Pular para o conteúdo principal

Esqueci de colocar o título, dãr.

Ano passado eu fiz um post desse e o pessoal até gostou... Nunca mais programei posts pro meu blog, até por uma certa falta de tempo e assunto. Bom, assunto sempre existe né, mas nada que eu queira realmente dizer. Por isso entupo vocês de músicas \o/ Um dia vocês me agradecerão por isso!

Vamos lá.
Peguei todas as músicas que tenho no meu iPod, no momento, e as tocarei aleatoriamente. Colocarei aqui as 15 primeiras músicas que tocarem (talvez eu pule bandas repetidas - só deixarei se a música me for realmente importante). Aí então explicarei por que esta música está na minha playlist diária. E colocarei também um player pra que vocês possam ouvir a música diretamente aqui, ao invés de ir procurar no YouTube e tal, caso sintam curiosidade de ouvir!

Aposto como o Paul está escolhendo um reggae. Isso justificaria a cara do Mick.



1. Freunde bleiben // Revolverheld (alternative rock/pop rock)

Ótimo, começamos maravilhosamente bem. Essa é uma das minhas músicas favoritas de todos os tempos (eu sei que o iTunes me ama). Bom, esse é o motivo pela qual ela está aqui. Bandas alemãs são essenciais na minha existência, pois são elas que me permitem não esquecer o que aprendi aos trancos e barrancos nos últimos 3 anos. Plus, Johannes Strate /baba

2. Stray Cat Strut // Stray Cats (rockabilly)

Ha, primeira vez que ouvi essa música foi, oh!, por causa do cover do Reel Big Fish. RBF e seus covers me fizeram descobrir cada coisa legal!

3. The Set Up (You Need This) // Reel Big Fish (ska-punk)

Eita, falando no peixe... Essa música foi a minha primeira favorita deles, a que me fez querer conhecer todo o resto. Cacei o vídeo no YouTube e achei uma coisa tão engraçada e nonsense que quis aquilo na minha vida. No álbum ao vivo o Aaron diz que não sabe sobre o que a música se trata e que vai refletir sobre isso depois. Aí ele diz: "I think this song is about kicking asses".

4. Oh Yoko! // John Lennon (classic rock)

Acho ela bonitinha! (A música, por favor) Ela é daquelas que você se pega cantando junto, fazendo coralzinho e etc. Gracinha demais.

5. Angel's Wings // Social Distortion (punk rock)

Linda, linda, linda. Linda. Não sei mais o que falar dela, então pra reforçar: linda.

6. Tomorrow // Sean Lennon (indie rock)

Música sexy. Odeio povo que fala mal do Sean só porque o coitado é filho da Yoko, e ainda comparam o cara ao pai (porque o rosto e a voz são idênticos), mas sempre no nível "você envergonha o seu pai". Danem-se. Ele não é o pai dele.

7. Bridge Over Troubled Water // Simon & Garfunkel (folk)

iTunes tá matando a pau, hoje. Eu não me canso dessa música, ela é simplesmente BELA. Garfunkel dá a alma inteira quando a canta, chega a ser covardia conosco, pobres mortais. Fora a letra. Até Elvis chorava, quando a cantava. (O final dessa música me arrepia, sempre)

8. You're Tripping // The Queers (punk rock)

Obrigada por quebrar o clima, iTunes. Essa música resume, em pouco menos de 2 minutos, tudo o que eu penso a respeito dos mentecaptos seguidores do White Power ("skinheads" falsificados que se auto-proclamam neo-nazistas); começando com um belo "You suck, motherfucker".

9. Baby's In Black // The Beatles (classic rock)

Grudenta ao nível extremo da palavra. Descobri há pouco tempo que ela se trata na verdade de Astrid Kirchherr. Astrid era amiga da banda, quando eles começaram a tocar na Alemanha, e ia casar-se com o baixista original da banda, Stu Sutcliffe. Por uma desgraça do destino, ele morreu antes, de uma forma um tanto quanto trágica. Enfim, a música é sobre os dois.

10. Got My Mind Set On You // George Harrison (classic rock)

Hahahaha, essa música virou piada entre alguns fãs pela internet. A música é grudenta DEMAIS. Diz a lenda (comprovada por mim e tantas outras pessoas), que apenas ao LER o nome da música, ela ficará automaticamente na sua cabeça pelos próximos dias. É verdade! E, na verdade, ela é um cover de um cara que eu nunca lembro o nome. Mas essa música é muito legal x)

11. Rudie Can't Fail // The Clash (ska)

Ska ska ska ska ska \o/ Adoro. Meu sonho é conseguir dançá-la igual vi um carinha no YouTube fazendo, uma vez. Não consigo ;.;

12. Pinball Wizard // The Who (classic rock)

É trilha do Tommy. Isso já é motivo suficiente pra estar no meu iPod. No filme, quem a canta é Elton John (quando ainda tinha cabelo de verdade). Muito bom.

13. Death Rides A Horse // The Architects (alternative rock)
(não acho a música em lugar nenhum, mas dá pra ouvir um pedaço aqui!)

O riff dessa música é muito bom. Quando a ouvi da primeira vez, achei que fosse um cover e saí correndo atrás da original e não achei, embora existam várias músicas de artistas diferentes com esse nome. Acho que essa aí é deles mesmo. Boa demais.

14. Skyscraper // Streetlight Manifesto (ska/reggae)

É um cover do Bad Religion. Era rápida e ficou lenta. E lindinha. Fato doente meu: tenho um esmalte chamado "Arranha-céu" e toda vez que o estou usando a música automaticamente me vem à cabeça.

15. I Don't Love You Anymore // Bomb The Music Industry! (skacore)

ADORO. É possivelmente a melhor canção de rompimento jamais escrita. A letra dela é simplesmente... REALISTA. "I don't love you anymore, and no, this isn't some mistake".

E aí, chegaram a curtir alguma? :)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…