Pular para o conteúdo principal

Os tais 1001 álbuns...

... que supostamente você deveria ouvir antes de morrer.

É, todo mundo já ouviu falar nesse livro, certo?



O livro é uma compilação com a opinião de 90 "renomados críticos musicais" sobre os 1001 melhores álbuns da História, seja de qual estilo for - rock, pop, reggae, rap, blues, jazz, até MPB.

Eu não li o livro e, sinceramente, não tenho vontade de ler. Quem me conhece sabe o que eu penso de "críticos musicais". No meu ponto de vista, quem decide o que você deve ouvir ou não é você mesmo. Se você acha um álbum bom e o mundo inteiro acha ruim, e daí? O mesmo vale pro contrário; o mundo baba em cima de determinados artistas/álbuns mas, se você de repente não gosta ou não sente nenhum interesse, é um direito seu. Acho muita falta de opinião própria você ter que se basear no gosto alheio pra determinar o seu. Por isso não compro mais revistas de música; a parcialidade é gritante e desanimadora.

Mas enfim, por que resolvi falar sobre o livro.

Estava lendo a lista dos tais 1001 álbuns escolhidos pelos "90 críticos de renome internacional" e conferir. Muitos dos álbuns eu tenho, alguns outros eu apenas ouvi (alguns até apaguei depois de ouvir - sim, caso vocês não saibam, temos todo o direito de não gostar de clássicos!), e outros eu nunca nem ouvi falar. Talvez, com este post, eu esteja mostrando publicamente toda a minha ignorância, mas achei interessante dividir isso. Sei que entre vocês, mesmo, tem gente que possui e/ou já ouviu muito mais do que eu do que está nesta lista.

Então, em negrito os álbuns que, ahn, adquiri legalmente ao longo dos anos; em itálico, os que eu andei baixando ao longo do tempo:

The Beatles - Rubber Soul (1965)
The Beatles - Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (1967)
The Beatles - Abbey Road (1969)
The Band - The Band (1969)
Led Zeppelin - Led Zeppelin III (1970)
The Who - Who´s Next (1971)
Aerosmith - Toys In The Attic (1973)
Ramones - Ramones (1976)
The Clash - The Clash (1977)
Sex Pistols - Never Mind The Bollocks, Here's The Sex Pistols (1977)
The Clash - London Calling (1979)
AC / DC - Back In Black (1980)
The Jam - Sound Affects (1980)
Faith No More - The Real Thing (1989)
The Stone Roses - The Stone Roses (1989)
Red Hot Chili Peppers - Blood Sugar Sex Magik (1991)
Metallica - Metallica (1991)
Pantera - Vulgar Display Of Power (1992)
Oasis - Definitely Maybe (1994)
Oasis - (What’s The Story) Morning Glory? (1995)
The Verve - Urban Hymns (1997)
System Of A Down - System Of A Down (1998)
Red Hot Chili Peppers - Californication (1999)
Linkin Park - Hybrid Theory (2000)
The Strokes - Is This It? (2001)
The Killers - Hot Fuss (2004)
Arctic Monkeys - Whatever People Say I Am, That's What I'm Not (2006)

Essa lista é realmente pequena, comparada à lista original de 1001 álbuns. Mas ressalto aqui que possuo ou já ouvi boa parte dos artistas da lista original, mas não os álbuns que estão listados lá.
(Tipo o do Kings of Leon, que ouvi uma vez e mandei pro lixo xD)

Existem, ainda, outras publicações mais atualizadas com o mesmo tema. A maior parte da lista é igual, só de 2000 pra frente que muda. Dos álbuns que não aparecem neste livro, possuo apenas o "Your New Favourite Band", do The Hives (em negrito).

Quem quiser conferir a lista completa, que vai da década de 50 até os dias atuais, você a encontra neste lugar, além dos links para adquirir o livro e os links de downloads de todos os álbuns. Não testei os links pra ver se funcionam mas, se alguém quiser realmente ouvir algum ou alguns dos álbuns listados, sugiro que o façam pelo blog 1001 Álbuns. O organizador está disponibilizando aos poucos todos eles, com uma sinopse técnica e opinião pessoal - para que vocês pelo menos saibam o que estão baixando antes de querer só porque "é clássico"...

Eu ainda sou daquelas pessoas bregas e certinhas que compra CDs sempre que pode. Eu gosto de ver encartes, de me desesperar por causa de um riscadinho... Mas admito que jamais compraria grande parte deles se antes não tivesse ouvido por ter baixado. Cada um faz como bem entender, né.

Beijo e boa semana :)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…