26/12/2010

Os Álbuns de 2010

E chegou esse dia de novo. 

2010 foi um ano de muitos lançamentos, de relançamentos, de retornos e de debandadas. Quisera eu poder ouvir tudo o que foi lançado esse ano, mas faltou tempo e, admito, espaço no HD. Sem contar uma mania minha de querer ouvir coisa velha (tipo, muito velha), e acabar passando um bom tempo sem ouvir coisas mais novas. Tem álbum novo de banda que eu gosto que até hoje não ouvi, e eu ainda tô descobrindo coisa do ano passado! Então esse ano vou fazer um pouco diferente do ano passado - vou postar aqui só os meus destaques entre os lançamentos deste ano que eu tive a felicidade de ouvir. E, junto, vou colocar um vídeo oficial de cada álbum, caso vocês queiram ouvir e conhecer.

Ah é, vocês provavelmente não vão conhecer ou gostar da minha lista porque, enfim. E também não vão achar nada nacional porque eu sou patriota assim mesmo, há.

parece que eu conheço isso de algum lugar.


— Meus 10 favoritos de 2010


99 Songs of Revolution: Vol 1
Streetlight Manifesto

Esse projeto tá pra sair há anos, mas o senhor Tomas Kalnoky tava juntando coragem pra fazer. Dizem (o título mesmo diz) que este é o primeiro álbum, com 11 músicas, do que seriam 99 covers de bandas e músicos que inspiraram não apenas o Streetlight Manifesto, mas outras bandas relacionadas a eles. Sabe-se lá quanto tempo vai levar pra sair os outros, se é que eles sairão, mas este primeiro ficou no mínimo interessante. Os covers variam de Radiohead a NOFX, de Paul Simon a Louis Jordan. Punk Rock, Ska, Rock Alternativo, Blues, Jazz, música eletrônica, tudo em versões criativas tocadas pela banda.

Just (Radiohead cover):

o fato de ser tão ruim é que a deixou tão boa!


American Slang
The Gaslight Anthem

Eles são uma das minhas bandas favoritas desde que os ouvi pela primeira vez, com o álbum anterior (que até indiquei como um dos melhores da década naquele nosso projeto). E, talvez, o que o Gaslight tenha de melhor é que eles não lançam um álbum copiando o anterior. O primeiro álbum deles era mais punk rock, apesar das letras poéticas de Brian Fallon. O segundo flertou com o folk de Bruce Springsteen e foi o que alavancou a carreira da banda. E este terceiro é um degrau acima na evolução do Gaslight. Eu nem sei mais classificar o que eles andam fazendo. Aqui tem R&B, folk, americana, e ainda dá pra sentir a origem punk, escondida lá embaixo; além da voz linda do Brian, que tá cada vez melhor. Este álbum certamente é responsável pelo sucesso que a banda veio fazendo este ano ao redor do mundo.

American Slang:



White Crosses
Against Me!

Eu adoro o Against Me!. Eu adoro tudo o que o Tom Gabel faz. E só não digo que não tô nem aí pro que os outros dizem sobre a banda ser vendida porque eu realmente fico indignada. Ficou todo mundo bravo só porque o Tom disse que não era mais anarquista. Uau, deve ter sido realmente difícil pra vocês... Cresçam! Enfim, eu acredito que eles estejam cada vez melhores, com os anos. Menos bagunça e mais música. Letras sempre geniais.


I Was A Teenage Anarchist:

...the revolution was a lie ♪


The Dissent Of Man
Bad Religion

Tecnicamente, este álbum não deveria estar aqui, já que ainda nem foi lançado no Brasil. :x Mas eu jamais poderia ignorá-lo desta lista! Há quem diga que este foi o melhor álbum do Bad Religion em anos; eu concordo que foi pelo menos melhor do que o último. Não sei nem explicar por que, mas sei que não sou a única viciada nele. Cantante do começo ao fim, sem pular, repetindo.




Cyanide (live @ KROQ Almost Acoustic Christmas 2010):

já que ainda não tem vídeo oficial...


Ben l'Oncle Soul
Ben l'Oncle Soul

Culpa do Rafhael!! Ele disse no blog dele que não conseguia parar de ouvir. Fiquei curiosa, ainda motivada por ser em francês, e foi um caminho sem volta. Realmente, não dá pra parar de ouvir! A voz dele é deliciosa, e se vocês não têm o costume ou a curiosidade de ouvir Soul, deviam tentar. Só faz bem.





Soulman:




Time Flies... 1994-2009
Oasis

Achei esse título a coisa mais deprimente que o Oasis já fez na sua existência. Esta foi a coletânea (e, teoricamente, último álbum) que a banda lançou com todos os singles da sua carreira. Eu nunca tive a intenção de adquiri-la, já que possuo a discografia completa, mas quando vi o CD lá na minha frente... não pude deixá-lo ali, largado. Essa coletânea é a trilha sonora da vida dos madferit. Cada música lembra, significa, dá saudade e esperança pra algo. É isso que o Oasis faz. Além de ser perfeito pra quem quer conhecer melhor a banda.

Falling Down:




Y Not
Ringo Starr

Tio Ringão abriu o ano com um álbum bem legal. Com várias participações especiais, entre Joss Stone, Ben Harper, mais alguns outros e até um carinha lá chamado Paul McCartney, que tocou em uma música e cantou com o Ringo em outra. É o mais perto do que teremos de uma reunião dos Beatles.





(Difícil achar vídeo de boa qualidade pela net. Fico devendo essa)



In Farbe
Revolverheld

Eu meio que comecei a duvidar da masculinidade do Johannes Strate com esse ábum. Todas essas cores e músicas como "Mein Leben ist super" ("minha vida é super") ou "Die Liebe liebt mich nicht" ("o amor não me ama")... Mas o Revolverheld é uma das minhas bandas alemãs preferidas, mesmo que eu não costume ouvir muito pop rock. Às vezes a gente precisa ouvir alguma coisa menos complicada e pessimista. (Qualquer comparação com as bandinhas coloridas daqui será amaldiçoada! Mas falando sério, conheçam os álbuns anteriores antes de julgar essa capa deprimente, haha)

Spinner:




Nightmare
Avenged Sevenfold

Primeiro álbum sem o baterista, The Rev, que faleceu há quase um ano (daqui a dois dias), e não deixa de ser um tributo ao próprio. O A7X agora é uma banda mundialmente conhecida, são queridinhos da nova geração do Heavy Metal e vêm melhorando com o tempo (embora meu material favorito deles ainda seja o segundo álbum e nada me fará mudar de opinião). Este álbum foi muito bem recebido pela crítica e pelos fãs, até conquistou novos.


Nightmare:

as tattoos do Rev são emocionantes, mas nada supera a última cena do vídeo :(



Audio Secrecy
Stone Sour

Corey Taylor não costuma fazer letras ruins. Este álbum novo da sua primeira banda (paralela ao Slipknot) segue o padrão dos anteriores: músicas pesadas e seu vocal poderoso, intercaladas por músicas lindas com sua voz matadora.





Hesitate:

*-*



— Outros lançamentos do ano que eu curti:

  • The Black Box RevelationSilver Threats (garage rock)
  • David FordLet The Hard Times Roll (folk)
  • Black Rebel Motorcycle ClubBeat The Devil's Tattoo (garage rock)
  • OOMPH!Truth Or Dare (coletânea dos singles, em versões em inglês) (industrial/rock)
  • The Bouncing SoulsGhosts On The Boardwalk (punk rock)
  • We Are The UnionGreat Leaps Forward (ska-punk)
  • GBHPerfume And Piss (punk rock/hardcore)
  • Bad Religion30 Years Live (coletânea comemorativa ao vivo, presente aos fãs cadastrados no site) (punk rock/hardcore)
  • Reel Big FishThe Best Of Us For The Rest Of Us (coletânea dupla, regravação dos singles e versões acústicas) (third wave ska/ska-punk)
  • Linkin ParkA Thousand Suns (boa pergunta)
  • Less Than JakeTV (EP) (versões ska de temas da televisão) (ska-punk)
  • CeremonyRohnert Park (hardcore)
  • David GarrettRock Symphonies (clássicos do rock tocados em violino)
  • Sick Of It AllBased On A True Story (hardcore)
  • Street DogsStreet Dogs (punk rock/oi!)
  • Toh Kay & Dan PYou By Me: Vol 1 (o hiperativo vocalista do Streetlight Manifesto num dueto acústico com o vocalista do MU330, um cantando as músicas do outro) (folk/acústico)

Postem os seus favoritos também! :)

Para ver uma lista praticamente completa de todos os álbuns que foram lançados este ano, cliquem.