Pular para o conteúdo principal

Quem?

(Postei antes no Musicólatras, mas na verdade copiei o post daqui. É igual, então tanto faz ver aqui ou lá.)

.

Peter Dennis Blandford Townshend, ou só Pete Townshend; guitarrista, mentor e principal compositor de uma das banda mais importantes e influentes do rock, desde os anos 60, The Who.


O cara que há 45 anos atrás disse "Eu espero morrer antes de ficar velho" (na letra de My Generation) hoje completa 65 anos, ainda na ativa com sua banda.

Tanta atividade nesses anos todos de vida são bem mais do que eu poderia tentar resumir aqui neste post. Vou tentar me ater ao extremamente essencial, como sempre e, caso lhes interesse saber mais, pesquisem ;)




► Pete Townshend é uma máquina de compor músicas. Além das mais de uma centena canções que compôs para o The Who e outra centena para a sua carreira solo, ainda foi autor das duas óperas-rock de grande sucesso, Tommy e Quadrophenia. Além dessas, também escreveu trilhas para programas de TV e jingles de comerciais.

► Além de guitarrista, Pete também canta várias das músicas do The Who; ainda toca outros instrumentos, como piano/teclado, banjo, sintetizadores, acordeon, baixo e bateria, e nunca teve aulas para aprender a tocar nada disso. Pete ainda é muito envolvido com Literatura, já tendo escrito muitas matérias e colunas para jornais e revistas, resenhas, além de livros, ensaios e roteiros.

► O The Who surgiu a partir de uma antiga banda de skiffle que Pete tinha com seus colegas de escola John Entwistle, que tocava os instrumentos de sopro (posteriormente dando lugar ao baixo) e Roger Daltrey nos vocais; mais tarde entra Keith Moon na bateria e o The Who acontece.

► A marca registrada de Pete nos palcos é a maneira enérgica com que sempre tocou (inclusive agora), rodando o seu braço direito (um movimento chamado de "moinho de vento"). O hábito de alguns roqueiros mais revoltados de destruir as suas guitarras e/ou todo o equipamento do palco também foi legado de Pete Townshend. A primeira guitarra que ele quebrou no palco foi um acidente, mas Keith (que era chegado numa destruição e adorou a oportunidade) entrou no clima e começou a quebrar sua bateria também. Visto que isso causou um furor tanto no público como na imprensa, as destruições se tornaram constantes nos shows do The Who.

Um jovem Pete com sua coleção de guitarras quebradas.

► A mania de rodar o braço enquanto toca, porém, se mostrou uma prática muito mais perigosa. Durante um show em 1989, Pete acidentalmente atravessou a sua mão contra a alavanca da guitarra. Mas isso não o fez parar de tocar e, muito menos, de fazer seu movimento de moinho.

► Além dos eventuais acidentes em palco, a idade também vem boicotando Townshend. Recentemente, Pete vem perdendo a audição devido aos vários anos tocando em volumes altíssimos com o The Who (um concerto da banda em 1976 foi até recorde no Guiness, "O Concerto Mais Ruidoso de Todos os Tempos", com incríveis 126 decibéis medidos a 32 metros do palco). Essa perda de audição e o zumbido constante têm atrapalhado a performance de Pete nos últimos meses. Embora esteja usando aparelhos, ele já disse que se isso se tornasse um problema de verdade, ele daria a banda por acabada.


► Pete também sempre foi muito envolvido com a caridade e trabalhos beneficentes, fazendo altas doações para instituições, fundando outras e tocando em muitos eventos beneficentes (sendo o mais notável o Teenage Cancer Trust, que acontece todos os anos desde o ano 2000 e conta com vários artistas além do The Who, onde toda a renda é revertida para o Hospital do Câncer para jovens). Tendo se espiritualizado na Índia com o guru Meher Baba, muita da caridade que faz tem a ver com ajudar à sua fundação, criando escolas, hospitais e centros de meditação. Também ajuda as instituições para recuperação de dependentes químicos, entre muitas outras. E só falam em Bono Vox, hein?


Ainda tem muito o que conhecer sobre essa pessoa tão genial e influente, mas como eu prometi, me ative ao essencial. Vale a pena conhecer pessoas assim e eu espero do fundo do coração que o trabalho dele realmente tenha deixado marcas nas pessoas, e que elas perpetuem isso pelas gerações.


Os melhores momentos de Pete Townshend neste breve vídeo (inclui tudo o que eu citei sobre sua performance!):



Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…