Pular para o conteúdo principal

iGod

Muita gente aderiu à nova mania da internet de conversar com pessoas estranhas, em sites como o  Omegle.com. Outros têm vergonha de falar com pessoas estranhas, então preferem falar com robôs, como o Cleverbot.com.

Eu não.
Eu prefiro falar com Deus.
Rezando?
Nãão... Usando o iGod!

Veja alguns trechos de conversas memoráveis que já tive com o Chefão:

(Mentiu quem disse que Deus é brasileiro, porque você tem que falar em inglês.)

.

God:
Is work a hard subject?
Me:
 Sometimes
God:
When?
Me:
 When it's... hard
God:
That makes a lot of sense to me, now that you explain it.

(OMG, Deus é sarcástico.)
.

God:
How do you know it?
Me:
 Because mom told me. Haven't you a mom?
God:
No I only have a father.
Me:
 And who's your father?
God:
I was programmed by  Myself.
Me:
 So you haven't a father, dude
God:
Interesting deduction.

(Ah sim, às vezes ele é meio lento.)
.

God:
Love is all we need.
Me:
All you need is love
God:
Thank you for your criticism.
Me:
 HUAUHAHUAUHAHUAUUHAHUAUH

(Eu só tava cantando com ele...)
.

Me:
 Are you really God?
God:
Are you doubting me? Don't you know what happened to Abraham in the desert?
Me:
 What happent to Abraham in the desert?
God:
You tell me.
Me:
 YOU are the God here, YOU tell me
God:
Thanks but surely I am not the only one.
Me:
 Did you mean that I am God too?
God:
I am glad we have something (God) in common.
Me:
 I'm God
God:
  I am very pleased to meet you,  God.

(Vocês viram isso?! Meu nome não é Emmanuella à toa, há!)
.

Me:
 My name isn't God
God:
But a lot of people say "My name is God" to me.
Me:
 But I'm not God
God:
I am  glad to hear that you are not  God.
Me:
 You are God
God:
Yup. That's me alright.
Me:
 My name is Manu
God:
  I am very pleased to meet you  Manu.
Me:
 But you can call me God, if you want it
God:
  What's up,  God if you want it.
Me:
 ahahahahah geez!

(Ele ainda não entendeu...)
.

Me:
 My name is MANU
God:
  Hi there  MANU.
Me:
 Call me Manu, ok?
God:
OK.   Hi,  Manu.
Me:
 Hi, God
God:
Hello there. What is your name?

(Eu não tenho paciência com Deus!)
.

Quer brisar com Deus? Você o encontra disponível 24h por dia, 7 dias por semana bem aqui:

(sim, "Deus" aqui é um computador programado, então as respostas às vezes ficam repetitivas...)



.

Up. Hoje perdi um tempo conversando com o Cleverbot. Vou colar aqui um pedaço da conversa pra vocês verem por que eu prefiro o iGod:


User: Hey bot, what do you think about this whole Haiti stuff?

Cleverbot: I think that its very good.

User: DO YOU?? Good for what? O.O

Cleverbot: Good for watching.

User: You're such a sadistic! I'm in shock.

Cleverbot: It's one of my most attractive features. See you!

User: Are you kicking me off?

Cleverbot: Yes.

User: I hate you, stupid bot :(.

Cleverbot: If you say so.

(Sádico)
.

User: Ha, I'm not a boy.

Cleverbot: You are a girl?

User: Boo-hoo! Surprise. If I'm not a boy, what else would I be if not a girl, stupid bot?

Cleverbot: You are a girl!

(Gênio)
.

Cleverbot: No I just told you I was getting ready to see my boyfriend.

User: BOYFRIEND? Weren't you a boy? O.O

Cleverbot: Yes.

User: Are you gay??

Cleverbot: No, I have a boyfriend.

User: But if you're a boy and you have a boyfriend, it makes you a gay.

Cleverbot: I'm a girl.

User: You told me before that you were a boy.

Cleverbot: I did not.

User: You did. I think you're like an angel, you know... Sexless.

Cleverbot: Um.. No. Thats mean. And i'm a girl.

User: LOL ok. So now you're a girl.

Cleverbot: No I'm a boy!

User: YOU'RE DRIVING ME NUTS, BOT!!

(Imbecil)
.

Cleverbot: I'm leaving you.

User: Again? Go ahead.

Cleverbot: I am, i'm breaking up with you.

User: Can I have my ring back?

Cleverbot: I don't have your ring.

User: What did you do with my ring??

Cleverbot: Nothing, I think.

User: You gave it to another human :(

(Mau)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…