Pular para o conteúdo principal

Paul Está Vivo.

Esse vai ser um post de mulherzinha. 

Apesar de ser sarcástica/grossa/estúpida e ter uma expressão indiferente no rosto a maior parte do tempo, eu tenho sentimentos e, não raramente, me emociono com coisas irrelevantes. Às vezes eu chego a chorar só de assistir ao DVD de algum show, por exemplo. Vídeos no YouTube, sejam de música ou de entrevista, também surtem o mesmo efeito. Bem babaca, mesmo.

Um desses shows em DVD que me deixam em estado de pamonha amanhecida é o Paul Is Live.

Esse DVD é uma compilação de apresentações do Paul McCartney em três cidades dos EUA, da turnê do álbum Paul Is Live, em 1993. Andei lendo opiniões pela internet e vi que muita gente critica bastante o DVD, mas não pelo show - afinal, show de Paul McCartney não é o que a gente possa dizer que seja "uma merda", "mal produzido" ou, mais absurdo, que "falta sentimento". A bronca dos fãs é justamente a edição de vídeo; eles alegam que "a produção do DVD fica devendo ao show": cenas muito rápidas, câmera mais focada no público do que na banda, abuso de p&b e efeitos "tremidos" que enchem o saco. Ainda assim, é algo que eu amo assistir, volta e meia.

Três momentos em particular me deixam mais emocionada (fora o fato de ver a Linda o show todo... é estranho como eu me apego a certas pessoas que nunca conheci; ela é tipo uma tia querida, pra mim):

1. Durante a música C'mon People, que tem uma letra linda, os telões em cima e nos lados do palco ficam exibindo fotos de pessoas aleatórias, conhecidas ou não. Assim que a música acaba, as imagens congelam e, nos telões laterais (os maiores) ao lado esquerdo está uma foto do Paul e, no lado direito, uma do John. É impossível não me emocionar, depois de uma música tão bonita .-.

2. O final de Hey Jude. Aaah, meu, eu não consigo. É muito triste, quando eu penso no significado dela, e aquele clima de fim de show, e aquele "nanana" interminável com uma empolgação digna de "vai ser a última coisa que você vai cantar na vida" (mesmo com a Linda desafinando o backing vocal, como sempre xD). Sei lá. É triste.

3. Assim que acaba o show. Paul se despede do público com um aceno animado e então a câmera dá um close nesse menino:


Eu não consigo segurar e choro junto com ele. Fico imaginando o que se passava na cabeça dele... Ele não conheceu os Beatles no auge da fama; ele provavelmente nem sabia direito quem era aquele homem da camisa esquisita que não decidia se tocava violão, guitarra ou piano. Mas ele estava claramente triste porque esse homem, o homem que estava cantando todas aquela coisas alegres e tristes, estava indo embora. Hoje em dia ele deve ter minha idade ou mais, e nem imagina o que essa cena dele no ombro do pai, acenando e chorando, faz comigo.


E pensar que este mesmo homem estará no Brasil em abril me deixa ainda mais triste. Eu tinha expectativas sobre-humanas de vê-lo mas, infelizmente, "o Governo de Brasília não tem verba para bancar o show". Brasília é a cidade mais próxima daqui, de todas as cidades da última turnê da carreira dele, com a vantagem de que o show ainda seria gratuito. Jamais conseguiria juntar dinheiro suficiente para um ingresso inteiro (que deve girar em torno de uns R$400), mais as passagens. E assim acaba novamente o sonho.

De qualquer forma,

queria colocar aqui o vídeo da C'mon People, mas não tem no YouTube. Achei apenas um; não é o da apresentação que está no DVD, mas é da mesma turnê, então é basicamente a mesma coisa - só que o inútil que postou no YouTube cortou beeem na hora que aparece o que eu falei ¬¬

Então vai Hey Jude mesmo, essa é a versão do DVD (e ainda tá legendado):


No canal do cara que postou este tem outros vídeos do DVD, caso queiram ver.


C'mon people, let the world begin
We've got a future and it's charging in
We'll make the best of all we have, and more:
We'll do what never has been done before

Postagens mais visitadas deste blog

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

Conhece o teste de personalidade Myers-Briggs?

O MBTI (Myers-Briggs Type Indicator) é um teste psicométrico altamente difundido pelo mundo, embora não seja completamente validado pela psicologia.
Baseadas nas teorias tipológicas propostas originalmente por Carl Jung, Katherine Briggs e sua filha Isabel Myers desenvolveram este indicador na época da Segunda Guerra com a intenção de que, com tal teste, as mulheres descobrissem que trabalhos poderiam desempenhar com mais eficiência e conforto de acordo com os aspectos das suas personalidades. 
O teste considera 16 tipos de personalidades, representados por siglas que são combinações de quatro dicotomias. São elas:


EXTROVERSÃO x INTROVERSÃO SENSORIAL x INTUIÇÃO RAZÃO (Thinking) x SENTIMENTO (Feeling) JULGAMENTO x PERCEPÇÃO

Os 16 tipos são, portanto (clique para ampliar):



Ao realizar o teste, que consiste de várias perguntas a respeito de suas preferências pessoais, o indivíduo é apresentado a um relatório com a sigla das quatro dicotomias que representam seu tipo de personalidade. Um tes…

Um dia eu fiz um poema sobre o lobo-guará

Ando com muita, muita saudade da Biologia. Tenho buscado informações sobre cursos de pós-graduação em Comportamento Animal, que foi o que eu sempre quis fazer depois de me formar, mas estou com certa dificuldade em encontrar algo lato sensu e que seja de animais silvestres em vez de domésticos (e isso porque o Brasil tem uma fauna riquíssima e ainda pouco estudada). Na falta disso, tenho mergulhado em pesquisas de zoologia e me contentado com isso.
Venham aqui conhecer um bichinho nosso:


Lobo-guará  (Chrysocyon brachyurus)


Todos já ouvimos falar no lobo-guará. Ele é da família dos cães, mas é o único do seu gênero, então não está ligado a nenhuma outra espécie canina. O lobo-guará é encontrado em outros países do nosso continente, mas existe em maior abundância aqui no Brasil - ainda assim, só é considerado ameaçado de extinção por aqui. Foram encontrados fósseis de lobo-guará em nosso território datados de 3 milhões de anos, e a primeira documentação de avistamento foi em 1815. O lob…