Pular para o conteúdo principal

Semaninha panque róque, podia ser sempre assim.

E aí, povinho gente boa que não tem nada melhor pra fazer agora; como têm passado?

Eu ando Emmanuellizando por aí. O significa essencialmente que não ando fazendo nada. A essas alturas todo mundo já sabe, mas pra quem ainda não teve o grande privilégio de ser atualizado, terminei minha breve aventura pelo maravilhoso mundo do Jornalismo, depois de um mês e meio de aulas. É, eu sei, eu sei, mas vejam bem. Não sou a fim de ser repórter e, mesmo que com mais tempo a gente vá se embrenhando pelas outras áreas da Comunicação, essa de ser repórter não me atrai mesmo. E não tem como evitá-la até o tal momento legal chegar, então decidi parar de gastar o dinheiro que não existe e voltar à estaca zero.

Mas ninguém vem aqui pra ler sobre isso, certo? Então vamos mudar de assunto. Logo depois do clique.





  • Sábado agora teve showzaço do Mr. Gyn aqui no Rio Verrrde. Já faziam quatro anos que eu não os via, a apresentação foi mesmo ótima (e longa.... muito longa). A noite foi divertida, apesar da destruição das minhas pernas. Não tenho mais idade pra isso.
  • No domingo assisti à transmissão ao vivo do festival Epicenter 2010, pela internet. Foi ÉPICO. Eu particularmente estava mais ansiosa pela apresentação do Against Me! e do Bad Religion. O Against Me! tocou um setlist divino, cantei o show todo. Pena que foi tão curto... Logo depois entrou uma banda que eu nunca tinha ouvido falar, chamada New Politics. Foi hilário, aquela duplinha vocalista-guitarrista tava dando um show de performance um tanto quanto original... A não ser que cantar plantando bananeira já seja tendência por aí. Enfim, depois começou o Bad Religion. E foi a coisa mais-perfeita-EVER. O álbum novo do BR (que lança oficialmente amanhã mas todo mundo já ouviu OE) tá destruindo, eles tocaram algumas músicas dele e alguns clássicos e, mais importante de tudo, tocaram Infected ok. Tio Greg foi alvo de comentários cretinos de minha parte no MSN/Twitter, adoro Depois, a apresentação curtíssima do Suicidal Tendencies, que foi loucura loucura. Queria os vídeos no YouTube, mas ninguém colocou ainda. Eu espero.
  • Estou terminando de (re)ler o Mate-me Por Favor - Uma história sem censura do punk. Ele conta, através de entrevistas com as pessoas e artistas que viveram essa época, a história do movimento punk americano, passando brevemente pela cena britânica. A primeira vez que eu o li foi há alguns anos, peguei emprestado (da mãe!) da Ana Cláudia e tinha adorado. Quis ler de novo para relembrar alguns fatos históricos importantes, engraçados ou trágicos. Na época que o li da primeira vez, ainda não estava muito familiarizada com a cena punk; por isso achei legal reler agora que reconheço cada um daqueles nomezinhos. É um livro ótimo pra quem curte o tema.
  • Ah, claro. Começou agora a tocar Paul McCartney no meu player. Falo nada, senão mato/morro.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…