Pular para o conteúdo principal

 



Oláá!

Hoje postamos a 5ª e última parte do Projeto "Os 50 Melhores Álbuns da Época"! :D

Bom, tudo o que tinha de ser dito sobre o Projeto já foi dito. Nos resta então agradecer a todos os que gastaram um tempinho nos nossos posts, lendo e quem sabe ouvindo. Como dissemos, selecionar os álbuns e preparar os posts foi uma tarefa bem trabalhosa, mas valeu a pena. Trocamos dicas entre nós 5 e  as dividimos com os nossos leitores - eu mesma conheci muita coisa legal com essa lista. Esperamos que tenham gostado da iniciativa e que tenham tirado proveito dela! :)

Nossos 5 participantes foram:



Para conferir todas as partes anteriores da lista:

» Parte IV

E nossas últimas 10 indicações são:

41 - Reffer - Interference (2001)
escolhido por Rafhael Vaz - http://musicaecerveja.blogspot.com


Um trabalho muito a frente de sua época, Reffer conseguiu em seu primeiro e único álbum, ser considerada por muitos como a melhor banda de hardcore do cenário nacional. Sendo exagero ou não, nenhuma banda consegue tal status em tão pouco tempo a toa. Liderada pelo sempre competente guitarrista e vocalista Philippe Fargnoli (hoje guitarra do Dead Fish), Reffer faz neste disco um som fora dos padrões brasileiros, de audição obrigatória para quem acompanha a cena de hardcore brasileira.


42 - Thrice - The Artist in The Ambulance (2003)
escolhido por Rafhael Vaz - http://musicaecerveja.blogspot.com



Vocal alternando entre o suave e o berro conforme manda a melodia, instrumentais com peso do começo ao fim com solos e riffs  velozes completando o cardápio. Rock, peso, melodia, berros e belas letras, resumindo é o que encontramos neste belo disco. E o melhor é que o som soa limpo, conseguimos ouvir cada instrumento durante todo o disco, mesmo nas partes mais explosivas. Rock da melhor qualidade!!


43 - Mad Caddies - Just One More (2003)
escolhido por Rafhael Vaz - http://musicaecerveja.blogspot.com
+1 milhão de recomendações minhas, DIK *___*


Levando em consideração apenas a 3° onda do ska, Mad Caddies é sem dúvida a minha banda preferida. Imprevissíveis como em toda sua discografia, em Just One More eles mostraram todas suas influências, ska, punk, pop, folk, reggae e algumas maluquices, com destaque ao vocalista Chuck Robertson, com um vocal bem limpo que se adapta à qualquer gênero que a banda se arrisque a tocar. Um ótimo trabalho, talvez o melhor deles. 


44 - Limp Bizkit - Chocolate Starfish and The Hot Dog Flavored Water (2000)
escolhido por Luiz - http://luizlegacy.blogspot.com




Simplesmente empolgante, não tem como não ouvir este álbum e não querer pular. Toda a fórmula básica do Limp Bizkit é levada ao máximo com a criatividade do guitarrista Wes Borland e as letras cheias de críticas alheias e palavrões do vocalista Fred Durst. Na minha opinião é o auge do grupo e um dos álbuns que mais ouvi em toda a minha vida.

só o Luiz mesmo pra me fazer falar de Limp Bizkit no meu imaculado blog x.x

45 - Nine Inch Nails - With Teeth (2005)
escolhido por Luiz - http://luizlegacy.blogspot.com


Trent Reznor é foda até sóbrio. Mais uma obra de arte em que você sente todo o cuidado para produzir e todo sentimento do tio Trent. Quanto mais eu escuto esse álbum mais eu fico impressionado com a criatividade deste senhor.


46 - Reel Big Fish - Our Live Album is Better Than Your Live Album (2006)
escolhido por Emmanuella - http://herecomesthezombie.blogspot.com


Eu não sei se podia incluir álbuns ao vivo na lista, mas eu não podia MESMO deixar esse de fora. Essa pérola reúne 38 faixas de Reel Big Fish no melhor de sua performance e, melhor do que tocar com a mesma perfeição do estúdio, é a interação com o público. Cada vez que ouço esse álbum é como se fosse a primeira, é impossível deixar de rir com as piadinhas e trocadilhos infames daqueles malucos.

[Conheça: parte 1 | parte 2]

47 - Anti-Flag - The Bright Lights of America (2006)
escolhido por Emmanuella - http://herecomesthezombie.blogspot.com


Se algum "fã" de Anti-Flag topar com essa lista, provavelmente me xingou agora; afinal esse álbum é conhecido como "o momento em que o A-F se vendeu". Não ligo, eu ainda sou da opinião de que se você tem oportunidade de fazer com que a sua música seja mais divulgada, de forma que mais pessoas possam ouvir à sua mensagem, agarre-se a ela. A intenção é essa, não é? Qual é o sentido em se ter um monte de ideias legais pra meia dúzia de pessoas conhecer? De qualquer forma, de todos os álbuns do A-F, esse é o que eu acredito ter as melhores letras - afinal, indiferença é uma coisa que machuca a todos, não é mesmo?


48 - Oasis - Dig Out Your Soul (2008)
escolhido por Emmanuella - http://herecomesthezombie.blogspot.com


Gosto de Oasis sim, acho absurdo ter que me justificar (haha). Tá na lista por diversos motivos: foi o último da banda, tá uma viagem total numa onda psicodélica drug-free, composições quase não-monopolizadas por Noel Gallagher (único defeito do álbum) e um marco histórico pro Oasis: uma música de autoria do Liam que é realmente boa! (eu tiro mesmo, ainda tô com raiva.)


49 - Ringo Ska - Betolzkahitoparat (2009)
escolhido por Emmanuella - http://herecomesthezombie.blogspot.com


Ninguém conhece essa banda, ninguém nunca ouviu falar nesse álbum, mas ele tá na minha lista pelo simples motivo de ser a realização de um sonho pessoal meu. Como beatlemaníaca que curte um Ska de vez em sempre, constantemente me perguntava quando uma dessas bandas superdivertidas faria um cover qualquer de Beatles pra eu ver se ficaria legal. Daí topei com essa Ringo Ska da Alemanha e seu álbum todo de covers, e tirei minha dúvida: ficou realmente muito legal. Recomendo!


50 - The Littlest Man Band - Better Book Ends (2004)
escolhido por Emmanuella - http://herecomesthezombie.blogspot.com


Quem é fã de Reel Big Fish muito provavelmente já ouviu falar do The Littlest Man Band. Foi um projeto paralelo de curta duração do trompetista/guitarrista/vocalista Scott Klopfenstein, e não tem absolutamente nada a ver com o que ele faz no RBF. O The Littlest Man Band foi uma banda de jazz/piano rock, onde Scott mostrou um lado sério e maduro que não conhecíamos. É um álbum intenso e recomendado para todos que curtam o estilo, independente de gostar ou não de RBF.


Hoje o quase monopólio foi meu! xD

E assim acaba a nossa lista de indicações da última década. Claro que cada um de nós vai continuar indicando artistas e álbuns com nossos blogs, mas talvez participemos de outros projetos juntos, futuramente. Muito obrigada a todos que acompanharam os nossos posts, e deixem seus comentários! :)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…