Pular para o conteúdo principal

Retrospectiva 2009: geral & pessoal

NOTA:

Nós, pobres usuários dos provedores Oi/Velox - Brasil Telecom, não estamos conseguindo acessar nenhuma página do Blogger desde o dia 24/12, de forma que eu não estou conseguindo acompanhar meu próprio blog e nem o de vocês. Salvo raros minutos em que o acesso funciona e que eu consigo comentar ou ao menos ler os seus posts, o resto dos dias tem sido um EPIC FAIL pra acessar. Tiro o atraso assim que a situação melhorar :)



(dia 28/12 morreu o baterista do Avenged Sevenfold, 'The Rev'. Alegam "causas naturais", embora eu não saiba COMO se morre de causas naturais aos 28 anos. De qualquer forma, foi uma notícia um tanto impactante pra mim, que sou fã - ou fui muito mais há uns anos atrás - da banda...)


.


Dia 31, sei que tá todo mundo ocupado com suas próprias festividades e retrospectivas. Eu mesma não faço ideia de onde estarei a essas horas, já que este é maaaais um post programado :P

Mas acho importante a tal da retrospectiva. A gente analisa friamente como foi o ano, o que a gente pode repetir ano que vem e o que nunca mais vai fazer de novo (embora invariavelmente ACABE fazendo). Também faz um balanço dos aspectos positivos e negativos e decide se o ano foi bom ou ruim (pra que, eu não sei - pra se animar ou pra se matar de vez?).

2009, vá embora e não volte nunca mais:



Vou começar pelos aspectos negativos, pra que o último post do ano acabe feliz o/




• Normalmente passo as viradas de ano vestindo preto e alguma peça de roupa nova, independente de cor. Roupas novas sempre me deram sorte, e preto idem. Porém, na última virada de ano, larguei minha superstição pessoal e resolvi aderir à superstição mundial das cores padrão - então virei o ano vestindo verde-esperança já que esse ano teoricamente seria um ano onde tudo ainda estava obscuro pra minha vida, e eu queria sentir literalmente alguma esperança para ele. Faz-me rir; verde, nunca mais.

• No fim das contas, 2009 foi o ano mais sem expectativas da minha vida (aliás, pior do que não ter expectativas, é ter muitas e ver todas elas descerem lentamente pelo ralo). Comecei o ano achando um monte de coisas e terminei sem ter encontrado nenhuma delas. Fiquei desesperada, deprimida, nada confiante, anti-social e, pior do que tudo isso junto, coisa que eu jamais fui na vida, preguiçosa. Esse ano de ócio acabou com a minha dignidade e integridade. Pretendo mudar isso em 2010, encarem isso como uma promessa de ano-novo.

• Resumindo, não foi por amor ao ócio, foi por pura e simplesmente não saber o que fazer. Passei os 365 dias do ano esperando alguém me ajudar, quando no fim das contas eu devia ter feito tudo sozinha - não sei como, dando a cara a tapa, talvez, mas devia ter feito. Não arrumei Mestrado, nem uma Pós, não arrumei um emprego, não fiz como o Orkut mandou tantas vezes e não fui indispensável pra alguém. Muita pressão, não só das pessoas, mas principalmente de mim mesma. Bom, não adianta lamentar pelo tempo perdido, o jeito é correr enquanto ainda tenho pernas.

• E pra fechar com chave de ouro, meu pai enfarta e quase passa o Natal internado. Mas tá bem e pronto pra outra. NOT.




Como aspectos positivos, tive mais do que poderia imaginar, mesmo não tendo tudo o que queria:

Me formei. Caramba, vocês nunca vão saber como é a sensação até passarem por isso. Um alívio incomparável, um peso monstruoso tirado das costas, uma sensação de anos de batalha finalmente vencidos. Uma compensação pelo sofrimento e desgaste dos anos anteriores. E, melhor do que a formatura em si, foi o Luiz ter vindo. Sabem, dá uma alegria inexplicável saber que um amigo seu vem de tão longe pra acompanhar um momento especial da sua vida. Coisa que nem a minha família quis fazer...

• Comecei a estudar Francês. Eu já havia dito antes em algum post que tudo o que aprendo, considero como uma conquista. Até o ano passado, eu achava que jamais conseguiria aprender francês: todos aqueles acentos, hífens e apóstrofes. Mas não só estou conseguindo aprender, como estou indo até bastante bem. Agora só falta descobrir o que eu vou fazer com todas essas línguas :P

Show do Oasis. CAAAAAAAAARAMBA, eu vou sempre me lembrar disso com um arrepio. Meu, eu consegui a proeza de assistir ao show da minha banda favorita na última turnê dela (e eu nem sabia, há). Admito que só pude ir graças à minha paranóia - pelo menos uma vez na vida ela me foi útil. Desde que o Oasis havia lançado o álbum mais recente, em outubro do ano passado, eu já havia começado a guardar dinheiro para um possível show - que nem sequer estava sendo cogitado, mas eu botei na cabeça que ia ter. E não é que teve? E NÃO É QUE EU FUI? \o/ 16 horas de viagem. Chuva. Virose. Mas fui. E FOI LINDO! \o/

• Claro, pra mencionar especialmente separado da saga-Oasis-em-SP, o fato de encontrar novamente o Luiz, a Kérol (depois de 2 anos) e a Ju Mano Truta Firmeza Mano dos Manos pela primeira vez :D Foram facilmente os dias mais felizes do meu ano, os dias que passei com os 3. Quem vier me dizer na minha cara que não existe essa coisa de amizade virtual, vai se arrepender de não ter guardado a língua dentro da boca.

• E acabam em maio meus momentos bons /pensa
Mas tá bom.

UAHAUHA

Não sei se lerão a tempo, mas desejo a todos vocês um 2010 não de Sorte, mas de Sucesso. Mantenho essa tradição graças a um ex-professor de faculdade que dizia que não se deseja Sorte às pessoas, mas Sucesso, porque Sorte se deseja a quem é incapaz de se fazer bem-sucedido ;)
E eu sei que todos nós aqui somos capazes. E vamos fazer de 2010 um ano melhor para nós mesmos.

Façam-se essa promessa!
Eu pelo menos tô a fim de levar isso à sério, depois desse ano tenso que passou...

Feliz Ano Novo, galera!
Amo vocês, cuidem-se.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…