Pular para o conteúdo principal

Paul Está Vivo.

Esse vai ser um post de mulherzinha. 

Apesar de ser sarcástica/grossa/estúpida e ter uma expressão indiferente no rosto a maior parte do tempo, eu tenho sentimentos e, não raramente, me emociono com coisas irrelevantes. Às vezes eu chego a chorar só de assistir ao DVD de algum show, por exemplo. Vídeos no YouTube, sejam de música ou de entrevista, também surtem o mesmo efeito. Bem babaca, mesmo.

Um desses shows em DVD que me deixam em estado de pamonha amanhecida é o Paul Is Live.

Esse DVD é uma compilação de apresentações do Paul McCartney em três cidades dos EUA, da turnê do álbum Paul Is Live, em 1993. Andei lendo opiniões pela internet e vi que muita gente critica bastante o DVD, mas não pelo show - afinal, show de Paul McCartney não é o que a gente possa dizer que seja "uma merda", "mal produzido" ou, mais absurdo, que "falta sentimento". A bronca dos fãs é justamente a edição de vídeo; eles alegam que "a produção do DVD fica devendo ao show": cenas muito rápidas, câmera mais focada no público do que na banda, abuso de p&b e efeitos "tremidos" que enchem o saco. Ainda assim, é algo que eu amo assistir, volta e meia.

Três momentos em particular me deixam mais emocionada (fora o fato de ver a Linda o show todo... é estranho como eu me apego a certas pessoas que nunca conheci; ela é tipo uma tia querida, pra mim):

1. Durante a música C'mon People, que tem uma letra linda, os telões em cima e nos lados do palco ficam exibindo fotos de pessoas aleatórias, conhecidas ou não. Assim que a música acaba, as imagens congelam e, nos telões laterais (os maiores) ao lado esquerdo está uma foto do Paul e, no lado direito, uma do John. É impossível não me emocionar, depois de uma música tão bonita .-.

2. O final de Hey Jude. Aaah, meu, eu não consigo. É muito triste, quando eu penso no significado dela, e aquele clima de fim de show, e aquele "nanana" interminável com uma empolgação digna de "vai ser a última coisa que você vai cantar na vida" (mesmo com a Linda desafinando o backing vocal, como sempre xD). Sei lá. É triste.

3. Assim que acaba o show. Paul se despede do público com um aceno animado e então a câmera dá um close nesse menino:


Eu não consigo segurar e choro junto com ele. Fico imaginando o que se passava na cabeça dele... Ele não conheceu os Beatles no auge da fama; ele provavelmente nem sabia direito quem era aquele homem da camisa esquisita que não decidia se tocava violão, guitarra ou piano. Mas ele estava claramente triste porque esse homem, o homem que estava cantando todas aquela coisas alegres e tristes, estava indo embora. Hoje em dia ele deve ter minha idade ou mais, e nem imagina o que essa cena dele no ombro do pai, acenando e chorando, faz comigo.


E pensar que este mesmo homem estará no Brasil em abril me deixa ainda mais triste. Eu tinha expectativas sobre-humanas de vê-lo mas, infelizmente, "o Governo de Brasília não tem verba para bancar o show". Brasília é a cidade mais próxima daqui, de todas as cidades da última turnê da carreira dele, com a vantagem de que o show ainda seria gratuito. Jamais conseguiria juntar dinheiro suficiente para um ingresso inteiro (que deve girar em torno de uns R$400), mais as passagens. E assim acaba novamente o sonho.

De qualquer forma,

queria colocar aqui o vídeo da C'mon People, mas não tem no YouTube. Achei apenas um; não é o da apresentação que está no DVD, mas é da mesma turnê, então é basicamente a mesma coisa - só que o inútil que postou no YouTube cortou beeem na hora que aparece o que eu falei ¬¬

Então vai Hey Jude mesmo, essa é a versão do DVD (e ainda tá legendado):


No canal do cara que postou este tem outros vídeos do DVD, caso queiram ver.


C'mon people, let the world begin
We've got a future and it's charging in
We'll make the best of all we have, and more:
We'll do what never has been done before

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…