Pular para o conteúdo principal

 



Dae, galera do mal.
Povo sumiu geral. Eu sei que não precisa dizer de novo, mas não estamos obrigando ninguém a baixar nada. Só gostaríamos de saber a opinião de vocês sobre as escolhas, sobre os álbuns (se os conheciam ou conheceram com a gente), sobre o projeto. O tal do feedback é importante pra gente saber se o esforço vale a pena. E, se for pra falar sozinha, prefiro fazer posts mais fáceis e menos arriscados.

Sou chata, mesmo. xD

Hoje vamos postar a 4ª e penúltima parte da lista do projeto. Para conferir as listas anteriores:


Os participantes do projeto são:


E as indicações de hoje são:



31 - Creed - Weathered (2001)
escolhido por Luiz ~ http://luizlegacy.blogspot.com/


Auge do Creed, sempre cito as letras como fator importante para os melhores álbuns e neste caso não é diferente. Mesmo com sua temática religiosa o Creed consegue passar uma mensagem geral de um jeito que todos se identifiquem. Os músicos são muito bons, destaque pra a guitarra ditando o clima e os ótimos riffs das músicas. O vocalista Scott canta com emoção e sua voz (mesmo criticada por ser parecida com o Eddie Vader) envolve você nas músicas e te faz sentir todas as emoções dele em cada frase cantada.


32 - Dead Fish - Zero & Um (2004)
escolhido por Luiz ~ http://luizlegacy.blogspot.com/


Na minha opinião é o melhor álbum brasileiro da década, fazendo com que o hardcore se encaixe perfeitamente com o idioma português e com a voz do Rodrigo, que mesmo que não seja muito boa, envolve muito bem quem escuta, principalmente quando ele canta as várias frases fortes criticando a sociedade num geral. Produção ótima e um som muito empolgante.


33 - Hoobastank - Every Man For Himself (2006)
escolhido por Luiz ~ http://luizlegacy.blogspot.com/


O álbum mais bem produzido da banda. Empolgante, bonito, profundo, agitado, pesado, suave e etc, o Hoobastank conseguiu fazer um álbum bem variado e criativo. Com boas letras e um vocal bom de se ouvir, uma pena não ter ficado tão famoso como o "The Reason".


34 - This Is A Standoff - Be Disappointed (2009)
escolhido por Rafhael Vaz ~ http://musicaecerveja.blogspot.com/


Vencedor do meu top 5 2009, “Be Disappointed” é o único álbum lançado em 2009 de minha lista. TiaS foi criada como conseqüência do fim de Belvedere – contam com 2 integrantes da extinta banda. Repleto de músicos experientes e talentosos, o resultado foi previsível, um puta cd no melhor punk/hardcore melódico com instrumentais bem técnicos.


35 - Millencolin - Pennybridge Pioneers (2000)
escolhido por Rafhael Vaz ~ http://musicaecerveja.blogspot.com/


Este foi o cd que alçou Millencolin aos grandes patamares que ocupa até hoje. Um dos motivos foi por ter a música “No Cigar” no Tony Hawk, o outro foi pela evidente qualidade do trabalho. Por ter sido um álbum por demais comentado, alguns torceram o nariz para a banda, hoje muitos consideram um disco já manjado mas, o que supera qualquer argumento foi a importância deste álbum. Com as oitavadas da guitarra, a banda mudou a concepção do punk rock melódico (alguns afirmam que eles tocavam softcore, outros pop punk, mas isso é o de menos) influenciando inúmeras bandas até hoje. Então, principalmente em termos de importância, este disco merece um destaque nesta lista.


36 - Rx Bandits - ...And The Battle Begun (2006)
escolhido por Rafhael Vaz ~ http://musicaecerveja.blogspot.com/
+1 milhão de indicações minhas, DIK *__*


Esta década foi um ano de profunda transformação no Rx Bandits. De uma banda de ska mediana, para uma banda experimental que dispensa rótulos. Dos álbuns lançados nesta nova fase, “...And The Battle Begun” sem dúvida foi o que mais me marcou. Um disco grandioso que tem tudo para ser relembrado por anos a fio.



37 - Buena Vista Social Club - at Carnegie Hall (2008)
escolhido por Rafhael Vaz ~ http://musicaecerveja.blogspot.com/


Eu não podia deixar Buena Vista de fora dessa. Um belo projeto do músico americano Ry Cooder em juntar artistas esquecidos da velha guarda cubana, lançar cds e realizar turnês, revitalizando a deliciosa música cubana. Como o primeiro disco foi lançado no final dos anos 90, o escolhido foi esse registro deles se apresentando em Carnegie Hall, localizado em Nova Iorque. A performance empolga e emociona, ficará para a história.

[Conheça: parte 1 | parte 2]
pass.: marm@Duk3

38 - Breakestra - Hit the Floor (2005)
escolhido por Rafhael Vaz ~ http://musicaecerveja.blogspot.com/


Este foi o primeiro disco com canções próprias, desta banda californiana formada em 1996 (antes haviam lançado apenas Eps e cds com covers). “Os caras chutaram a porta e entraram de vilões”, o cd é uma pedrada. Misturando elementos funk, hip hop e soul, eles são um bom exemplo do que há de melhor no funk atual.


39 - Bad Religion - The Empire Strikes First (2004)
escolhido por Rafhael Vaz ~ http://musicaecerveja.blogspot.com/


Fugindo à norma, nunca dei muita atenção para Bad Religion. Sempre a via como uma banda clássica, que faz um som bacana, mas que nunca chegou a me empolgar. Bom, isso foi até eu queimar a língua ao ouvir este cd que me surpreendeu bastante. Po, os caras não envelhecem, não perdem o pique.....o som soa redondinho, as ótimas letras politizadas (a começar pelo próprio nome do disco), os backing vocal que mais parecem um coral, hahah. Enfim, quase um punk rock orquestra.


40 - Móveis Coloniais de Acaju - Idem (2005)
escolhido por Rafhael Vaz ~ http://musicaecerveja.blogspot.com/



É com orgulho (nem me venham com “é marmelada”) que esta banda de Brasília está na minha lista. Eles que já começam a chamar atenção pelo nome, fazem um som bem original, uma espécie de ska/samba/rock. Soma-se isso com um suíngue e letras das mais divertidas e peculiares e entenderás por que eles surpreenderam a tantos. Impossível de se ouvir e ficar parado.



Hoje o Rafhael fica feliz, hein? Hahaha
Quinta-feira que vem, última parte da lista! Não percam!!

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…