Pular para o conteúdo principal

Pandora Lennon, A Recusa de Darwin e A Lenda de George.

Antes da piração, uma breve nota:
Povo já tá com medo do Akinator, né? HAHA eu também.

Aproveitar pra agradecer a galera que divulga os posts (por Twitter ou outros meios); fico toda feliz em saber que tem coisa aqui que vale a pena repassar! :)

.

Achei uma porção de brincadeiras legais neste blog; resolvi fazer esta primeiro:


1. Procure a prateleira mais próxima com os seus livros favoritos - livros de receitas, manuais de instruções, revistas, não importa. Qualquer coisa impressa serve. Se você não tem livros em uma prateleira, junte os primeiros sete livros que vir pela casa.

2. Livro #1: Vá para a página 21. Leia a 5ª frase completa (ou seja, até o ponto final). Escreva-a.

3. Faça o mesmo com todos os livros que você juntou. As frases vão formar um parágrafo. Você tem que escrevê-las na ordem em que as achou.

4. Quando terminar, leia a sua história e dê a ela um nome. 

5. Nos mostre sua bibliografia no fim deste post. Talvez você fique surpreso com o que lê. Não trapaceie!


Vejamos o que sai:




"Afora o ressentimento que perdurou em razão dessa circunstância, a consciência que John tinha de seu pai passou a ficar ano a ano mais fraca.[1] Uma outra versão é a de que Pandora foi mandada por Júpiter com boa intenção, a fim de agradar ao homem.[2] Na época de Darwin, esse aspecto da teoria de Lamarck não foi aceito de um modo geral, mas praticamente todos os cientistas acreditavam que os caracteres adquiridos por uso ou desuso podiam ser transmitidos hereditariamente.[3] No inverno de 1871, George e Eliza tinham, como era típico dos habitantes das regiões mais sórdidas da Londres vitoriana, uma família muito considerável: seis filhos, numa ordem que ia de Claire, com quase 13 anos, até Freddy, de 12 meses.[4] Visto que a vida da maioria dessas celebridades é baseada em relatos de excessos  e bizarrices diversas, não é de se admirar que os conspirólogos tenham encontrado terreno fértil para a criação dessas lendas.[5] Um dos diversos problemas dessa abordagem é sugerido pelos versos de "Strawberry Fields Forever": "Ninguém, eu acredito, está na minha árvore; quero dizer que ninguém deve ser superior ou inferior".[6] Desculpem o pequeno atraso.[7]"

#1. "The Beatles, a biografia", de Bob Spitz. Capítulo: "Uma educação adequada".
#2. "O Livro de Ouro da Mitologia", de Thomas Bulfinch. Capítulo: "Prometeu e Pandora". (tive que usar a pág. 22, porque a 21 tem apenas uma ilustração de página inteira)
#3. "A Origem das Espécies", de Charles Darwin. Introdução por Richard Leakey.
#4. "O Professor e o Demente", de Simon Winchester. Capítulo: "A calada da noite Em Lambeth Marsh".
#5. "Segredos e Lendas do Rock", de Sérgio Pereira Couto. Capítulo: "Paul McCartney e Lou Reed: boatos de mortes misteriosas". (novamente precisei usar a pág. 22, pois a 21 só contém uma lista de canções)
#6. "Os Beatles e a Filosofia", de Michael e Steven Baur. Capítulo: "E chegará o tempo em que veremos que todos somos um: Os Beatles e o monismo idealista".
#7. "Só Pirando", de Andy Griffiths. Capítulo: "Expulsem-me". (o único livro fictício da lista, e o mais inútil ever!!! muito engraçado, recomendo)


Então, se posso arriscar uma sinopse/interpretação;

Não adianta, minha história acaba girando em torno de John Lennon. E o mais impressionante de tudo é que ali pelo meio é citado um Freddy, que não tem nada a ver com Lennon, mas o nome do pai dele coincidentemente era Freddy! @.@ Enfim, não quero pensar no estrago que seria John Lennon e Pandora casados (segundo fato interessante: estou ouvindo música em forma aleatória e acabou de começar uma música de John Lennon chamada "Scared"!!! Acho que isso traduz a minha indagação)... Pelo que parece, o casal foi apresentado por Lamarck, coisa que Darwin não aprovava, aparentemente temendo os filhos deste relacionamento.

A lenda diz que George teve 6 filhos, o que se sabe que é mentira - não apenas pela letra de Strawberry Fields Forever, mas também pelo sabido fato de que George (Harrison, no caso :B) foi o beatle que menos teve filhos (apenas um). O atraso eu deixarei para que vocês interpretem (aka "estou sem ideias", haha).

{ Sim, minha imaginação me assusta.

Ah, claro. O nome do livro está no título do post e, como eu sou bem desocupada, fiz até uma capa pra ele:

crédito à Giuli que fez os cortes das imagens pra mim - o resto foi eu meeerma.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…