Pular para o conteúdo principal

"This is Joe Public speaking!"

(trechos retirados de várias entrevistas ao decorrer dos anos:)


"Todo mundo tem que perceber que você não pode se segurar ao passado se quiser algum futuro. Cada segundo deve levar ao próximo."

~

"Não há por que pensar em sexo ou em drogas ou em rock'n'roll. Isso é tudo uma tentativa de desviar do assunto. Se você não está pensando sobre a Humanidade, sobre Deus e a Lei, então você não está pensando em nada."



"Vou dizer uma coisa. Quando você vê que se torna parte do ciclo de gerações, você perde seu ego no processo, porque você não é nada especial. Você é só outra pessoa nas gerações. Quando você devota todo o seu interesse à outra pessoa, você perde a sua auto-obsessão, e é aí que você entende o que é isso. Você não sabe de nada até isso acontecer. Você não quer que nada machuque aquele ser indefeso. É uma mudança fantástica. E é quando você entende o que está acontecendo. Eu nunca entendi nada até que minha primeira filha me olhou nos olhos. Eu não entendia nada. Agora eu entendo."

~

"A vida tem a ver com as suas amizades, com a maneira como você ama o seu companheiro, a maneira como você cuida dos seus filhos. É isso que é a vida. Não tem nada a ver com ganhar centenas de zilhões de dólares porque você fez mais turnês pela América do que todo mundo."



(quando perguntado sobre o que ele espera do futuro:)


"Eu espero fazer as coisas que fiz a noite passada — ficamos acordados a noite inteira escrevendo canções. Saímos pela cidade, transbordando de ideias, tagarelando como loucos, conhecendo gente nova. Eu consigo minha energia da ideia de ter ideias. A noção de uma boa ideia ou o pensamento de uma boa ideia. É quando eu me esperto, quando eu sinto que tem uma boa ideia pela casa, na minha cachola. É quando eu me sinto vivo e é isso que eu quero continuar fazendo, me conectando com isso. E também, quero continuar comendo sanduíches de sardinha com tomate. Foi o que eu fiz hoje."



"Na verdade, o Punk Rock significa 'MANEIRAS EXEMPLARES PARA COM O SEU COLEGA SER HUMANO'. Dane-se ser um babaca, aquilo que os idiotas pensavam ser punk há 20 anos atrás."

(sobre o Clash:)

"Eu acho que as pessoas devem saber que nós somos contra os fascistas, contra a violência e contra os racistas. Nós somos contra a ignorância."

(sobre alguns públicos violentos na Europa:)

"Eu fiquei emocionalmente destroçado... Completamente desanimado em ver o que aconteceu às sementes que nós plantamos. Se aqueles idiotas e caras como eles são frutos do nosso trabalho, então eles são muito piores do que aquelas pessoas que eles deveriam substituir."



Joe Strummer nasceu John Graham Mellor, em Ankara, na Turquia, mas morou em muitos países. Veio de família com certo status (seu pai era diplomata), mas cortou relação com eles ainda muito novo, por não concordar com o rumo que sua vida estava tomando. Seu irmão mais velho alistou-se no exército para lutar do lado dos nazistas. Sobreviveu aos combates, mas suicidou-se depois. Joe saiu pelas ruas, sozinho, tocando seu ukelele que comprou por míseras libras e vivendo disso. Já foi até coveiro. Aí então virou vocalista do The Clash, do seu começo ao seu fim, depois de ter sido "convencido" a deixar sua antiga banda de boteco, The 101'ers. Depois do Clash, Joe se dedicou a participar de alguns filmes e então, em 1999, juntou-se com outros amigos músicos e formou os Mescaleros, voltando com tudo ao mundo que tanto gostava de fazer parte. E estaria, muito provavelmente, ainda firme e forte com sua nova banda, não fosse sua morte repentina, há exatamente 8 anos atrás, aos 50 anos de idade. Joe tinha acabado de voltar de um passeio com seus cachorros, quando teve um ataque cardíaco na cozinha de casa. Esse ataque foi causado devido a um problema congênito que ele tinha no coração, e nem ao menos sabia que tinha. Ninguém sabia.

Neste dia, muita gente ficou órfã de John Graham Mellor. Não apenas suas 3 filhas, mas seus amigos, seus fãs, e todos aqueles que tiveram a felicidade de trocar uma ideia com essa pessoa tão simples e tão sábia. Joe adorava conhecer gente. Ele virava noites em bares só pra conversar com as pessoas. Joe não tinha preconceito de nenhum tipo, em nenhum sentido. Joe apoiava o novo, a experimentação, a mistura de culturas. Joe respeitava a vida, e gostava muito dela. Muito mesmo. E o tempo dele nesse mundo, falando o que tinha de ser dito, ensinando o que deveria ser ensinado, tão brevemente chegou ao fim.

Este dia nunca passa em branco pelos seus órfãos. Bandas mais novas ainda hoje fazem músicas em sua homenagem. É uma pena que, hoje em dia, pouca gente conheça Joe Strummer. Uma pena e uma injustiça.

Fique em paz, Joe. Você nunca será esquecido.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…