Pular para o conteúdo principal

CD Monday: The Clash » "London Calling"

Pra aproveitar o aniversário de Mick Jones, a indicação desta semana será o clássico e um dos meus álbuns favoritos ever. London Calling já ganhou post especial de aniversário, ano passado - se quiserem conhecer alguns detalhes técnicos, históricos e importantes da obra, sugiro que confiram o post!



Lembro que o comprei Americanas da rodoviária de Goiânia, só não me lembro exatamente quando; acho que foi na volta da viagem à Curitiba, há uns anos. De qualquer forma, lembro que tava tipo R$15. Me lembro também que o comprei especialmente porque tinha Train In Vain. Sim, eu sabia que London Calling era um clássico e tudo o mais, mas até então eu não conhecia muito do Clash além das músicas de sempre, então arrisquei levar um álbum de 19 faixas por causa de uma, que era a minha favorita e ainda é uma delas até hoje. Quando voltei pra casa e fui ouvir, esse CD ficou no meu som por dias a fio, eu escutava e escutava de novo. É o tipo de álbum que não dá pra enjoar, ele tem tantos estilos diferentes que você pode se dar ao luxo de ouvir o que preferir no momento. O encarte contém as letras das músicas escritas à mão numa letra bonitinha que eu acredito ser de Joe Strummer; além de várias fotos tiradas por Pennie Smith, que imortalizou Paul Simonon na capa, moendo o baixo em seu acesso de fúria contra a apática platéia americana.


Artista: The Clash
Álbum: London Calling
Ano de lançamento: 1979 (1980 na América)
Origem: Reino Unido
Gênero: Punk Rock (e eventual Ska, Reggae, Jazz, Soul e Rockabilly)
Tracklist:
  1. London Calling
  2. Brand New Cadillac
  3. Jimmy Jazz
  4. Hateful
  5. Rudie Can't Fail
  6. Spanish Bombs
  7. The Right Profile
  8. Lost In The Supermarket
  9. Clampdown
  10. The Guns of Brixton
  11. Wrong 'em Boyo
  12. Death Or Glory
  13. Koka Kola
  14. The Card Cheat
  15. Lover's Rock
  16. Four Horseman
  17. I'm Not Down
  18. Revolution Rock
  19. Train In Vain (Stand By Me)

(Em 2004 foi lançada uma edição comemorativa de 25 anos do álbum. Ela vem com um disco extra com as demos das canções - velha conhecida dos fãs, até então era um bootleg chamado "The Vanilla Tapes" - e DVD com um documentário sobre a gravação do álbum, entrevistando todos eles [obviamente, antes da morte de Joe Strummer, em 2002]. Essa edição comemorativa é um tanto de nada mais cara que o álbum normal, mas nada que o YouTube não tenha me resolvido ;x)


London Calling + Train In Vain (live '80)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…