Pular para o conteúdo principal

Erisíchton, o primeiro saco-sem-fundo

Fazia tempo que eu queria falar sobre o Erisíchton, mas tive um probleminha tentando me lembrar do nome dele, hahah. Anyway, lembrei e aqui vai a história — uma singela história sobre a vingança dos deuses.



Como percebemos ao ler histórias da mitologia grega, não era lá muito fácil viver naquela época e lugar. Os deuses eram muitos, e eram impiedosos, egoístas e vingativos. Havia porém, um pobre mortal que não ligava um dedinho para os deuses, e seu nome era Erisíchton. Ele era um cara grosseiro e desagradável; além de não fazer sua parte para "agradar" aos deuses, não respeitava quem assim o fizesse. Um dia, Erisíchton decidiu que iria profanar um bosque destinado à deusa Ceres (ou Deméter, a deusa da Agricultura), cortando um enorme e imponente carvalho que nele ficava, e ao redor do qual as ninfas do bosque dançavam e deixavam oferendas à deusa. Mandou então que seus homens fizessem o serviço. Os homens, como era de se esperar, hesitaram, pois não queriam ofender à deusa (e qualquer um com um mínimo de bom senso hesitaria em ofender a qualquer deus que fosse, naquela época). Erisíchton, então, pegou o machado da mão de um deles e acabou ele mesmo derrubando o carvalho. E mais: ele ainda disse que, mesmo que aquela árvore fosse a própria deusa, ele não hesitaria em cortá-la. (Existem os detalhes mórbidos da história: dizem que ao desferir o machado no carvalho, este sangrou; e que um dos homens tentou impedir que Erisíchton continuasse, então este matou o homem, o decapitando).

Depois de tal ato de violência, as ninfas do bosque (também chamadas de dríades), ficaram muito tristes e dirigiram-se à deusa Ceres, todas em luto, pedindo para que Erisíchton fosse castigado. A deusa imaginou então o castigo mais cruel que pode, e decidiu que o entregaria à Fome. Porém, Ceres não poderia se encontrar pessoalmente com a Fome, visto que ambas foram ordenadas de nunca se aproximarem (faz sentido que a deusa da agricultura não se aproxime da Fome, questão de bom senso), então enviou uma ninfa das montanhas para dar o recado à Fome.

Diz a lenda que a Fome era uma coisa feia de ver (a gente até imagina, pálida e de pele distendida sobre os ossos, olhos fundos e lábios descorados). Dado o recado, a Fome foi fazer seu trabalho. Dirigiu-se aonde Erisíchton morava, e o abraçou em seu sono, entrando por sua respiração e envenenando seu sangue. Depois disso, foi embora. Erisíchton, obviamente, acordou sentindo muita fome; mas, por mais que comesse, a fome nunca passava. Quanto mais comia, mais fome tinha. Como era de se esperar, logo Erisíchton não tinha mais o que comer, e nem o que pudesse usar para comprar ou trocar por comida. Tudo o que lhe restou foi a sua filha, que ele acabou afinal vendendo.

Sua filha, entretanto, não ficou lá muito feliz de ter sido vendida como escrava, então fugiu para a praia e foi fazer uma prece desesperada a Netuno (Posêidon, deus dos mares). Seu comprador estava se aproximando da praia, procurando por ela, e no mesmo instante ela se transformou em um pescador, iludindo o seu comprador. Netuno atendeu à sua prece, e depois que o homem se afastou, a moça voltou à sua forma original e retornou para a casa de seu pai, lhe levando o dinheiro resultante da sua venda. Erisíchton ficou muito feliz em revê-la, mas logo este dinheiro acabou também e a moça foi novamente vendida. E ficou nisso de ser vendida, fugir, ser transformada por Netuno, e retornar para casa com dinheiro... 

Mas o plano não durou para sempre. O dinheiro não era o suficiente para saciar a fome de Erisíchton, então o pobre homem não viu outra solução a não ser começar a comer pedaços de si mesmo. Começou devorando seus membros, até que se destruiu completamente. E então a morte o livrou da vingança de Ceres.

.

Fonte: O Livro de Ouro da Mitologia, de Thomas Bulfinch (Ediouro, 2002)

.

Escrevi esse post com fome, não me julguem.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…