11/04/2010

Há 40 anos... (ontem)

... Paul McCartney anuncia o fim dos Beatles.



Apesar da banda já estar acabando desde 1968, pelo menos, e da data oficial do término ser em 1975, dia 10 de abril de 1970 foi quando Paul cansou e chutou o pau da barraca.



"(...) E a história mudaria à medida que seus atores envelheciam. Paul deixou de ser Paul — tornou-se Sir Paul, condecorado pela rainha em 1997. John deixou de ser John — tornou-se São John, um arquétipo para jovens roqueiros irados de todos os cantos. George deixou de ser um estepe — tornou-se George Harrison, artista talentoso e humanitário, que organizou concertos beneficentes para alimentar os pobres e mudar o mundo, algumas coisas e algumas pessoas. E Ringo... bem, Ringo ainda era Ringo. Sempre seria. (...) O garoto doentio que quase morreu tantas vezes acabou vivendo mais do que dois de seus colegas de grupo e tantos outros nesta história."







E, a parte que me fez chorar quando eu acabei o livro: (HUAHAuh)

"The Beatles. Uma imensidão de talento, charme e genialidade incompreensível, um oceano como o que os quatro garotos viam quando olhavam para o horizonte, das colinas de Liverpool. E, a partir daí, uma torrente de canções, de amor, de dor e de beleza, uma torrente que jorrou do Cavern, de Hamburgo e de Londres para o mundo, uma correnteza que empurrou para o lado o que tinha vindo antes, que limpou e que destruiu, e no final nutriu. Água."



(ambos os trechos retirados das páginas 847-848 da biografia de Bob Spitz)