Pular para o conteúdo principal

Mo.

Olha só, o ódio apoderou-se do meu corpo e acabei esquecendo completamente que tinha um post especial pra fazer. Fica pra hoje, então.

Antes, a nível de curiosidade, só queria contar que já comecei a faculdade de Jornalismo e as primeiras impressões foram bem boas. Prevejo pressão e correria. That's the way, uhu uhu, I like it, uhu uhu ♪

Povo deve ver esses meus posts obsessivos sobre membros das famílias dos beatles e pensar que eu sou doente. Ah, chamem do que quiser; eu realmente gosto de falar sobre isso, fico sabendo tanto sobre cada um deles que os considero da minha própria (talvez porque eles sejam a minha ideia de família ideal, já que a minha... enfim). E daí eu sinto vontade de conversar com alguém sobre isso e, como não encontro, posto aqui, vocês leem e eu fico feliz igual :)

Eu falei uma vez que postaria um dia sobre a Maureen, que foi esposa do Ringo. Pois então, ontem foi aniversário dela (ela faria 64 anos) e achei que a melhor oportunidade seria então. Afinal de contas, a história dela e do Ringo é bonitinha e termina de maneira chata, também...





► Maureen nasceu Mary Cox, mudou seu nome quando se tornou aprendiz de cabeleireira, que foi sua profissão pela maior parte do tempo. Seus amigos sempre a chamavam só de Mo.




► Ela viu Ringo passando em frente ao salão em que trabalhava e saiu atrás dele para pedir um autógrafo. Ele então a convidou para ir ver a banda tocar no Cavern. Ele logo simpatizou com a moça porque, bem, ela era cabeleireira e, caso alguém não saiba, o sonho de Ringo sempre foi ser cabeleireiro! Desde então, os dois sempre saíam juntos e ela o acompanhava em tudo, tendo até sofrido agressões físicas das fãs histéricas. Casaram-se 3 anos depois, quando ela tinha apenas 18 anos.

► Logo vieram os filhos. O primeiro foi Zak (que já foi baterista do Oasis, mas ocupa as baquetas do The Who há vários anos e é onde está até hoje), depois vieram Jason e Lee.

► A história dos dois não foi aquele quase conto-de-fadas como foi com Paul e Linda McCartney. 10 anos depois eles acabaram se divorciando... Ringo estava pisando na bola com casinhos extra-conjugais e problemas de alcoolismo. E depois vieram os boatos de que Maureen estava se encontrando com George Harrison (ao que dizem que George até confessou a Ringo que realmente a amava, o que resultou no divórcio de ambos os casais [George era casado com Pattie Boyd]). 

► Embora separados, a família estava sempre unida e até se chegou a cogitar um retorno, mas Mo acabou se casando mais tarde com o figurão por trás do Hard Rock Cafe e do House Of Blues, Isaac Tigrett, e tiveram juntos uma filha. Chegados diziam que Maureen foi a "único amor da vida do Ringo", e que na ocasião da sua morte, "ele perdeu um pedaço de si com ela".

► Maureen morreu devido a uma complicação no tratamento contra a leucemia, aos 48 anos. Ela havia recebido uma doação de medula de seu filho Zak mas, infelizmente, o organismo rejeitou o transplante. Os quatro filhos, o marido, a mãe e Ringo estavam com ela no hospital, na ocasião da morte.



► Maureen é chamada pelas fãs de "A Grande Sortuda", devido ao fato de ter sido a única fã da banda que conseguiu casar-se com um dos membros.

► Ela nunca chamava Ringo de Ringo. Dizia que era engraçado, e preferia chamá-lo de Richie (seu nome verdadeiro é Richard).

► Era ela quem respondia as cartas que Ringo recebia dos fãs. Todas.

► Cynthia (Lennon) escreveu em suas memórias que Maureen era extremamente paciente com o marido. Mesmo que ele ficasse acordado até as 5 da manhã trabalhando, ela o fazia companhia até que fosse dormir.

► Como eu já tinha dito em outro post, Paul McCartney compôs Little Willow em tributo à Maureen.


Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…