Pular para o conteúdo principal

O Oráculo de Trofônio

Não vou falar sobre isso só porque Trofônio é um nome sexy, mas principalmente porque li a respeito há uns dias e achei muito interessante.


Oráculos são lugares para onde algumas pessoas iam (ainda vão, especialmente na Grécia) para conseguir respostas ou inspirações sobre o futuro, supostamente dadas pelas divindades consultadas. O mais conhecido deles certamente é o de Apolo, em Delfos. Hoje sabe-se que em tais lugares ocorrem determinados fenômenos naturais que explicariam as "manifestações divinas" responsáveis pelas alucinações dos que visitam os oráculos, mas não se pode negar a importância cultural que tais ocorrências deixaram.

Trofônio e seu irmão, Agamedes, eram arquitetos que construíram importantes monumentos gregos, como o templo de Apolo em Delfos, além da sala do tesouro do então rei Irieu. Mas os dois, apesar de notáveis profissionais, também eram notáveis ladrões. Na parede desta tesouraria, colocaram uma pedra solta que poderia ser retirada e assim, de tempos em tempos, poderiam ir roubando o tesouro lá guardado. Um dia, o rei Irieu ficou intrigado com o fato do seu tesouro estar diminuindo, apesar de todas as trancas estarem intactas, e armou uma cilada para pegar o ladrão. E Agamedes caiu na armadilha.

Segundo o que conta a história, Trofônio não teve como livrar o irmão e temeu que este o delatasse como cúmplice, em sessões de tortura. Então resolveu ser melhor cortar-lhe a cabeça (nota da editora: nunca mais reclame do seu irmão). Outra versão da lenda diz que Trofônio assim o fez para que não soubessem de quem era o corpo que encontrariam na armadilha. De qualquer modo, após isto, Trofônio fugiu e refugiou-se em uma caverna, para nunca mais ser encontrado (alternativamente, diz-se que a terra se abriu e o engoliu).

O local nunca foi encontrado, até que uma seca terrível se abateu sobre Lebadeia, na Beócia. Os beócios procuraram o oráculo de Delfos e pediram por ajuda, tendo sido advertidos que encontrassem o esconderijo de Trofônio, que estaria se "redimindo" de sua culpa atuando como oráculo a quem o procurasse. Muitas buscas foram feitas em vão, até que alguém notou um enxame de abelhas que se dirigia a uma fenda no chão, e resolveu seguir o sinal, encontrando assim o local procurado.

Tal fenda ficou então conhecida como o Oráculo de Trofônio, e, antes de consultá-lo, a pessoa deveria passar por um ritual peculiar, que incluía beber a água de dois rios que por ali passavam e oferecer sacrifícios a muitos deuses (descrito com detalhes aqui; o local é ponto turístico e até hoje pessoas do mundo inteiro vão até lá). Depois de feitos os preparativos, a pessoa entra na fenda estreita, o que só pode ser feito à noite. Ao terminar a consulta, a pessoa deveria sair de lá pelo mesmo caminho, mas andando de costas. Tais rituais eram tão cansativos e desgastantes que todos que de lá saíam se mostravam melancólicos e abatidos (reza a lenda que quem consulta o Oráculo de Trofônio "nunca mais encontra a felicidade"). Por conta desta lenda, surgiu uma expressão muito usada na Grécia: quando se encontra uma pessoa triste ou desanimada, diz-se que ela "esteve consultando o Oráculo de Trofônio".

.

FONTE: além do link já citado, também O Livro de Ouro da Mitologia, de Thomas Bulfinch (Ediouro, 2002).

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…