Pular para o conteúdo principal

Cover: While My Guitar Gently Weeps

Da outra vez eu disse que não tinha certeza se isso também seria um especial. Ainda não sei, mas este cover eu preciso postar.

Esses dias atrás eu redescobri um CD que estava soterrado em meio a tanta porcaria que tá largada no escritório da minha casa. Chama-se "Beatles Forever", e é uma compilação de covers feitos por vários artistas famosos, como Elton John, Steve Wonder, David Bowie e outros. Coloquei pra tocar e foi uma verdadeira sessão nostalgia; eu ouvia esse CD direto quando era mais nova, antes mesmo de conhecer grande parte das versões originais.

Aí começou a versão de While My Guitar Gently Weeps, feita pela The Jeff Healey Band, e eu me reapaixonando pela voz do cara. Cliquei no ícone do LastFM pra ler sobre a banda, cujo nome me era completamente desconhecido. Aí fui apresentada à Jeff Healey, e agora digo foi a descoberta tardia mais feliz e triste que fiz nos últimos tempos.

Apresentando muito sucintamente, só para que vocês entendam,

Jeff Healey nasceu no Canadá, em 25 de março de 1966, e foi adotado ainda bebê. Com menos de um ano de idade, desenvolveu um tipo raro de câncer que o deixou cego, tendo seus dois olhos removidos e substituídos por artificiais. Aprendeu a tocar violão ainda com 3 anos, desenvolvendo sua técnica única de tocar com o violão deitado sobre seu colo, utilizando todos os 10 dedos - estilo que o caracterizou a vida toda. Montou sua primeira banda com 17 anos de idade, e logo depois surgiu o The Jeff Healey Band, um trio de blues/jazz/rock que fez muito sucesso por lá, e teve até uma indicação ao Grammy de Melhor Performance de Rock Instrumental. Tanto banda quanto ele próprio fizeram turnê com vários artistas consagrados do estilo. Infelizmente, em 2007, o câncer voltou a atormentar Jeff Healey e, embora tenha sido operado, os sarcomas voltaram e então em 2008, com 41 anos, ele veio a falecer. Ele deixou esposa e um casal de filhos - o mais velho, inclusive, tendo a mesma doença do pai.

Então, obviamente, o post de hoje será em homenagem a essas duas pessoas por quem tenho grande admiração e respeito: Jeff Healey e, como verão, George Harrison.

Clique para conferir original de cover de While My Guitar Gently Weeps (com respectivas infos):





do Concert For Bangladesh, 1971

► Esta música foi lançada no duplo The Beatles (ou The White Album); a composição é de George Harrison e sempre foi executada por ele em sua carreira solo. A ideia para a letra veio quando ele lia o I Ching. No momento de gravar, ele sugeriu que o seu melhor amigo, Eric Clapton, fizesse a guitarra solo; o amigo ficou relutante pois sabia que os beatles não admitiam "estranhos" em suas gravações, mas ele acabou concordando, no final. E melhor do que isso: ajudou a manter a paz no estúdio.



► A versão de Jeff Healey saiu no álbum Hell To Pay, de 1990; contando com a participação de George Harrison nos backing vocals.


A canção, como boa clássica que é, recebeu inúmeras versões. Para conhecer as outras, confira a lista aqui.


Queria deixar um vídeo-bônus aqui pra vocês, mas todos os que achei no YouTube estão com a incorporação desativada ¬¬ De qualquer forma, deixo aqui o link pra quem quiser ver. É uma apresentação muito emocionante da música no Concert For George, feito por sua família e amigos uns meses depois de sua morte. Neste vídeo estão Eric Clapton e Jeff Lynne nas guitarras, Dhani Harrison (seu filho) no violão, além de Paul McCartney no piano e Ringo Starr na bateria; entre outros músicos:


Post enorme, não? Espero que tenham gostado, fiz com o maior prazer ♥

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…