Pular para o conteúdo principal

Metal das Abóboras IV

Oi, povo! Tudo bem com vossas pessoas?

Como prometido, contarei aqui como foi nosso tradicional evento metalístico rioverdense... Não que vá ser muito bom o que vou dizer, mas vamos lá.

Infelizmente, esse evento teve tudo pra dar errado. Não posso dizer se no fim das contas acabou valendo a pena porque tive que ir embora mais cedo, logo contarei isso também.

Mas vamos listar as coisas na ordem. Primeiro: pouquíssima gente apareceu. Geral reclamando do preço (R$15) e do local, que diziam ser muito longe. É longe mas é onde dá pra fazer sossegado né? Sem vizinho pra acabar com tudo, como toda vez...

Depois, a última banda que se apresentaria, a Sunroad de Goiânia, desmarcou em cima da hora - POR ORKUT. A organização do evento só soube quando já tinha começado, quando alguém comentou que viu o tópico na comunidade do vocalista desmarcando o show por "motivos de força maior". Podia pelo menos ter a decência de avisar a organização, mas...

Depois, a primeira banda, Roses Tears, daqui mesmo, era pra ter chegado ao local pra passar o som às 16h, e apareceu lá às... 20h. Quando o evento tava marcado pra começar às 21h. Ou seja, quando todos chegamos, a Roses Tears AINDA estava passando o som. E, pra fechar (pelo menos até onde sei, não sei se teve mais zica depois disso tudo), a banda Dark Side, que vinha de Jataí, liga avisando que o ônibus quebrou ou sei lá o que foi que aconteceu e eles iam demorar mais pra chegar (tanto que a hora que fomos embora, lá pela meia noite e meia, eles ainda não tinham chegado).

Mas vamos então falar da Roses Tears, que foi a única que eu vi tocar. Vocal feminino. Já devo ter comentado aqui, sou totalmente machista com banda de vocal feminino. Se ao menos elas se contentassem em cantar músicas de bandas que têm vocal feminino, tudo bem :B Mas elas insistem em cantar música pra homem. Aí o que elas fazem, elas inventam uma linha feminina pro vocal, que quase nunca combina com a coisa. Enfiam uns agudos onde não tem e, pior, até uma ou outra passagem lírica. VAI CANTAR NIGHTWISH, MINHA FILHA!!

Falando sério (não que antes não fosse sério), eles abriram com Sad But True. Isso foi bem feito pra mim, que vivo reclamando que nunca toca Metallica no Metal. A guria simplesmente destruiu a música. Ela comeu a primeira frase do refrão todas as vezes. Ela emendou frases, ela misturou trechos. Ninguém acaba com Metallica assim na minha frente, ninguém. Pior que depois tocaram Enter Sandman também, e ainda Seek and Destroy. Agora me digam se vocês conseguem imaginar essas músicas cantadas por uma guria forçando agudos?

Depois tocou alguma coisa do Iron Maiden (oie, já falei que é tradição?). Pra Iron a voz dela já ficou boa, porque Bruce faz agudos. Galera curtiu. Mandaram Helloween também (I Want Out), e ficou muito boa essa, devo admitir. Mas Metal Melódico fica bom com vocal feminino. Metallica não! u.u. Lembro de ter tocado outra do Helloween, mas já não lembro qual era. O repertório foi super extenso, tocou muita coisa - tenho impressão de que tocou até Annihilator, mas não tenho certeza, a essas alturas eu já tava bem mal.

Ah, então, pois é. Porque a gente foi embora mais cedo. Passei mal pra caramba.
Ainda à tarde meu estômago estava estranho, acho que a gastrite nervosa atacou de novo. Passei raiva à tarde por causa de certas coisas (que inclusive me levaram a ter que trocar o endereço do blog), acabei não comendo direito por causa da dor, e então à noite não aguentei. Dor/enjoo, falta de ar, pressão baixa. Normal. Fiquei do lado de fora a maior parte da apresentação da Roses Tears, por isso não tenho muita certeza quanto ao repertório completo. A segunda banda tava demorando muito pra chegar, de forma que todos (todos - eu, Giuli e uns amigos que ficaram por perto "socorrendo") achamos melhor eu ir pra casa e descansar.

Fiquei chateada por ter perdido mais uma vez uma apresentação da Oráculo, sem falar que acabei com a noite da Giuli também. Fazer o que, eu bem que tentei ficar lá o máximo de tempo que aguentei. Algumas pessoas também ficaram chateadas, mas acho que elas entenderam :B

Hoje ainda não tô muito melhor, estômago ainda tá pegando um pouco. Hoje não saio de casa.

Depois de todo o prejuízo que foi o Metal desse ano, provavelmente só haverá outro daqui a dois anos, como aconteceu agora dessa última vez... Vamos esperar. Tomara que o Luciano não desista, Metal é tradição!! Vem muita gente de fora pra curtir o evento, galera faz caravana, é mó legal, haha

É isso.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…