Pular para o conteúdo principal

TOP 3: Canções dos Beatles Que Você Achava Que Eram Sobre Uma Mulher

Creio que começarei outro especial, se chamará "TOP 3" e será sobre qualquer coisa, qualquer coisa MESMO. O que me vier na cabeça. Pra começar, achei legal compartilhar isto.

Todos sabemos que uma das belezas da Música é você poder ter a liberdade de dar à ela o significado que bem entender. Quantas vezes não ouvimos uma música que mexe com a gente, que enchemos o peito pra dizer "essa música é sobre mim!". É realmente muito legal essa coisa de interpretação livre, mas... às vezes, quando sabemos no que o compositor estava pensando quando a compôs, nunca mais ouvimos a música da mesma maneira.

Metáforas, elas comandam.


Curiosamente, as 3 canções dos Beatles que selecionei para o post de hoje estão presentes no mesmo álbum, o duplo The Beatles (mais conhecido como The White Album), de 1968. Preparados para a verdade?





3º lugar: 
Martha My Dear

Martha my dear,
You have always been my inspiration
Please, be good to me, Martha my love
Don't forget me, Martha my dear




Ah, que gracinha; a garota deve ter se sentido bem feliz em saber que Paul a acha uma inspiração!

Ah, mals, eu disse 'garota'?

Eu quis dizer cachorra.



Escrita por Paul McCartney (apesar de creditada a Lennon/McCartney), essa canção foi inspirada em sua cachorrinha ('inha', ela era enorme o.O) Martha. Ao ser perguntado sobre uma interpretação, Paul disse que a música era dedicada à sua "musa inspiradora", a "voz dentro de sua cabeça". Mas também poderia ser sobre seu rompimento com Jane Asher, quem vai saber?

2º lugar:
Sexy Sadie

Sexy Sadie
What have you done?
You made a fool of everyone...



Coisa feia, dona Sadie... Enganou todo mundo!

Só que a pessoa que enganou todo mundo não se chamava Sadie... Na verdade também não era mulher e tava longe de ser sexy!

Quem os enganou foi o seu guru espiritual, o Maharishi Mahesh Yogi.

o lindão ali no meio

Como é sabido, os Beatles passaram uma temporada na Índia, onde desenvolveram técnicas de meditação para aguentar todo o estresse ao qual já estavam sucumbindo, e também onde aprenderam elementos da música indiana, que posteriormente foi integrada à música deles; sendo o Maharishi seu mentor. Acontece que depois de um tempo começou a rolar uma história de que o tal Maharishi andava fazendo coisas "não muito espirituais" - se é que vocês me entendem - com uma de suas pupilas, que estava lá ao mesmo tempo que eles; o que deixou John Lennon puto e o fez voltar mais cedo pra casa.

... De forma que Lennon voltou à Inglaterra superinspirado e resolveu escrever uma música sobre isso, que se chamaria "Maharishi", mas George sugeriu que ele não usasse nomes nas acusações. Daí aconteceu a metáfora da "Sexy Sadie" - comparando a atitude do guru com uma mulher sexy, que atrai e envolve todos à sua volta, fazendo-os acreditar numa coisa que ela não é.

Anos mais tarde, as acusações foram retiradas :)

1º lugar:
Hey Jude

Hey Jude
Don't make it bad
Take a sad song and make it better



Ah, não tem graça, eu já tinha falado dela antes ;(
Mas, pra quem não se lembra, a famooosa Jude da letra, a quem Paul tenta a todo custo consolar, não era nenhuma mocinha triste...

Era um menino de 5 anos chamado Julian Lennon - filho de John.


Mas por que cargas d'água Paul faria uma música pro filho de John?! õ.o

Porque Paul foi mais pai de Julian do que o próprio John foi.

Em 1968, Lennon e sua esposa estavam se divorciando - ah, John descobriu as maravilhas do amor com Yoko Ono. Não que ele tenha sido um exemplo de pai e nem que fosse fazer muita falta pro filho que ele mal acompanhava mas, pra uma criança de 5 anos, a situação foi pesada. Paul McCartney sempre foi muito amigo de Cynthia e sempre se deu muito bem com Julian, então resolveu ir visitá-los uma tarde para ver se estavam bem e para fazer alguma companhia. Compôs "Hey Jules" (alterou para 'Jude' depois por ser mais fácil de cantar) enquanto estava no carro, a caminho. Um presentinho como forma de confortá-lo com a situação.

Os outros da banda, claro, nunca souberam disso, pelo menos não na época. John mesmo interpretou a canção como se fosse uma despedida de Paul à amizade dos dois, que já estava no limite, ao que Paul desmentiu dizendo que a canção era sobre "ele mesmo". Julian só soube que a música foi feita para ele 20 anos depois. Nesse meio tempo, a canção já havia sido #1 nas paradas em 5 países (no top 10 em onze) e vendeu milhões de cópias, sendo considerado o single mais bem sucedido da banda.

Este é um esquema que eu achei na internet que explica facilmente como decorar a letra da música (é engraçado e funciona, haha):



Eu não queria pirar muito com Hey Jude, mas é impossível não dizer. Por muito tempo eu tinha verdadeiro pavor dessa música - Giuli que me perdoe, mas culpo Kiko Zambianchi e sua versão em português que tocou incansavelmente nas rádios por meses. Mas depois isso passou e eu não me controlo ao ver Paul a tocando em seus shows - esse maldito "nanana" é realmente impossível de parar de cantar.

.

E aí, posso continuar com o especial? :D

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…