Pular para o conteúdo principal

40 anos de Abbey Road

~ já vou avisando que vou me empolgar, pois vou falar do meu álbum favorito dos Beatles! Será um post cheio de informações legais e curiosidades, espero que gostem!



(Dia 8 de agosto foram comemorados os 40 anos da
foto da capa, não confu
ndir com a data de lançamento do álbum!)



26 de setembro de 1969
: Abbey Road, último álbum dos Beatles, é lançado no Reino Unido.




"Mas o último não foi Let it Be?"


A ser lançado, sim; mas o Abbey Road foi o último a ser gravado. (Let it Be foi gravado antes, mas lançado depois, entenderam? :B)

(Este e todos os outros álbuns dos Beatles foram relançados dia 9 deste mês, remasterizados digitalmente em estéreo)



Abbey Road é o nome da rua e o do estúdio onde o álbum foi gravado. Por ter se tornado um ponto tão famoso, pode ser monitorado via satélite por aqui.

• Foi o álbum mais bem-sucedido da banda, permanecendo na posição #1 das paradas britânicas por 11 semanas consecutivas. Na semana seguinte, caiu para a posição #2 por causa do mais recente lançamento dos Rolling Stones (Let it Bleed) mas, na semana seguinte, voltou à posição #1, onde ficou por mais 6 semanas.

The End, última faixa do álbum, marca o único solo de bateria de Ringo Starr em toda a carreira dos Beatles.


Como uma nota pessoal, gostaria de dizer que o último verso da música é o que eu chamo de "melhor último verso de última música de último álbum que poderia existir".

"And in the end, the love you take is equal to the love you make"
["E, no fim, o amor que você recebe é igual ao amor que você doa"]

Ou seja, a despedida em grande estilo de uma banda que só queria que o mundo se amasse mais.

Outras referências às canções podem ser encontradas na Wikipedia.



A Capa Mais Famosa do Mundo

• A foto que estampa a capa de Abbey Road é a mais imitada do mundo. Além de fãs que visitam o local todos os anos para tirarem fotos imitando o famoso "zebra crossing", alguns artistas fizeram referências à ela nas capas de seus próprios álbuns; como o Red Hot Chili Peppers em seu EP The Abbey Road EP; e o próprio Paul McCartney, em seu álbum solo Paul is Live.

• O fotógrafo, Iain Macmillan, teve apenas 10 minutos para tirar a foto, já que um policial teve que interromper o tráfego, lá pelas 11h30 da manhã. Foram feitas várias tentativas, até que a definitiva fosse escolhida. Vocês podem conferir as outras versões aqui.



• O fusca que aparece ao fundo, do lado esquerdo, pertencia a um morador do prédio localizado em frente ao estúdio. Depois que o álbum foi lançado, sua placa foi roubada diversas vezes, até que o dono resolveu leiloá-lo (conseguiu 23 mil dólares com ele). Hoje o fusca se encontra no museu da Volkswagen, na Alemanha.

• O homem que aparece na calçada, do lado direito, chama-se Paul Cole (1911 - 2008). Era um turista americano que estava ali de passagem, e acabou saindo na foto sem perceber que estava sendo fotografado. Diz ele que só soube quando viu o álbum nas lojas, meses depois. (imagino o susto do cara, e o orgulho de ter aparecido sem querer na capa mais famosa da história xD)



Abbey Road como parte da "teoria da conspiração" Paul is Dead

Em meados dos anos 60 começou a rolar por aí o boato de que Paul McCartney tivesse morrido em um acidente de carro e que o teriam substituído por um sósia (essa história é looonga e exige um outro post). Desde então, dizem que os Beatles escondiam subliminarmente dicas sobre isso em suas músicas e nas capas dos álbuns. Com Abbey Road não foi diferente; as principais são:

• A fila que os quatro formam lembra uma procissão funerária. John vai à frente, vestido de branco, simbolizando o sacerdote do funeral. Ringo, logo atrás, todo de preto, representando o agente funerário. A seguir vem Paul, em um terno preto e descalço, que seria o corpo; e George por último, usando roupas de um trabalhador braçal, representando o coveiro.

• Enquanto atravessam a rua, Paul é o único em desarmonia com os demais: está com o pé direito à frente, enquanto os outros estão com o pé esquerdo; além de estar segurando o cigarro com a mão direita, apesar de ser canhoto.

• A placa do fusca é LMW 28IF. Na mente muito fértil que desenvolveu essa teoria, a placa sugere que Paul teria 28 anos se estivesse vivo (28IF = 28 "se"). E LMW poderia significar "Linda McCartney Widow" ("Linda McCartney Viúva").

• Na canção de abertura do álbum, Come Together, John canta "One and one and one is three" ("Um e um e um são três"), sugerindo que eles eram apenas três Beatles.

(A banda alegava nunca ter espalhado esses boatos, mas encarou a brincadeira, implantando essas falsas "dicas" em suas obras. Paul nunca gostou muito disso, pois achou que os discos estavam vendendo mais por conta dos boatos de sua morte.)




Se alguém quiser ver, eu já havia feito um outro post comentando sobre o Abbey Road :)





Fontes consultadas incluem a página inglesa da Wikipedia, o fansite NorwegianWood e o livro Os Beatles e a Filosofia, de Michael e Steven Baur.

Texto desenvolvido por Emmanuella Conte © em 04/09/09.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…