Pular para o conteúdo principal

Cyn.

Dae, galerinha gente boa.

Mais um post we are family relacionado aos Beatles. Como já disse, prefiro falar da família deles do que da minha. Mesmo que meus sonhos insistam que George Harrison e Ringo Starr sejam meus tios. Bom. 

Aliás, dias atrás a Carolzinha me perguntou como eu consigo essas informações sobre as famílas deles. Bom, não tem segredo, eu leio muito (muito) sobre eles — livros, matérias, entrevistas, saio à caça desenfreada de informações e imagens, e elas não são tão difíceis de achar. É a banda mais famosa do mundo por décadas, então são sempre assunto por aí. É só saber achar ;)

Hoje é aniversário da Cynthia (Powell) Lennon (71), que foi a primeira esposa de John Lennon e é mãe do Julian (o "muso" inspirador de Hey Jude). Vocês devem se lembrar daquele meu post sobre o filme Nowhere Boy, onde eu ressaltei (várias vezes) o fato de terem omitido a Cynthia completamente da história. Não que eu seja grande fã dela, na realidade. A bem da verdade, pessoalmente acho a Cynthia da época um tanto quanto "devagar" e facilmente manipulável, e atualmente a acho levemente oportunista. Mas vamos ver isso direito.

Que foto de família mais cândida.



Cynthia era colega de classe de John Lennon na faculdade de Artes, eles cursavam juntos a matéria de Caligrafia. Ele ficava sempre pegando as coisas dela emprestado porque nunca levava seu próprio material. Lennon não curtia muito as responsabilidades da faculdade, a única coisa que levava era um caderno onde escrevia seus poemas e desenhava caricaturas de seus colegas e professores; e também o violão. Até onde se sabe, ele fazia a aula de Caligrafia porque os professores de outras matérias se recusavam a dar aula para ele.

► Cyn, como ele a chamava, é naturalmente morena, mas, ao descobrir a preferência de John por loiras (era grande fã de Brigitte Bardot), logo clareou o seu cabelo e adotou a cor definitivamente, até hoje.

► Na época em que começaram a namorar, os Beatles ainda não eram OS Beatles. Cynthia foi com John para Hamburgo, na Alemanha, quando o grupo foi para lá pela segunda vez. Por um tempo, em Liverpool, Cynthia morou com a tia de John, Mimi. As duas nunca se entenderam muito bem (Mimi a chamava de gun moll, uma gíria que se refere às acompanhantes de criminosos).

► Ao descobrir que Cynthia estava grávida, John decidiu que eles deveriam então se casar. Casaram-se em 1962 (o padrinho foi Brian Epstein, empresário da banda. Brian também cedeu um de seus apartamentos para que eles morassem enquanto Cyn estivesse grávida e pagou pelo hospital quando Julian nasceu) — de forma que, quando estourou a beatlemania, em 1963, o casamento de John Lennon foi escondido da mídia, afinal, não seria nada bom para os negócios que as garotinhas soubessem que um dos Beatles já fosse casado (o "segredo" caiu por terra, porém, depois que Julian nasceu).

► Apesar da situação financeira logo ter ficado bastante boa e eles tivessem sua própria mansão e carros, a vida do casal não era um mar de rosas. John já havia demonstrado violência ainda antes do casamento, tendo agredido Cynthia fisicamente diversas vezes. Também não era atencioso com Julian e o agredia verbalmente com frequência. Como se não bastasse o seu temperamento naturalmente agressivo, John usava drogas regularmente: primeiro os estimulantes, depois a maconha e então o LSD. Ele também admitia a Cynthia que lhe era infiel.

► Então um dia entra na vida deste feliz casal o fator Yoko Ono. Não contarei esta história hoje pois o assunto rende pano pra manga. Quando foram para a Índia se encontrar com o Maharish, John já havia conhecido Yoko e mantinha contato frequente com ela, embora eles ainda não tivessem um relacionamento. Ele estava enjoado da esposa e Yoko correspondia "espiritualmente e artisticamente" a tudo o que ele procurava. Um dia, Cynthia chega em casa após uma viagem e encontra Yoko em sua casa usando suas roupas numa total intimidade com o seu marido. E foi aí que o casamento feliz acabou.

► Ah sim, no momento do divórcio John quis a casa, a custódia do filho e ainda processar Cynthia por um adultério que não aconteceu. Ele perdeu os três.

► Quando John Lennon foi assassinado, quem lhe deu a notícia foi Ringo. Ela manteve amizade com todos eles, apesar do fim turbulento do seu casamento.


Cynthia e Julian (década de 70 e 2005)

►  Depois de John, Cynthia ainda casou-se outras 2 vezes, depois manteve um outro relacionamento de 17 anos, e depois casou-se novamente — atualmente ela mora com este marido na Espanha. Depois de seu segundo divórcio, Cynthia mudou seu sobrenome legalmente para Lennon (sabe Deus como). Lançou duas biografias: a primeira, A Twist of Lennon (1978) fala sobre a sua vida antes de e durante seu relacionamento com John Lennon. A outra, Lennon (2005), reescreve seu relacionamento com ele e os anos após sua morte. Vez ou outra ela leiloa objetos que pertenceram ao primeiro marido. Ela também admite que topava participar de convenções de fãs dos Beatles porque precisava do dinheiro.

.

Queria achar aquela foto que tem na biografia de Bob Spitz. Meu cabelo era igual ao dela, na foto em questão. Nível de comparação, só.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…