Pular para o conteúdo principal

"A camisa do Rancid te esquenta". Well, camisa do Rancid FAIL.

Sabem, eu estava preocupada com o meu blog, se a falta de assunto e toda a baboseira ia acabar afastando meus leitores, e se a minha preguiça e desânimo iam significar o fim desse meu refúgio sagrado; mas daí tive uma inspiração divina vinda do além (te amo, Joe ). Sabem, Joe Strummer fazia parte de uma banda de rock'n'roll chamada The 101'ers e foi chamado pra entrar pro The Clash. Ele disse o seguinte sobre ter aceitado o convite:
« Tocar rock num bar era tipo "Olá, seu bando de bêbados, nós vamos tocar essas três músicas e esperamos que vocês gostem". Aí uma vez vi os (Sex) Pistols numa terça à noite e a atitude deles era, tipo, "Essas são as nossas músicas, e nós estamos nos lixando se vocês gostam delas ou não. Na verdade, nós vamos tocá-las mesmo que vocês as odeiem". »

Então estou encarando meu blog da mesma maneira. Afinal, o blog é meu, a vida é minha e o pobreeema é meu também. Agradeço quem acompanha!

.

Ó céus. Gripe. Não não, com sorte é apenas uma gripezinha normal. Mas ainda não tomei a vacina da H1N1 e não sei se tomarei, todos que conheço que tomaram apresentaram reação. Enfim.

Minha gripe também foi presença marcante no Stone Rock Fest, na madrugada de sábado pra domingo. Treinei minhas habilidades em pegar uma hipotermia e quem sabe um princípio de pneumonia, mas não foi dessa vez; sobrevivi.

Ok, vamos contar coisas.

► O Stone Rock Fest foi pra comemorar o aniversário de um ano do único bar alternativo da cidade, o Stone Rock Bar, que, entre várias tretas e outras, sobreviveu e impera glorioso em sua esquina. A festa foi num pesque-pague daqui, numa madrugada fria. A programação incluiu DJ, 3 bandas locais e uma banda de reggae que veio de Goiânia. Começou (ou era pra começar) às 23h e terminou sabe Deus a que horas da manhã do dia seguinte - fui embora às 6h30, quando acabou a última banda. Pra resumir o esquema, foi assim:

o "chego daqui a 20 minutos" que virou uma hora e meia do lado de fora - DJ e trance tensa - banda 1 - banda 2 que tocou Violent Pornography toda errada, mas tudo bem - banda reggae - banda 3 - DJ e trance tensa again.

Onde está em vermelho simboliza a hora que eu cochilei duas vezes sentada num canto, perto da "fogueira do mendigo" (foi como a gente batizou o lugar onde tavam preparando os caldos). Não vi a banda e não vi o sol nascer. Maldita gripe.

Falando da atração principal da festa, os filhos de Jah que vieram da capital. A banda é bem boa, apesar de eu não gostar de reggae e não ter muita paciência pra apreciar enquanto estou congelando de frio. Não sei se toda banda reggae é assim, ou só algumas, ou só essa mesmo, mas achei engraçada a temática dos discursos de liberdade. Todos eles falam sobre destruir a Babilônia e seu sistema babilônico ou só eles, mesmo? [galera que quiser, ahn, 'sentir a maresia', à vontade]


► Estão vendo essa linda camiseta do Social Distortion? É minha, esta sou eu usando a minha linda camiseta do Social Distortion. E, sabem, isso me faz lembrar que depois de amanhã é o show do Social Distortion em São Paulo, o que também me lembra que eu não irei ver o Social Distortion usando a minha linda camiseta do Social Distortion cantando musiquinhas do Social Distortion. Mas não estou mais desejando a morte lenta de todos que irão OK, sem rancor. u.u

► Alguém aqui assistiu Percy Jackson e o Ladrão de Raios quando passou no cinema, há um tempão? Foi ótimo, né?! Pois é, eu adorei e ganhei os livros de presente de Páscoa (são 4 livros ao todo, por enquanto). Estou acabando o primeiro e é uma leitura deliciosa, mas já aviso a quem pretende ler o livro e assistir ao filme: são totalmente distintos um do outro. É incrível, acho que só o nome dos personagens permanece igual (aliás, os personagens que aparecem no filme, né). Mas não estou falando mal de nenhum dos dois, indico ambos pra quem curte paradas mitológicas, além de ser engraçado e moderninho.



► Puxa, o Supergrass acabou. Não conheço muito da banda, mas tenho um CD deles que adoro... Chato, isso. Parece que as bandas de britpop estão cometendo suicídio, desde o fim do Oasis. Fiquem aí com um clássico e relembrem a infância/adolescência/sei lá. Todo mundo já ouviu essa, mesmo que não lembre (eu ia postar ela no falecido Especial Old School):


Não sei mais sobre o que escrever agora, então wiederseh'n.

Ah, sim. O próximo post será lindo, modéstia à parte *.*

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…