Pular para o conteúdo principal

It's been a long time, now I'm coming back home ♪


Daeee \o/

Ok, nem é um grande retorno, já que o blog ficou postando sozinho :B
Mas estou feliz em voltar, tão feliz que vou contar tudo o que aconteceu enquanto estive fora \o/
*geral coçando a cabeça e pensando: lá vem o post quilométrico*
É grande mesmo, se não quer ler, pode ir embora u.u





☺ Chegooooooooou \o/

Sim, compatriotas, ainda existe esperança pós-greve dos carteiros. Meu amado e idolatrado Somewhere in the Between chegou! E vou dizer, não há nada que substitua um CD original, SÉRIO. A qualidade é diferente, eu tenho certeza que tem coisa ali que eu não ouvia no que eu tinha gravado o.O

Eu já falei trocentas vezes sobre o Streetlight Manifesto e sobre as músicas deles, mas um dia ainda vou falar sobre esse álbum. Deveria ser decretada uma lei que obrigasse todo mundo a ouvi-lo!

Aliás, vi povo dizendo na comu do SM no Orkut que o Mike Soprano vai sair da banda @_@ (não é uma ironia do destino um trombonista se chamar Soprano?). Eles fizeram um último-show-por-enquanto esses dias atrás, tocaram TODAS AS MÚSICAS DELES. Putz, eu queria ter visto isso.



☺ AFI - Crash Love

Só falar outra coisa, antes: tem dias que o movimento pelos blogs tá bem inspirado, aí eu salvo todos os links interessantes de download na pasta de favoritos e vou assim crescendo uma lista quilométrica de links pra baixar. Quando tenho tempo ou espaço suficiente no HD pra baixar alguns (HD com míseros 40GB desanima qualquer um), vejo que os primeiros da lista já estão expirados ou foram removidos :B Sim, isso é um saco. Mas geralmente consigo achar de novo. Já tinha dias que tava tentando baixar o cd novo do AFI e finalmente consegui! Agora vou dizer o que eu achei:

Eu já tinha dito que sou fã confessa do último álbum deles, o Decemberunderground. Siiim, eu sei que é mais emo que cortar os pulsos com gilete enferrujada e pintar a franja com graxa, mas eu gosto mesmo assim. O Crash Love, esse que lançou agora, não é emo como último, mas tá beeem longe de ser como o material primordial do AFI, que era aquele punk mal educado de 1 minuto e meio, que depois foi evoluindo pra uma coisa mais séria, pesada e trabalhada, até que descambou pro emo. Como pode uma banda punk virar emo? Sei lá, o AFI conseguiu.


Crash Love é um álbum MUITO legal. E o que me deixou mais feliz com ele é que finalmente o Davey Havok criou vergonha na cara e abandonou aquele corte de cabelo desgraçado de emo e aquela maquiagem de drag queen da Broadway que ele já usava há anos. Agora com cabelo de homem e cara lavada, muito melhor.


E esse maldito sabe passar delineador e eu até hoje não õ.o

A performance gay ainda tá lá, né, mas isso caracteriza o AFI, fazer o quê. Se quiserem ouvir a música nova:



E lógico que sempre tem um fdp que tem EMO escrito na testa (se bem que não dá pra ler a testa de um emo, mas enfim). É, tô falando do guitarrista.

☺ BeatleSka

ISSO EXISTE!
Tipo, não com esse nome.

Sabendo que bandas de Ska a-do-ram fazer covers, eu sempre me perguntava se existia alguma banda nesse mundão véio sem portêra que já havia feito algum cover dos Beatles. Porque tem tudo o que precisa, sabe? São músicas fáceis e alegres. Meu sonho era ouvir alguma banda de ska tocando Got to Get You Into My Life, seria a coisa mais feliz do mundo! Mas nunca ouvi nenhuma, conheci toneladas de bandas de lá pra cá e nenhuma delas tinha um mísero coverzinho mal feito dos Beatles :~

Daeeee, esses dias, totalmente sem querer, topo com uma banda alemã (tinha que ser!) que não só fez um cover, como UM ÁLBUM TODO só de covers dos Beatles! E mais: a banda É um tributo ska aos Beatles: seu nome é RINGO SKA! xD

O álbum se chama Betolzkahitoparat (amo essa alemãzisse de juntar quatro palavras numa só), e tem 14 covers excelentes! Destaques meus para Don't Bother Me, The Night Before e a versão instrumental de Because. Infelizmente, não tem YouTube pra nenhuma delas, mas achei a banda tocando I Feel Fine e adorei, cliquem no nome da música pra assitir! :D

A única coisa triste sobre esse álbum é que NÃO TEM Got to Get You Into My Life! :~



☺ Falando em Beatles, sabem o Rock Band: The Beatles?

Surgiu um genérico que muito me interessa:



Afinal, quando mais eu teria oportunidade de espancar o Liam sempre que quisesse?! :D

Inclusive, dia 08 agora o próprio confirmou o fim do Oasis. "Acabou, é isso". Bom saber que ainda há juízo nesse cabeção dele, pra ele ter admitido que não tem como continuar sem o Chief. Me fez até deixar de odiá-lo por um momento. Um breve momento...

☺ Aleatoriedades

Pra fechar, coisas banais. Minhas limitações físicas momentâneas não me impediram de tirar uma nota ótima na prova de Alemão; e, de quebra, descobri que só de ter diminuído na carne e parado de comer porcaria à noite na frente do PC, já entro numa calça 42 de novo \o/

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…