Pular para o conteúdo principal

Isso era pra ser provisório. Se for postado com esse título, é porque não consegui nada melhor.

Já tá na hora de preparar o post de amanhã (agora são 13h58 do dia 25) e eu ainda não sei o que vou postar. Se até a meia-noite eu não arrumar assunto, contentem-se com o que está aí. Divagações da minha mente perturbada. 

► Vejamos. Hoje (ah meu, quando eu falo "hoje" entendam que é dia 25), Noel Gallagher faz seu retorno glorioso desde o fim do Oasis, tocando em duas apresentações beneficentes no tradicional Teenage Cancer Trust. Já falei disso. O fato é que eu queria assistir a transmissão ao vivo pela internet e fazer a resenha, mas infelizmente às 17h30 (fuso horário ajustado) estarei no meio da caminhada de 5km under the sun rumo à aula de francês. Ah, falando em Noel Gallagher, será papai de novo. Que gracinha, Donovan vai ganhar um parceiro de crime.

► Sabem a minha estrela que insiste em apagar? Fui retocá-la, quarta-feira. Agora ela brilha de novo. Já fazia mais de dois anos que não a refazia. Dá uma sensação legal vê-la tão forte (claro, a sensação legal vem depois das sensações de dor, ardência e coceira, respectivamente).

deixei a Akira porque ela saiu na foto com uma cara mais digna do que a minha.

► Não queria ter que falar disso, mas ainda tô perturbada. Não sou lésbica. Não tenho intenção de ser. Nada contra as gurias quererem ser, desde que não fiquem me passando a mão. Os caras não me passam a mão, então comportem-se e sejam gente decente. E, pra completar, não entendo porque é tão difícil as pessoas acreditarem que, quando uma moça anda com outra moça, as duas não possam ser nada além de irmãs ou boas amigas. Elas têm mesmo necessidade de ser um casal, mentes perturbadas? Por que vocês acham tão chocante quando descobrem que duas amigas sempre juntas eram apenas duas amigas que gostavam de andar juntas? Ou que a guria que tá sempre comigo na rua é a minha irmã? O fato de nunca me virem atracada com um cara por aí não faz de mim uma lésbica; afinal, nunca me viram também atracada com uma guria. Malditas mentes provincianas.

► Lembram do nosso projeto dos 50 álbuns? O Daniel e o Rafhael muito gentilmente me convidaram para participar de outro projeto; um blog chamado "Musicólatras Anônimos", onde compartilharemos entre nós e os leitores o que quer que nos chame a atenção em termos de música. Nossa equipe é diversificada (e eu novamente sou a única mulher - depois me chamam de lésbica e eu acho ruim; mas é o preço que se paga por não ser uma mulherzinha fresca), então acredito que será muito interessante. Passem por lá e fiquem atentos, a qualquer momento começaremos! :)

► Ontem eu fui dormir pensando numa coisa que me deixou perturbada. Quando forem à piscina, fiquem longe do duto da bomba do filtro, pelo amor que vocês têm às suas tripas. Só o Rafhael entendeu, mas se você não é o Rafhael e não quer ficar boiando, fique interado da advertência. (Não recomendado para menores de 18 anos. Na verdade, não é recomendado pra ninguém. É como se diz pela internet: Not Safe For Work, Not Safe For Life.)
(Não, não foi o Rafhael quem passou por isso; ele só me mostrou isso que todos vocês clicaram agora.)

.

UPDATE: Cheguei em casa e a primeira coisa que fiz foi procurar algo sobre o show. Mentira, primeiro fiquei mais ou menos uma hora sem conseguir acessar a internet, então aproveitei pra fazer coisas menos importantes, tipo comer alguma coisa e tomar banho. Aí sim. No OasisNews (Alisson, como sempre, meu salvador) estão postados várias fotos e vídeos de pessoas que estavam no show representando o site. Não tá lá aquela emoção de ver ao vivo, mas deu pra sentir, a galera aplaudiu o homem de pé. O set só teve músicas do Oasis (chupa Liam), e o que me surpreendeu foi o Gem e Jesus, digo, Jay Darlington o terem acompanhado. Achei que eles não podiam mais tocar juntos. Enfim. Amanhã tem outra apresentação, essa eu espero não perder.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…