Pular para o conteúdo principal

Caramba, até pro título tá difícil.

Tá acontecendo uma coisa muito rara comigo: ando sem assunto. Assim, isso não é novidade, mas pela primeira vez em meses eu simplesmente não faço ideia do que postar no meu blog. Não tem nada programado pra data nenhuma. E pior é que eu colaboro pro Musicólatras Anônimos e ando sem criatividade pra lá também @.@

Em partes, culpo o Twitter. Antes eu deixava juntar pequenos assuntos e postava tudo aqui. Agora ando jogando lá assim que me vem à cabeça. E isso é mau, porque meu blog ficou abandonado pela minha mente adubada e vocês ficaram sem ter o que ler (oooh, não chorem ó.ò) (ok, menos).

Então eu vou abrir aqui a minha pasta e ver se acho um assunto pra postar hoje. Ou, com sorte, vários \o/
E não se preocupem, continuará sendo sem noção e vocês não vão entender metade, porque geralmente minha vida se resume em internas que só eu entendo :( 




But let's give it a try, shall we?



► Ok, depois de toda a propaganda negativa e de ter convencido metade dos meus conhecidos a não tomá-la, fui lá eu no sábado tomar a vacina da H1N1! \o/ Não foi porque eu quis, vejam bem. Minha mãe teve uma iluminação divina e etc. Minha irmã e eu tomamos acho que todas as vacinas que já foram inventadas nesse mundo, não cabe mais nenhum carimbo nas nossas carteirinhas. Mas o medo da progenitora foi que hipoteticamente essa epidemia fugisse de controle, e posteriormente não poderíamos sequer pegar um ônibus pra viajar sem termos tomado a vacina. Detalhes pós-picada? Não reparei se a dose é grande, não tenho preocupações com agulhas (não faria sentido /confere as 4 tatuagens), mas a fdp da enfermeira tinha uma fdp de uma mão pesada, então nossos braços ficaram inchados e doloridos por pelo menos 4 dias. Minha irmã ainda teve febre, mas eu não apresentei reação. Ainda (sério, meu medo são os efeitos a longo prazo. Mas dane-se, já foi).





► Tô aqui ouvindo Toy Dolls e rindo sozinha. Não só por causa das músicas, que são hilárias de tão inocentemente ridículas (e isso foi um elogio!). É que eu tava lembrando de ter lido que, de 1979 pra cá, eles tiveram 14 bateristas e 12 baixistas. Isso nem é uma banda, meu, devia ter só o nome do vocalista. Aliás, me fez lembrar que eu comprei um DVD épico deles por R$7,99 na banca do supermercado, uma vez. Eu acho cada coisa. Ah sim, e eu acho que essa « é a minha formação favorita.







► E isso é pano pra manga pro próximo tópico: o que eu acho em bancas de supermercados. Alguns aqui já sabem porque eu já contei, mas quero compartilhar. Os supermercados (aqui pelo menos) costumam ter aquelas bancas com CDs, DVDs, livros e etc com preços bem baratos mesmo. Eu geralmente não fuço muito os CDs porque é sempre a mesma coisa: coleção sertaneja, temas de novelas antigas e etc. Daí um dia desses eu passei em frente a uma dessas e vi uns CDs que não combinavam muito com o padrão e resolvi dar uma garimpada (minha mãe até sai de perto, porque quando eu começo a garimpar, pode dar a tarde por perdida). Em pouco tempo achei o álbum do Audioslave que faltava pra completar a minha discografia e depois, o mais improvável dos improváveis, o Reise, Reise, do Rammstein. Vejam bem, meus amigos. Esse CD numa loja de discos aqui está custando cerca de 60 reais. Comprei na banca do supermercado por 8 míseros reais.

.

Até que deu assunto. E o pior é que eu nem cheguei a abrir a minha pasta, hahhahah
Pensem pelo lado bom, não coloquei nenhuma música aqui hoje.

Bises ;*

p.s.: aliás, que reconfortante saber que todo mundo aqui é mais loira burra que eu! Não vejo a hora de alguém fazer piadinha sobre minha cor de cabelo de novo

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…