Pular para o conteúdo principal

Voltando àquela tarde...


roubado covardemente do ryotIRAS, como sempre.

.

Era uma tarde qualquer de 1998 ou 1999, não me lembro mais. Emmanuella estava na biblioteca da escola procurando pelo próximo livro que iria devorar nas aulas de Literatura Brasileira. Como já tinha lidos todos ali indicados para sua faixa etária, foi se aventurar em outra estante, que já estava descobrindo há algum tempo. Olhou pra um livro cujo nome já estava lhe chamando a atenção há uns dias... Incidente em Antares, de Érico Veríssimo. Pegou-o pela trocentésima vez pra ler a sinopse e pela trocentésima vez uma Emmanuella de 11 ou 12 anos se perguntou: "Será que eu vou entender esse livro?". Mas dessa vez ela cometeu um ato ousado e resolveu emprestar este mesmo.

Chegando ao balcão da bibliotecária, a muito profissional mulher olha para Emmanuella, olha para o livro com pouco mais de 400 páginas e diz: "Você é masoquista, é?"

Ora, Emmanuella nunca tinha ouvido aquela palavra antes e não fazia ideia do que ela queria dizer, mas vinda de uma pessoa supostamente entendida em literatura, ela concorda com um risinho sem graça: "É, acho que sim".

.

Muitos anos depois, Emmanuella parou pra pensar e finalmente teve certeza:

Ela é.

Ela é daquele tipo de pessoa que tanto gosta de sofrer que cria as situações de modo que acabem em dor. Quando as coisas estão indo muito bem, ela logo dá um jeito de fazer com que o final não seja o mais feliz.  Ela só procura a companhia de pessoas que lhe são indiferentes, só se apaixona pelos caras distantes - fisicamente ou em probabilidade de ter uma chance - e só alimenta os sonhos que não pode alcançar.

Por que ela faz isso? Nem ela sabe... Talvez seja o prazerzinho sádico de sentir a própria desgraça. Talvez seja a busca desesperada por atenção. Talvez seja pelo gostinho incomparável da autopiedade. A verdade é que isso é uma coisa que ela faz, inevitavelmente, e não gosta.

Ô, guriazinha complicada, essa.

.

ah sim, apesar da primeira metade ser chata, o livro é ótimo! :)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…