Pular para o conteúdo principal

3 de Setembro, Dia do Biólogo.

Ano passado eu fiz um post especial pros meus colegas de pseudo profissão, explicando a origem do dia e a nossa importância no mundo (me achei). Porém, todos aqui sabem que sou uma desertora. Mas nem por isso me sinto menos no direito de comemorar o dia — eu estudei, tenho o meu diploma e carrego comigo tudo o que aprendi nos últimos anos, mesmo não ganhando nada por isso.

Gostaria de fazer o post deste ano desabafando um pouco. Sintam-se à vontade para ignorar essa parte ou seguir em frente.



Não é segredo pra ninguém que acabei cursando Biologia por, praticamente, falta de opção. Meu sonho desde que me conheço por gente era ser escritora, mas, perto da hora de decidir meu futuro, algumas pessoas aparentemente entendidas no assunto tiraram essa ideia da minha cabeça e me aconselharam a procurar algo que desse dinheiro. 17 anos, desesperada com a pressão, vestibular a 4 meses, o que fazer? Escolher a matéria favorita da escola que não fosse Português ou Inglês. Ciências e Biologia. Legal, tem Biologia na cidade. Se inscreve, presta o vestibular, passa em terceiro lugar (tendo estudado só História, eu sou um mito, haha), faz 4 anos de faculdade e se forma sem ter reprovado em nem uma única matéria. Legal, e cadê o dinheiro?

A Ciência é uma carreira tanto apaixonante quanto frustrante. Apesar de nunca ter sido um sonho meu ser uma bióloga, eu sou apaixonada, sim, pela minha formação, mesmo que não atue nela. Nesses anos de faculdade eu aprendi muito mais do que foi ensinado em sala de aula. Passei a ver a vida como algo muito mais complexo do que a julgamos, e por isso muito mais bela e muito mais digna de respeito. Não falo apenas da vida humana, mas de toda forma de vida. Sei que não aconteceu só comigo, mas desde então não consigo ao menos matar um inseto sem que seja caso de vida ou morte. E a frustração da profissão entra aí, porque, infelizmente, eu percebo que esse respeito só vem de quem teve um contato melhor com o estudo da Vida.

Toquei no assunto porque ainda essa semana eu passei por três experiências de barbarismo contra animais (no mesmo dia, diga-se de passagem), e me senti ao mesmo tempo tão triste quanto impotente. De que me adiantou estudar tanto, me apaixonar pela carreira que escolhi e não poder fazer nada? Todos aqui sabem os motivos pelos quais não continuei estudando na área e porque não trabalho nela também, e embora eu me chame de "desertora" por ter escolhido um outro caminho, ele também foi em decorrência da falta de opção! O Jornalismo vai me levar (assim eu espero) por aquele caminho que eu quis desde o começo, de ser escritora. Mas eu sinceramente não sei por quanto tempo mais vou conseguir ignorar meus pensamentos que insistem em me dizer, sempre que vejo coisas como vi essa semana, "Emmanuella, você DEVIA fazer algo, você fez o juramento na sua formatura". E embora seja tudo muito bonito, meu realismo sabe que isso não passa de utopia. Eu não posso fazer nada. Eu sozinha não vou impedir os motoristas de atropelarem de propósito os animais de rua porque por algum motivo eles acham que esses bichos merecem morrer. Eu sozinha não vou convencer as pessoas de que não é normal afogar filhotes porque ninguém os quer. Eu sozinha não vou fazer ninguém entender que não é engraçado ver animais mutilados lutando pela vida, nem que touradas ou rodeios não são divertidos. Eu me tornando vegetariana não vai impedir que as vacas sejam fatiadas vivas e conscientes. E nem que eu me junte ao Greenpeace pra enfiar meu barquinho na frente ao um baleeiro, isso também não vai convencê-los a parar de matar baleias, e nem que a gente vá com nossas plaquinhas pra Noruega, eles também não vão parar com a "prática esportiva" de dilacerar focas. Abraçar as árvores não vai impedir ninguém de desmatar ou queimar nada, com a gente junto ainda.

Nenhum biólogo nem um grupo de biólogos ou todos os biólogos do mundo juntos conseguirão mudar o pensamento dessas 6 bilhões e trocentas tantas pessoas. E embora eu saiba que a gente deve, sim, tentar ser a mudança que queremos ver, saber quantas pessoas morreram sem conseguir não anima viv'alma. Por isso eu digo que é frustrante. Às vezes eu penso que seria realmente muito melhor nunca ter sabido de nada disso e levar a vida como a maioria das pessoas que conhecemos leva. Sendo apática a todas essas atrocidades que acontecem debaixo do meu nariz e achando graça no sofrimento desses "seres inferiores".

Mas eu não consigo, e sei que por mais que isso me deixe doente e furiosa e completamente frustrada, me recuso a pensar de outra maneira. Eu só realmente queria que houvesse uma revolução coletiva, que muitas, mas muitas pessoas mesmo, se revoltassem contra tudo isso e todos juntos fizéssemos algo acontecer. Mas a gente não luta nem pelos nossos próprios direitos, quem dirá pelos direitos dos pobres bichos. Tá tudo tão errado.

Enfim. Eu espero que seguindo esse outro caminho da vida eu consiga fazer algo. Se eu um dia tiver a felicidade de poder atingir a um público de número considerável e puder usar essa influência e unir a ela a minha alma de bióloga, quem sabe dá pra começar algo. Acho que será a minha missão nessa Terra tão negligente, ou pelo menos um objetivo que procurarei alcançar.

Feito o desabafo, feliz dia a todos nós que vemos além. Obrigada pra quem leu até aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Conhece o teste de personalidade Myers-Briggs?

O MBTI (Myers-Briggs Type Indicator) é um teste psicométrico altamente difundido pelo mundo, embora não seja completamente validado pela psicologia.
Baseadas nas teorias tipológicas propostas originalmente por Carl Jung, Katherine Briggs e sua filha Isabel Myers desenvolveram este indicador na época da Segunda Guerra com a intenção de que, com tal teste, as mulheres descobrissem que trabalhos poderiam desempenhar com mais eficiência e conforto de acordo com os aspectos das suas personalidades. 
O teste considera 16 tipos de personalidades, representados por siglas que são combinações de quatro dicotomias. São elas:


EXTROVERSÃO x INTROVERSÃO SENSORIAL x INTUIÇÃO RAZÃO (Thinking) x SENTIMENTO (Feeling) JULGAMENTO x PERCEPÇÃO

Os 16 tipos são, portanto (clique para ampliar):



Ao realizar o teste, que consiste de várias perguntas a respeito de suas preferências pessoais, o indivíduo é apresentado a um relatório com a sigla das quatro dicotomias que representam seu tipo de personalidade. Um tes…