Pular para o conteúdo principal

Emmanuella, a desertora.

Ok, tava na hora de eu me pronunciar sobre as novidades.
Alguns já sabem, outros acho que ainda não, e outros nunca saberão (felizmente, estes não sabem deste blog). Em agosto vou voltar a estudar, vou começar a fazer Jornalismo.


Quem já me conhece há mais tempo sabe que eu me formei na faculdade de Biologia em janeiro do ano passado. De lá pra cá, não pude dar continuidade nos estudos como eu pretendia. Aqui na cidade não abriu nenhum curso de Pós-Graduação na minha área (pra não ser injusta, abriu um de Biologia Celular e Molecular, que não é a minha praia; e, mesmo que eu decidisse fazer esse mesmo, nunca chegou a formar uma turma). Nas cidades vizinhas ou na capital, os únicos cursos de Pós-Graduação ou Mestrado na área de Biologia são ou voltados à área da Saúde ou de alguma forma ligados à Agroindústria.

O único lugar onde achei algo que me interessava fazer, o Mestrado em Comportamento Animal, era em Brasília, na UnB. Mas ir morar longe implica em certos fatores: Pra eu tentar conseguir uma bolsa, não posso ter qualquer vínculo empregatício. Ou seja: morar fora sem ter como me manter. Se eu arrumasse um emprego pra me sustentar, adeus bolsa de Mestrado. E aí mais as despesas absurdas do curso. Além disso, deveria entrar já com uma proposta de projeto pronta, coisa que não tenho e não fazia ideia de como fazer. Então desisti da ideia do Mestrado e fiquei esse um ano e meio tentando descobrir o que fazer. Fiz cursos pela internet e na própria Universidade onde me formei, pra não me distanciar da "profissão".

Também corri atrás de concursos. Os com vagas para biólogos não foram muitos, mas não pude prestar nenhum deles por não ter feito minha inscrição no CRBio. Não fiz minha inscrição no Conselho porque a anuidade é uma facada e eu sequer estava exercendo a profissão, como eu iria entregar o relatório exigido? Então nada de concurso na área também. Sou contra a ideia de fazer concurso por fazer, pra ter um emprego estável em qualquer coisa. Eu não estudei 4 anos de Biologia, não enfrentei Bioquímicas e Anatomias e outras coisas igualmente tensas pra ser caixa de banco (com todo o respeito). Mas procurei emprego nas outras poucas coisas que sei fazer, como serviço de biblioteca. Me dispensaram na hora porque eu tenho um curso superior em uma área que não tem nada a ver com aquilo, mesmo que eu tenha a experiência no emprego. Em outros empregos fui igualmente dispensada porque meu currículo não tem experiência em mais nada que não seja dar aulas de ciências.

Aí todo mundo (todo mundo mesmo) me pergunta: por que você não é professora, então? Me dou bem na coisa, até, minhas aulas costumavam ser elogiadas. Mas eu não tenho jeito nenhum com crianças e jovens e não sei me impor e exigir respeito. Minha intenção nunca foi ser professora. Se fosse, teria feito Letras mesmo ao invés de Biologia (como inclusive era a minha vontade inicial). Eu até toparia dar aula no Ensino Superior, mas aí precisaria de ao menos uma Pós-Graduação, e assim voltamos ao problema inicial.

Vejam bem, deve ter gente a essas alturas pensando que se eu me esforçasse mais, acabaria conseguindo alguma coisa. Mas a verdade é que ser bióloga nunca foi um sonho meu e, embora eu ame Biologia e seja apaixonada pela teoria, a prática não é pra mim. Eu optei pela Biologia 3 meses antes do vestibular, por falta de opção. Não me arrependo de ter feito a faculdade, e acredito que nenhum tempo ou dinheiro investido em educação seja desperdiçado. Mas, se fosse algo que eu realmente quisesse pra minha vida, tivesse sonhado por anos, eu meteria a cara e iria atrás desse sonho. Mas não é, e volta e meia me bate a sensação de escolha errada. 

Tento não me culpar por isso e meus pais nunca me jogaram na cara nada a esse respeito, no que lhes sou eternamente grata. E, se eu tenho o apoio incondicional deles, a opinião de certas pessoas não me vale de nada. "Jornalismo não dá dinheiro", "Mas jornalista nem precisa mais de diploma", "Vai voltar pra trás?". Não planejo ser rica, não ligo pra diploma, quero a experiência, e não estou voltando atrás: estou indo pra frente. Pela primeira vez na vida sinto que fiz uma escolha certa e estou animada com ela, então não tentem me desanimar ;)

Enfim, a escolha foi feita. As providências pra matrícula foram todas tomadas, e em agosto estou eu começando a vida nova. Com duas faculdades no currículo, quero ver o que arrumo. A outra instituição dá espaço pra estágio e apoio aos alunos, ao contrário da antiga. Vou cortar algumas matérias e ter um bom desconto, além de tudo. É, não vejo a hora de começar.




Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…