Pular para o conteúdo principal

CD Sunday » The Who, "Live At Leeds"

Esse álbum em vinil deve ser uma paulada. O dia que eu for rica e arrumar um vinyl-player e readquirir meus álbuns prediletos em vinil, esse será um deles, for sure. A primeira versão do álbum, em LP, continha apenas 6 músicas. Em 1995 surgiu a versão em CD com muito mais músicas da apresentação. O que eu tenho é a edição deluxe que saiu em 2001, que vem com um disco a mais: a performance ao vivo praticamente na íntegra do álbum Tommy. Essa apresentação em Leeds capta toda a energia que o Who sempre demonstrou em todas as suas apresentações - ainda até hoje, depois de sexagenários. Keith Moon demolindo sua bateria, John Entwistle o acompanhando no baixo, Pete Townshend com medo de não ser ouvido e mandando ver na sua guitarra, e Roger Daltrey simplesmente cantando e gritando sobre tudo isso junto; e tudo numa harmonia inspiradora. O que no começo foi considerado apenas um bootleg (até com a embalagem simples de um), se tornou "o melhor álbum ao vivo de rock", segundo a crítica.



Eu o ganhei de presente de Natal do meu pai, no ano passado, quando fomos passar uma tarde em Goiânia. Infelizmente é o meu único CD do The Who, mais porque nunca vi outros por aí (pela internet até hoje não encontrei nenhum por menos de 40 reais). O encarte é rico em detalhes justamente por ser uma edição deluxe: tem muitas fotos, uma resenha do show, comentário sobre cada faixa do álbum, entrevista com o Pete e o Keith sobre a apresentação e comentário sobre a edição em questão; além de scans da embalagem original do vinil: Pete espirituosamente incluiu na embalagem uma cópia de uma carta de recusa da EMI, entre outras pequenas pérolas.

Artista: The Who
Álbum: Live At Leeds
Ano de lançamento: 1970 (LP), 2001 (CD deluxe edition)
Origem: Reino Unido
Gênero: Rock
Tracklist:
CD 1:
  1. Heaven And Hell
  2. I Can't Explain
  3. Fortune Teller
  4. Tattoo
  5. Young Man Blues
  6. Substitute
  7. Happy Jack
  8. I'm A Boy
  9. A Quick One, While He's Away
  10. Summertime Blues
  11. Shakin' All Over
  12. My Generation
  13. Magic Bus
CD 2:
  1. Overture
  2. It's A Boy
  3. 1921
  4. Amazing Journey
  5. Sparks
  6. Eyesight To The Blind (The Hawker)
  7. Christmas
  8. The Acid Queen
  9. Pinball Wizard
  10. Do You Think It's Alright?
  11. Fiddle About
  12. Tommy Can You Hear Me?
  13. There's A Doctor
  14. Go To The Mirror
  15. Smash The Mirror!
  16. Miracle Cure
  17. Sally Simpson
  18. I'm Free
  19. Tommy's Holiday Camp
  20. We're Not Gonna Take It




Infelizmente não existem filmagens deste show pois, como eu disse anteriormente, a gravação seria apenas um bootleg, mas acabou virando algo maior devido à qualidade. Aparentemente este é o único registro em vídeo do show, são pedaços de várias músicas e o foco fica quase todo em Pete e Keith. Mas fica aí pra dar uma ideia do que aguardar do álbum. O áudio de algumas outras canções retiradas do álbum estão por todo o YouTube, cacem lá.

Vou fechar com uma das fotos que tem no encarte, a título de comparação com a foto que aparece ali junto com o meu CD. Lá está Roger Daltrey em 2010, aqui está Roger Daltrey em 1970:

hehe.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…