagher é um arrogante que só sabe falar mal de todos e se achar o melhor do mundo". Aí ele dá uma entrevista de meia hora falando de coisas mais relevantes, e o que a mídia faz? Divulga aquele momento, aquela frase fora de contexto que acaba com tudo. Não me refiro a uma única ocasião, mas a um geral que acontece até hoje. Noel tá envelhecendo, é uma pessoa madura, não tem mais nada a ver com aquele de 10 anos atrás. Acho que as pessoas deveriam deixar certas coisas em paz.



Um exemplo?

"Para mim, a música é algo muito pessoa e espiritual, vem de algum lugar da minha alma, está no ar... Eu não vou ao estúdio para provar que sou melhor guitarrista do que o Graham Coxon [do Blur] ou um compositor melhor do que o Thom Yorke [do Radiohead]. Eu acho que sou bom em muitas coisas, mas não brilhante. Sou um bom guitarrista, mas não ótimo, sou um bom letrista, mas não ótimo, tenho uma boa voz, mas não é grande coisa. Eu não sei porque existe essa conexão com as pessoas, não consigo explicar porque eles ficam o dia todo na frente do hotel gritando o meu nome. Mas também não posso julgá-los. Eu acho isso fascinante, porque não me vejo refletido na pessoa que eles veem em mim. Eles me veem como uma estrela, mas eu me vejo como uma pessoa bastante normal."

fonte: lanacion.com.ar, 06/05/09
[em entrevista concedida antes do show na Argentina, no começo do mês]


Aí né, não divulgam esse tipo de citação.

Não pretendo com isso tudo fazer com que vocês gostem dele nem nada. Expus fatos e só espero que alguns tipos de comentários viciosos diminuam... Conforme ficou bem claro na entrevista que ele deu ao Fantástico, algumas semanas atrás, ele ou a banda não precisam provar mais nada a ninguém. Não precisam de mais dinheiro e não precisam de mais fãs. Se ele ou a banda continuam fazendo o que fazem até hoje, é porque amam o que fazem, e somente isso. E, mesmo que atualmente nós fãs o estejamos chamando de "véia rabugenta" por causa de certas atitudes mal-humoradas de 'Mr. Monobrow' atualmente, ainda o amamos e esperamos o maldito álbum solo que ele já tá prometendo há anos ò_ó

.

Em tempo, o OasisNews disponibilizou hoje o download de 42 bootlegs do Oasis para download em altíssima qualidade, se alguém se interessar, corre lá. Pros da turnê acústica 'Noel-Gem' de 2006 eu pessoalmente sugeriria o de Toronto, mas não colocaram lá... Shame on you, Alisson!

De brinde, melhor resposta ever:
SPIN: Há muitas baladas clássicas do Oasis, mas às vezes as letras não estragam elas? “The Masterplan”, “Champagne Supernova”, “Don’t Look Back in Anger”. Você gostaria de ter usado mais tempo fazendo com que elas fizessem sentido? Noel: O que há de errado em “The Masterplan”?
Realmente, não vejo problema nela. Mas ri alto xD

Mentira. A melhor resposta ever foi esta:

Q.: What would you say to your fans if it was your last concert ever?
Noel: Ever?
Q.: Ever.
Noel: Ever, ever, ever? (pensa) "It was a f*cking pleasure. Thank you very much."




:)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…