Pular para o conteúdo principal

Continuação da Saga Oasis

Voltando.
[Post escrito no dia 29/08. Vai sendo atualizado conforme a necessidade]

Um pouco antes da banda acabar definitivamente, quando as coisas já estavam ficando feias, o Liam sempre dizia que continuaria com a banda com ou sem o irmão - ele é o maior defensor da banda, entre eles. Mas parece que tal projeto não será levado em frente; todos encararam a saída do Noel como o fim da banda.

A página do Oasis na Wikipedia tá um caos. Toda vez que vou lá checar, tem alguma coisa diferente. Primeiro, poucas horas após o primeiro comunicado do Noel, já constava lá como tempo de atividade "1991 - 2009" e a primeira frase do artigo era "Oasis were a British rock band (...)". Depois, no dia seguinte, o tempo de atividade voltou para "1991 - present" e o "were" voltou a ser "are", mas o nome do Noel foi parar lá junto com os outros ex-membros da banda (tive que rir, ele se juntou ao grupo de pessoas que ele mesmo mandou embora). Agora há pouco dei uma olhada e juntaram todos os nomes num grupo só, como "former members". E a página tá trancada pra edição por causa de "vandalismo".



Aaanyway,

Estive pensando com os meus botões como seria se o Oasis seguisse em frente sem o Noel e cheguei às seguintes conclusões:

1. Sem o Noel, a banda perde um guitarrista.

Ok, isso não é necessariamente um problema. Era só passar o Gem da guitarra base pra guitarra solo, no lugar do Noel, e arrumar outro guitarrista. Poderia até ser o Bonehead mesmo, que foi o guitarrista original da banda, quando Oasis ainda era Rain - ele até disse que sentia falta de tocar com o Oasis. Fechou.

2. Sem o Noel, a banda perde o principal compositor.

Creio que o maior problema pro futuro da banda esteja aí. Todos sabem que a alma do Oasis está nas letras do Noel e, embora o Liam esteja se desenvolvendo muito bem como compositor, ainda não se iguala ao irmão, e a linha de composição dele é diferente. Pra banda não ter que sobreviver só com as composições dele, poderiam dar mais espaço ao Andy, que compõe umas coisas muito boas. Seria uma solução, mesmo que jamais fosse ser o mesmo.

3. Sem o Noel, nunca mais executariam as músicas onde ele era vocal principal, como Don't Look Back in Anger, The Masterplan, The Importance of Being Idle e Waiting For The Rapture.

Aí fode, meus colegas. Liam não tem o timbre do Noel. Noel consegue cantar as músicas que o Liam canta, mas o contrário nunca existiu. Gem pode tomar conta do backing de boa, no meu ponto de vista, mas o vocal principal dessas músicas seria bem mais complicado. Creio que o público deva se contentar com a ausência desses clássicos no repertório.

.

Não tem como levar a banda por muito tempo sem ele. Acho que o Liam percebeu isso.
Ainda esperando pela manifestação dele.

.

Update 30/08:

Pelo que eu ando lendo por aí, parece que o buraco é mais embaixo.

Quando o Noel saiu da banda anteriormente, no ano 2000, foi porque o Liam "sugeriu" que a filha mais velha do Noel com a então esposa Meg Matthews, Anaïs (agora com 9 anos), não era realmente dele. A briga que se desencadeou de tal afirmação foi tão feia que resultou na saída do Noel da banda. Passados 9 anos desde então, dizem as más línguas que Liam nunca retirou o que disse e voltou a afirmar o mesmo (o que podemos perceber pela carta do Noel quando ele diz "o nível de violência verbal e intimidações contra mim, minha família, amigos e camaradas se tornou intolerável"). O que me faz pensar o que o Liam sabe sobre isso e o que ele quer exatamente com isso. Porque, como vocês podem ver, a guria é a cara do Noel.

.

"Estou convencida de que a banda voltará, porque eles se amam muito, mas sempre foram muito diferentes. O engraçado é que, quando eles eram crianças, eles nunca brigavam. Eles não brigaram até que tivessem a banda. Eu espero que isso não seja o fim do Oasis. Eu não acho que seja. Eles só estão cansados com o fim da turnê. Eles já tiveram brigas antes e passaram por isso." - Peggy Gallagher

Queria ser otimista como a mãe deles, há.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…