Pular para o conteúdo principal

MÉTS MÓDAFOCA!

Matt "McCall" Freeman, nascido Roger Matthew Freeman (eu sempre rio quando lembro que o nome dele é Roger, que retardada, HUAHAUh). Se o nome não te dá um clique, significa que eu não fui insistente o suficiente no assunto: sem o Matt, o Rancid nao existiria. okbjs;*



Quando eu fiz a bio do Tim Armstrong, no ano passado, falei brevemente sobre o Matt, sobre como ele salvou a vida do Tim e montou o Rancid pro Tim ter com o que distrair a cabeça fazendo o que mais gosta. Os dois são amigos de infância, desde os 5 anos de idade (se hoje o Matt está fazendo 44 anos, isso significa 39 anos de amizade!), e antes ainda do Rancid, participaram juntos da lendária Operation Ivy.

Bom, cortando a história, Matt é o baixista do Rancid, mas sabe tocar muitos outros instrumentos, além de também cantar em algumas das músicas (o seu vocal é bem rasgado). Muitas das músicas do Rancid tem solos de baixo tocados agilmente por Matt, e que ao vivo se tornam até mais acelerados. O mais notável é em Maxwell Murder, onde o solo é sempre improvisado e extendido (e é de onde eu tirei o título do post; durante o solo podemos ouvir ao longe Lars dizendo as célebres palavras, haha). A linha de baixo do Rancid é bem marcante; eu pelo menos sempre identifico uma música deles assim que ouço o baixo.

Em 2004, foi chamado de última hora pra tocar com o Social Distortion durante a turnê, visto que o Rancid estava de folga. Em 2005 foi diagnosticado com um câncer de pulmão, mas que foi tratado a tempo e não se tornou maligno. Parou de fumar e, pra manter as mãos ocupadas, acabou aprendendo a tocar mandolim (nas suas palavras, "o baixo era muito grande pra ficar carregando pra lá e pra cá").

Matt é casado e se não me engano tem dois filhos, Tim é padrinho de um deles :)


solando em Maxwell Murder, eu sei que você quer ver ;)


Melhores citações:

• Sobre tocar com o Social Distortion e a reação dos amigos do Rancid:
"Eles ficaram realmente chocados. O Tim disse: "Você tem que fazer isso, cara", e Bret [Reed, baterista original do Rancid] ficou mesmo chocado, e o Lars na verdade estava em turnê [com sua banda paralela Lars Frederiksen & The Bastards], e ele sempre foi um grande fã do Social Distortion, então fiz uma pegadinha com ele. Eu não falava com ele já tinha um ou dois dias, e daí ele me liga e diz, "E aí, o que você anda fazendo?" e eu só disse, "o Social Distortion me chamou pra tocar baixo com eles, mas eu disse pra eles que não". Daí houve aquele silêncio do outro lado, então ele disse, "Você tá falando sério?" e eu meio que "É cara, não quero fazer isso", quando de repente ele começa a gritar, "VOCÊ TÁ DOIDO? LIGUE PRA ELES DE VOLTA!". Então eu disse pra ele que eu tinha aceitado. Lars ficou mesmo chocado, e ele até veio ver alguns shows em Sacramento e parecia uma criancinha. Foi mesmo muito bom."

• Sobre sua memória:
"Eu sou muito ruim. Eu erro até os nomes das nossas próprias músicas o tempo todo. Eu dou o meu próprio título pra elas. Vou lá no microfone e digo: "Nós vamos tocar Crucify!" - "Disorder and Disarray, Matt" - "Ah sim, Disorder and Disarray!"

• A melhor resposta:
Site Wonka Vision: Eu percebi que vocês estão colocando bastante reggae no álbum novo. Andam fumando uma erva, é?
Freeman: Nós não fumamos maconha; fazíamos isso aos 16 e era terrível.


Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…