Pular para o conteúdo principal

"Narciso acha feio o que não é espelho..."

Atribuímos àquele indivíduo cheio de si e que só se importa consigo mesmo o termo narcisista.

Segundo o dicionário Michaelis:

nar.ci.sis.mo
s. m. 1. Mania dos que se olham no espelho como o Narciso da fábula ou se envaidecem facilmente. 2. Em psicanálise, designa o estado em que a libido é dirigida ao próprio ego.

Todos sabemos quem foi Narciso, não?

Não?

 
"Narcissus", de Caravaggio (~1597/1599)

Segundo a mitologia grega, Narciso era um belo e jovem caçador que atraía a atenção e despertava a paixão de todas as ninfas — a principal delas, Eco, cuja história já contei aqui anteriormente. Mas Narciso, jovem cruel que era, desprezou a todas. Um dia, uma das ninfas desesperadas implorou aos deuses que Narciso um dia soubesse como é amar e não ser correspondido. Hera, que entre muitas coisas, também era a deusa da vingança, resolveu atender ao pedido da ninfa, e jogou esta maldição sobre Narciso.

Certo dia, cansado após uma tarde de caçada, Narciso debruçou-se sobre um lago para matar a sede e refrescar-se. Dizem que este lago era bastante peculiar, de águas tão limpas que pareciam de prata; os pastores jamais levavam seus rebanhos para beber daquela água, nem mesmo os outros animais se aproximavam dele. E foi debruçado sobre este lago que Narciso viu seu próprio reflexo na água e pensou que fosse algum espírito aquático que ali vivesse... E apaixonou-se, pelo reflexo e por si próprio, sem dar-se conta de que o era. 

"Echo and Narcissus", de John William Waterhouse (1903)

Ao tentar estender os braços para alcançar a bela imagem, o reflexo desfez-se, voltando quando a água acalmou-se. Narciso não se contentava em olhar para a imagem, precisava tocá-la. Mas, sempre que o tentava, a imagem se desfazia nas águas que ele mesmo agitava ao tentar. E então Narciso ficava lá, à beira do lago, contemplando o seu reflexo e imaginando uma maneira de poder alcançá-lo... Desprezando alimentação e repouso. Aos poucos, foi perdendo a cor, o vigor e a beleza que tanto encantavam às ninfas. Eco ficava sempre por perto dele, às escondidas, antes dela própria acabar morrendo. Até o dia em que, desnutrido e fraco, Narciso definhou à beira do lago e morreu. Diz a lenda que até mesmo quando sua alma atravessava o Rio Estige, no Submundo, ele ainda debruçou-se no barco para ver seu reflexo na água.

As ninfas, apesar de tudo, sentiram sua morte. E o teriam cremado, se houvessem encontrado o corpo. Mas, no lugar onde ele morreu, brotou uma flor, que foi batizada de narciso.






O narciso é uma flor que nasce geralmente em lugares úmidos, como na beira de lagos. Uma de suas características peculiares é que o caule inclina-se um pouco antes da flor, fazendo com que esta fique sempre virada para baixo... Como que se estivesse contemplando seu reflexo na água.





.

Regarde, Narcisse, regarde dans l'eau,
Regarde, Narcisse, comme tu es beau!
Il n'y a au monde que la beauté et la jeunesse.
Hélas ! Et la jeunesse.

Olha, Narciso, olha para a água,
Olha, Narciso, como tu és belo!
Não há no mundo tal beleza e juventude.
Ai de mim! E juventude.

— Suposta antiga canção francesa citada por Hercule Poirot, no livro A Noite das Bruxas, de Agatha Christie.

.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:
BULFINCH, Thomas. O Livro de Ouro da Mitologia: Histórias de deuses e heróis. 27 ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…