Pular para o conteúdo principal

TOP 3: Maus Hábitos Humanos (Que Salvaram A Nossa Espécie)

Acho incrível como a minha falta de organização com esse Top 3 permite que a área de abrangência dos assuntos seja praticamente infinita.

Quem teve oportunidade de me pegar empolgada comentando sobre a evolução humana e não me deu um soco no queixo pra eu calar a boca logo já sabe que eu preferia ter sido um Neanderthal do que um sapiens, maaas... Não tive direito de escolha. No post de hoje saberemos porque, de todas as espécies de Homo que vagaram pela Terra, só o sapiens - a gente - sobreviveu.

Lembrando aos meus queridos que tudo o que envolve a Evolução Humana são teorias, passíveis de alterações e correções e adições e diminuições conforme os estudos são feitos. Estes 3 pontos que apresentarei hoje foram, como sempre, retirados de um artigo e não querem dizer que foi exatamente isso que aconteceu, já que nada está 100% provado.

Hoje vamos ficar surpresos com nós mesmos. Ah, fala sério, vai ser legal.




3º lugar:
O fato de sermos porcos.

Ah, vocês entenderam. Somos porcos no sentido de odiarmos a higiene diária. "Ah, mas eu tomo banho várias vezes por dia e nunca vou dormir sem escovar os dentes u.u" - claro. Alguém aqui toma 3 banhos no inverno ou escova os dentes depois de comer qualquer coisa, nem que seja uma bala? Eu não. E nem você!


Exemplo clássico de que a gente não sabe se limpar: essa foto. Uma quantidade de creme dental do tamanho de uma ervilha é suficiente pra limpar todos os dentes e a língua. Quantidade de produtos de higiene não tem a ver com qualidade de limpeza, deixem de desperdício!


Mas indo ao ponto.
Alguém já parou pra pensar por que nós somos tão pelados, em comparação aos outros mamíferos?

Porque isso é um ponto importante na evolução humana, hein? Embora os primeiros humanos ainda fossem peludos, ainda era menos do que o suficiente para a sobrevivência em tempos de frio rigoroso. Com a nossa pobreza de pêlos, fomos obrigados a inventar as primeiras roupas: procurar o que nos aquecesse das nevascas da pré-história. E, além disso, uma descoberta mais importante do que a roda: o fogo! Assim que aprendemos a manipular o fogo, meus amigos... A humanidade deslanchou. Agora, nos tempos quentes, a nossa defesa foi a produção de pigmentações diferentes de pele, dependendo da região onde os humanos viviam (quanto mais sol, mais pigmentos eram necessários na pele para protegê-la do sol). Assim surgiram as várias raças que conhecemos.

Mas, MANU!, você ainda não explicou porque nós somos pelados!

Tá, eu repito o começo da explicação, então: PORQUE NÓS ÉRAMOS PORCOS!

A raça humana, desde os primórdios, nunca foi chegada num banho. Por causa disso, tínhamos muitos parasitas, principalmente piolhos e sarna, o que resultou numa perda da pelagem já relativamente escassa que tínhamos. E como a Evolução é uma coisa que não perdoa, passou a ser normal os descendentes irem nascendo com cada vez menos pêlo. Até ficarmos assim, como somos hoje.

Então, nada de reclamar do preço das roupas. É o preço que se paga por não gostar de tomar banho.


2º lugar:
O fato de sermos infantis.

Não tem jeito mais legal de irritar as pessoas do que ser extremamente infantil: fazer brincadeirinhas bestas, falar mole ou usar roupas ridículas. Mas, por incrível que pareça, nossa relutância em crescer foi muito importante na evolução humana.

As crianças humanas são únicas no fato de nascerem com um cérebro gigante e partes do corpo que não se desenvolvem até a puberdade. Só que enquanto os outros animais passam essa primeira fase da vida se desenvolvendo rapidamente em adultos, nós passamos esse tempo absorvendo informações: é quando aprendemos a ler, escrever, fazer contas, conhecer o ambiente que nos cerca de todas as maneiras possíveis. 

A habilidade que temos de aprender e ensinar gerações futuras é graças a esses 20 anos em que "nos recusamos" a crescer. Segundo a natureza humana, antes disso não precisamos desempenhar nossas funções de adulto, o que é um absurdo na natureza dos demais animais.


1º lugar:
O fato de adorarmos uma fofoca.

Adoramos, sim, confessem! A fofoca de modo geral é condenada como o pior uso que podemos fazer do nosso dom de falar, mas VEJA BEM, foi provavelmente por causa dela que desenvolvemos esse dom.

Para que pudessem sobreviver, nossos primatas tinham que se juntar em grupos (sabe, pra se protegerem de predadores, se aquecerem e tudo o mais). A criação desses grandes grupos - geralmente com mais de 50 pessoas, maiores do que de qualquer outro do reino animal, nos deu um novo problema/nova característica a ser desenvolvida: conhecer todo mundo que fazia parte do grupo. 

Há uma teoria de que o ser humano é capaz de saber informações sobre 150 outras pessoas, até que uma pessoa ocupe o espaço de outra no seu cérebro. Desenvolvemos essa estranha capacidade graças à uma das primeiras formas de comunicação humana: a fofoca. Quando estavam em grupos, os humanos trocavam informações entre eles, e inclusive sobre os que não estavam presentes... Quem estava doente, quem ia morrer, quem estava junto com quem, quem estava brigado e etc, informações que ajudariam uns a conhecer os outros, saber de quem poderiam se aproximar e de quem deveriam ficar longe. Um tipo de sociedade que nenhum outro animal formou.

E mais:

Sabem por que há a teoria de que a mulher fofoca mais do que o homem?
Dizem as más línguas os estudiosos que isso é uma herança pré-histórica: enquanto os homens saíam pra caçar, as mulheres ficavam nos grupos, conversando... (estávamos contribuindo para a evolução da espécie, ok? u.u)

.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…