Pular para o conteúdo principal

 



Olá, povo que aparece do nada; bem vindos ao meu blog nonsense! :D
Hoje damos continuidade ao Projeto dos 50 álbuns. A primeira parte foi um sucesso; acho que falo por todos os 5 participantes que isso nos deixou muito felizes. Valeu mesmo por virem conferir!

Pra quem chegou agora e não sabe do que o projeto se trata, os convido a conferir a apresentação + primeira parte bem aqui.

Preparados para mais 10 álbuns? Depois do clique!




11 - Noção de Nada – Trajes e Comportamentos de Acordo com os Eventos e as Ocasiões (2001)


Acho que é o disco que mais tenho apego em toda a minha coleção. Apesar de não ser o meu favorito, de todas os tempos é o que mais considero em si, até pelo cuidado que a banda teve de colocar notas sobre cada música ajudando ao ouvinte entender o que Bil e cia realmente quiseram passar. Lindo do começo ao fim. Maior disco do rock nacional.


12 - Zélia Duncan - Eu me transformo em Outras (2004)
escolhido por Daniel - http://www.jazzerock.com/


Com um clima de ensaio, de tão descontraído, esse maravilhoso álbum, onde Zélia se transforma em muitos cantores e cantoras de choro e samba, é uma jóia que deveria ser guardada a sete chaves diante de alguma ameaça nuclear que possa deixar nosso mundo às baratas! E não exagero quando falo: grandes músicos, uma grande cantora, belos arranjos, belas canções, uma divina produção,... PERFEITO! Zélia prova que é uma metamorfose ambulante, ao se despir de todo seu lado pop, e encarnar muitíssimo bem uma negra mãe de 4 filhos, moradora de morro, que canta samba nas horas vagas. Um poder despretensioso na voz, os arcos da lapa fazem o plano de fundo a cada nota. Não se tem muito o que falar sobre clássicos sonoros: Se deve ouvir e se emocionar! E esse disco é audição obrigatória pra quem diz gostar de música!


13 - Them Crooked Vultures - Them Crooked Vultures (2009)
escolhido por Daniel - http://www.jazzerock.com/


Them Crooked Vultures, recebeu o status de “superbanda” antes mesmo de ter seu primeiro álbum lançado. Desde o anúncio da formação, com o ex-baixista do Led Zeppelin, John Paul Jones, o baterista Dave Grohl (Foo Fighters) mas que tocou no Nirvana e o guitarrista e vocalista do Queens of Stone Age, Josh Homme, a expectativa em torno do trio era imensa e o projeto ambicioso. O álbum recebeu vários elogios, afinal o resultado foi surpreendente, músicas bem elaboradas, riffs pesados e com qualidade, sem falar do entrosamento dos músicos e a maturidade de cada um. Outro ponto importante é em relação a influência musical, durante as músicas é possível notar um pouco de tudo, porém na medida exata, cada música traz algo que lembra o Led, Foo Fighters e o Queens of Stone. Them Crooked Vultures, até agora é apenas um projeto, se vai ter continuidade e futuros lançamentos, vai depender do trio.

senha: Music-Pirates

14 - BB King and Eric Clapton - Riding With The King (2000)
escolhido por Daniel - http://www.jazzerock.com/


BB King é o rei do Blues e Eric Clapton o deus da guitarra. Encontrar um álbum – entre vários – do BB King por exemplo, é uma tarefa difícil e injusta; em 2008 mesmo, o rei do blues lançou “One Kind Favor”, um álbum que remete aos velhos tempos, todo ambientado nos anos 50. Na  minha opinião teve um álbum que superou tudo, “Ridging With The King” é o resultado do encontro entre BB King e Eric Clapton. Poder ouvir os dois em um único álbum, tocando, cantando em uma sintonia perfeita e sentir cada nota soar de maneira mágica em nossos ouvidos, é algo inesquecível. Como disse, em uma década, foram lançados álbuns excelentes, mais nada supera um encontro entre BB King e Eric Clapton.


15 - O Teatro Mágico - Segundo Ato (2008)
escolhido por Daniel - http://www.jazzerock.com/


De tempos em tempos a música (de um modo geral) é surpreendida por algo inovador, seja um cantor, uma banda, um estilo novo ou reinventado. E a música brasileira teve esse momento em 2003, quando o ator, compositor e cantor Fernando Anitelli criou um projeto inovador, uma trupe, o “Teatro Mágico”. As músicas fogem completamente do tipo e de estereótipos de música de rádio, ou vendável, letras inteligentes, com conteúdo e um som que é diferente de tudo que você possa imaginar, a trupe reúne a música, poesia, teatro e a arte circense. “Segundo Ato” (2008) é o segundo álbum do Teatro Mágico, a escolha é devido às letras, em especial “Xanéu nº 5”, uma música que faz uma critica e aborda o impacto da TV na vida das pessoas e questionamentos que nos leva a uma reflexão. Como se isso não bastasse Fernando ainda tem a companhia de Zeca Baleiro, que interpreta um trecho da música. No geral todos os trabalhos do Teatro Mágico são maravilhosos e de extrema qualidade, além de trazer algo inovador na música brasileira nos dias atuais (conteúdo), a trupe ainda mostra que é possível levar arte as pessoas através da internet e dos CDs com preços populares.


16 - John Pizzarelli - Live At Birdland (2003)
escolhido por Daniel - http://www.jazzerock.com/


Eu não poderia deixar o guitarrista John Pizzarelli fora da minha lista. Ele teve grande influência sobre minha vida, principalmente pela paixão que tenho com o Jazz. Foi através da sua música que me envolvi com esse universo. Durante a década, Pizzarelli fez trabalhos excelentes (nem eu mesmo saberia citar o melhor), prestou homenagens a Nat King Cole, Frank Sinatra e a Bossa Nova, apesar disso, “Live At Birdland” é um dos meus favoritos, pela espontaneidade que só um álbum ao vivo proporciona, recheado de improvisos e um jazz de altíssimo nível, sem falar do John Pizzarelli Trio (John, Martin e Ray Kennedy), que dispensam comentários. Neste show, Pizzarelli mostrou por que é considerado um dos grandes nomes do jazz mundial. Fica a dica !

[Conheça - disco 1 - disco 2]

17 - Felipe Cazaux - Help The Dog! (2007)
escolhido por Daniel - http://www.jazzerock.com/


Felipe Cazaux é sem dúvida um dos grandes nomes do blues nacional, como cantor, guitarrista e compositor, “Help The Dog!” apresenta de tudo, para não deixar os ouvintes mais exigentes desapontados. Apesar de ser o primeiro álbum solo, Felipe já demonstra uma personalidade forte, seu som chega a ser inconfundível, com uma pegada forte na guitarra – com um timbre sujo e solos muito bem elaborados - e com uma voz que se encaixou bastante ao estilo. Outro destaque são as composições, que vão desde o bom humor de “Got Love” até o romantismo de “Miss You” e “Positive Feeling”, e pelas críticas de “Must Be The Money”, a faixa “Gonzaga’s Blues” traz uma sonoridade regional e “So Glad” um verdadeiro blues raiz. Enfim “Help the Dog!”, um álbum indispensável para os amantes da boa música, e o melhor de tudo, é mais um músico de qualidade despontando para o cenário nacional. Como primeiro álbum agradou, agora se o Felipe continuará fazendo excelentes álbuns (como “Help The Dog”) só o tempo vai nos mostrar. Eu espero que sim.


18 - Against Me! - Against Me! Is Reinventing Axl Rose (2002)


Disco sensacional. Punk Rock com influências folk, ora muito gritado, ora bem melódico. Pode parecer um disco meio bagunçado pelo fato de em algumas músicas as vozes não estarem sincronizadas, mas a intenção era essa mesma. “Pints of Guiness Make You Strong”, “We Laugh at Danger (And Break All The Rules)”, “Walking Is Still Honest”, “Those Anarcho Punks Are Mysterious...” e a faixa título se destacam nessa obra genial.


19 - Foo Fighters – Echoes, Silence, Patience and Grace (2007)

Depois do fraco “One by One”, Dave Grohl prometeu o disco definitivo dos Fighters e lançou o bom “In Your Honor”. No entanto, para mim, esse disco tem muito mais qualidade que o anterior, chegando muito perto do clássico “There is Nothing Left to Lose”. Tem os rocks característicos da banda, tem as mais radiofônicas e tem as tranquilas.


20 - At The Drive-In – Relationship of Command (2000)

O que me primeiro me chamou a atenção foi a presença e postura da banda no palco. Omar e Cedric sempre estão elétricos, se jogando, pulando e berrando no palco. Esse cd traz algumas músicas mais pesadas, “Sleepwalk Capsules”, “Cosmonaut”, “Rolodex Propaganda” e o hit “One Armed Scissor” e outras mais viajantes, “Invalid Litter Dept.” e “Quarantined”. Uma banda única, fazendo um som bastante peculiar. O maior disco lançado na gringa na década passada, na minha opinião.



Quase um monopólio a lista de hoje, hein? hahah
Estas são as 10 indicações da semana. Espero que gostem, e até quinta que vem com a continuação!

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…