13/03/2011

TOP 3: Emocionantes Canções Dedicadas aos Filhos

Olha eu desenterrando tags antigas.

~*~

Ao escolher as três músicas mais bonitas (com histórias e significados mais... emocionantes, mesmo) para preencher este top 3, não pude deixar de lembrar da "estreia" de Liam Gallagher como compositor do Oasis, quando surgiu com a canção que fez para o seu enteado, Little James - e que ainda hoje é considerada pelos fãs a pior música da banda. Bom, vamos deixá-la de lado.





3º lugar:
Beautiful Boy (Darling Boy)
John Lennon - 1980



Trecho da letra: "I can hardly wait/ To see you come of age/ But I guess we'll both just have to be patient/ Yes, it's a long way to go..." - (Mal posso esperar/ Para vê-lo ficar mais velho/ Mas acho que ambos teremos que ser pacientes/ Sim, é um longo caminho pela frente...")

Por que a considero emocionante: Todos aqui sabemos que John Lennon nunca foi um forte candidato ao prêmio de Pai do Ano. Já falei algo sobre a sua relação com sua primeira esposa e filho, e o pobre Julian só foi ganhar uma música quando pai o abandonou de vez - um presente de Paul McCartney chamado Hey Jude (oh, já falei disso tantas vezes...). Mas então, quando John se casa com Yoko Ono e juntos têm Sean, a visão dele sobre paternidade muda completamente. Agora um cara recluso em casa, assando pão e trocando fraldas, John compõe Beautiful Boy para seu caçula, então com 5 anos. E é assassinado, três semanas antes do álbum com a música ser lançado.

Ou seja, quando teve uma chance de se redimir, John nunca chegou a ver seu filho "ficar mais velho"...




2º lugar:
Heaven
Live - 2003

Trecho da letra: "I don't need no one/ To tell me about Heaven/ I look at my daughter/ And I believe." - ("Eu não preciso de ninguém pra me falar sobre o Céu; eu olho pra minha filha e acredito.")

Por que a considero emocionante: Grande parte das letras do Live consideram o lado espiritual da vida, não necessariamente religioso, vejam bem. Ed Kowalczyk diz que o nascimento de sua filha pôs um fim à sua "eterna busca pela espiritualidade": Deus, religião, alguém lá em cima. Segundo ele, tudo fez sentido quando olhou para sua filha pela primeira vez — não precisou, afinal, que alguém lhe desse evidências, provas científicas da existência ou não de algo superior. Ele podia ver por ele mesmo. Desde então, Ed teve ainda outra filha, e até os últimos shows do Live ele alterava a letra de Heaven para "I look at my daughters". Gracinha de pai!



(Se eu puder arriscar uma interpretação para o vídeo, o acho bastante significativo. A moça recebe uma "mensagem" do "homem misterioso" que está do outro lado do penhasco. Ela não o conhece, mas o que quer que estivesse escrito na mensagem a fez querer se encontrar com ele. Percebe que o caminho é bastante difícil de atravessar e está relutante em ir ao seu encontro, então ele toma o primeiro passo, e acaba caindo no rio e sendo levado pela correnteza. Ela então pula atrás dele e finalmente se encontram... Mas percebem que estão indo em direção a uma queda d'água. O final fica a nosso critério. Acredito que o vídeo metaforize a busca de Ed por aquilo que ele tanto procurou, a "mensagem" recebida, o caminho difícil e o encontro... E como terminará?)

1º lugar:
Tears In Heaven
Eric Clapton - 1992


Trecho da letra: "Would you know my name/ If I saw you in Heaven?/ Would it be the same/ If I saw you in Heaven?" - ("Você saberia meu nome, se eu te visse no Céu? Será que seria a mesma coisa, se eu te visse no Céu?")

Por que a considero emocionante: Porque a história por trás dessa música triste consegue ser muito mais triste. Eric estava pra se separar de sua esposa, Pattie Boyd, e nesse meio tempo conheceu a italiana Lory Del Santo, com quem teve o lindo menino da foto, Conor. O relacionamento desta família foi meio conturbado devido a uns problemas com vícios que Clapton enfrentava na época, mas, especialmente nos últimos dias, ele e o filho se davam bastante bem. Um dia, o menino e a mãe estavam no apartamento de uma amiga dela, em Nova York. Este apartamento ficava no 53º andar e tinha uma grande janela de vidro que nunca era aberta. Conor tinha o costume de sair correndo em direção a esta janela e ficar olhando lá pra baixo para ver se o pai estava chegando. Certo dia, este apartamento estava passando por uma limpeza geral; Lory, a mãe de Conor, deixou o menino sozinho por 15 minutos para ir atender ao fax, e não viu que alguém teve a brilhante ideia de abrir a tal janela de vidro para que entrasse algum ar. Nisso, Conor sai correndo em direção à janela, como de costume, mas o resultado foi trágico. Ninguém teve tempo de segurá-lo. Clapton chegou 5 minutos depois, sem imaginar o que havia acabado de acontecer. Conor tinha quatro anos, e no dia 20 deste mês se completam 20 anos de sua morte.



(Lory Del Santo afirma nunca ter ouvido a música e que pretende nunca ouvir)