Pular para o conteúdo principal

TOP 3: Emocionantes Canções Dedicadas aos Filhos

Olha eu desenterrando tags antigas.

~*~

Ao escolher as três músicas mais bonitas (com histórias e significados mais... emocionantes, mesmo) para preencher este top 3, não pude deixar de lembrar da "estreia" de Liam Gallagher como compositor do Oasis, quando surgiu com a canção que fez para o seu enteado, Little James - e que ainda hoje é considerada pelos fãs a pior música da banda. Bom, vamos deixá-la de lado.





3º lugar:
Beautiful Boy (Darling Boy)
John Lennon - 1980



Trecho da letra: "I can hardly wait/ To see you come of age/ But I guess we'll both just have to be patient/ Yes, it's a long way to go..." - (Mal posso esperar/ Para vê-lo ficar mais velho/ Mas acho que ambos teremos que ser pacientes/ Sim, é um longo caminho pela frente...")

Por que a considero emocionante: Todos aqui sabemos que John Lennon nunca foi um forte candidato ao prêmio de Pai do Ano. Já falei algo sobre a sua relação com sua primeira esposa e filho, e o pobre Julian só foi ganhar uma música quando pai o abandonou de vez - um presente de Paul McCartney chamado Hey Jude (oh, já falei disso tantas vezes...). Mas então, quando John se casa com Yoko Ono e juntos têm Sean, a visão dele sobre paternidade muda completamente. Agora um cara recluso em casa, assando pão e trocando fraldas, John compõe Beautiful Boy para seu caçula, então com 5 anos. E é assassinado, três semanas antes do álbum com a música ser lançado.

Ou seja, quando teve uma chance de se redimir, John nunca chegou a ver seu filho "ficar mais velho"...




2º lugar:
Heaven
Live - 2003

Trecho da letra: "I don't need no one/ To tell me about Heaven/ I look at my daughter/ And I believe." - ("Eu não preciso de ninguém pra me falar sobre o Céu; eu olho pra minha filha e acredito.")

Por que a considero emocionante: Grande parte das letras do Live consideram o lado espiritual da vida, não necessariamente religioso, vejam bem. Ed Kowalczyk diz que o nascimento de sua filha pôs um fim à sua "eterna busca pela espiritualidade": Deus, religião, alguém lá em cima. Segundo ele, tudo fez sentido quando olhou para sua filha pela primeira vez — não precisou, afinal, que alguém lhe desse evidências, provas científicas da existência ou não de algo superior. Ele podia ver por ele mesmo. Desde então, Ed teve ainda outra filha, e até os últimos shows do Live ele alterava a letra de Heaven para "I look at my daughters". Gracinha de pai!



(Se eu puder arriscar uma interpretação para o vídeo, o acho bastante significativo. A moça recebe uma "mensagem" do "homem misterioso" que está do outro lado do penhasco. Ela não o conhece, mas o que quer que estivesse escrito na mensagem a fez querer se encontrar com ele. Percebe que o caminho é bastante difícil de atravessar e está relutante em ir ao seu encontro, então ele toma o primeiro passo, e acaba caindo no rio e sendo levado pela correnteza. Ela então pula atrás dele e finalmente se encontram... Mas percebem que estão indo em direção a uma queda d'água. O final fica a nosso critério. Acredito que o vídeo metaforize a busca de Ed por aquilo que ele tanto procurou, a "mensagem" recebida, o caminho difícil e o encontro... E como terminará?)

1º lugar:
Tears In Heaven
Eric Clapton - 1992


Trecho da letra: "Would you know my name/ If I saw you in Heaven?/ Would it be the same/ If I saw you in Heaven?" - ("Você saberia meu nome, se eu te visse no Céu? Será que seria a mesma coisa, se eu te visse no Céu?")

Por que a considero emocionante: Porque a história por trás dessa música triste consegue ser muito mais triste. Eric estava pra se separar de sua esposa, Pattie Boyd, e nesse meio tempo conheceu a italiana Lory Del Santo, com quem teve o lindo menino da foto, Conor. O relacionamento desta família foi meio conturbado devido a uns problemas com vícios que Clapton enfrentava na época, mas, especialmente nos últimos dias, ele e o filho se davam bastante bem. Um dia, o menino e a mãe estavam no apartamento de uma amiga dela, em Nova York. Este apartamento ficava no 53º andar e tinha uma grande janela de vidro que nunca era aberta. Conor tinha o costume de sair correndo em direção a esta janela e ficar olhando lá pra baixo para ver se o pai estava chegando. Certo dia, este apartamento estava passando por uma limpeza geral; Lory, a mãe de Conor, deixou o menino sozinho por 15 minutos para ir atender ao fax, e não viu que alguém teve a brilhante ideia de abrir a tal janela de vidro para que entrasse algum ar. Nisso, Conor sai correndo em direção à janela, como de costume, mas o resultado foi trágico. Ninguém teve tempo de segurá-lo. Clapton chegou 5 minutos depois, sem imaginar o que havia acabado de acontecer. Conor tinha quatro anos, e no dia 20 deste mês se completam 20 anos de sua morte.



(Lory Del Santo afirma nunca ter ouvido a música e que pretende nunca ouvir)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…