Pular para o conteúdo principal

Asterix, o Gaulês

Um boa tarde da procrastinadora dona deste blog; como estão?

Antes de começar o assunto, talvez vocês já tenham reparado ali no menu à esquerda uma enquete. Caso queiram responder, vocês têm até a terça-feira que vem pra escolher o assunto que parecer mais interessante. Eu provavelmente vou falar de todos, mais cedo ou mais tarde, mas achei legal dar a escolha a vocês. Se não quiserem nenhum, é só não votar :P (ou escrever no comentário sobre algum outro assunto que você gostaria de ver aqui, eu sou legal e falo de qualquer coisa - menos de futebol, porque disso eu não entendo nada, MESMO).

Então vamos falar de coisa boa, vamos falar de TecPix Asterix.


As Aventuras de Asterix (antigamente chamado de Asterix, o Gaulês) foi uma série de histórias em quadrinhos criada em 1959, pelos franceses René Goscinny (textos) e Albert Uderzo (desenhos). Fez muito sucesso em muitos países, vendendo mais de 300 milhões de gibis em 50 anos. Tudo completa uma coleção de 34 volumes.
... e é aí que o coitado do Júlio se decepciona

Apesar de ser uma série cômica, aprende-se muito de História com as aventuras de Asterix. Ele e seus amigos gauleses vivem em uma pequena aldeia no litoral da Gália que resiste bravamente à invasão de Júlio César, graças a uma poção mágica preparada por seu druida, que lhes confere força sobre-humana. Em muitos volumes, Asterix e seu fiel companheiro Obelix viajam por outras regiões, perto ou longe, e a cada aventura se aprende mais sobre cada lugar (entre uma confusão e outra).



Todos os volumes começam com uma página idêntica, mostrando um mapa da Gália (região que antigamente abrangia a França, a Bélgica, Luxemburgo, o norte da Itália e uma parte da Alemanha), com destaque em uma pequena aldeia na beira do mar, cercada por fortificações romanas. Abaixo, um quadro que diz:

"Estamos no ano 50 antes de Cristo. Toda a Gália foi ocupada pelos romanos... Toda? Não! Uma aldeia povoada por irredutíveis gauleses ainda resiste ao invasor. E a vida não é nada fácil para as guarnições de legionários romanos nos campos fortificados de Babaorum, Aquarium, Laudanum e Petibonum..."

Outra característica cômica das histórias são os nomes dos personagens, geralmente baseados em trocadilhos. Em português, eles sofrem algumas alterações para que o nome nos faça mais sentido (acredito que isso ocorra em todas as línguas para quais as histórias tenham sido traduzidas). São alguns dos principais:





Asterix:
O personagem principal das aventuras, o guerreiro mais valente da aldeia e um baixinho muito nervoso.










Obelix:
É o melhor amigo de Asterix, odeia que o chamem de gordo, e é o único da aldeia que não precisa tomar a poção mágica, pois caiu no caldeirão quando era pequeno. Esculpe menires e adora ir à floresta para caçar javalis e romanos. Tem um cachorrinho chamado Idéiafix, que odeia que maltratem as árvores.








Panoramix:
É o druida da aldeia, que prepara a poção mágica que lhes confere a força para manter a ocupação romana afastada. É muito respeitado por todos, inclusive pelos romanos.










Júlio César:
Oras, Júlio César é Júlio César! O imperador romano que ocupou toda a Gália, e que está sempre mal humorado por não conseguir conquistar esta última aldeia.









Entre os demais personagens estão Abracurcix, o chefe, e Naftalina, sua esposa; Chatotorix, o bardo; Ordenalfabetix, o peixeiro, e Ielosubmarina, sua esposa (quase não adoro esse nome); Automatix, o ferreiro; e Veteranix, o membro mais velho da aldeia. Entre os romanos, os personagens variam entre centuriões, decuriões e legionários. Há ainda os piratas, que se encontram com os gauleses sempre que estes precisam viajar pelo mar, e que temem muito estes encontros.

Já foram feitas algumas adaptações para o cinema de alguns dos volumes. O primeiro filme foi lançado em 1999 com o nome "Asterix e Obelix Contra César" (baseado no primeiro volume "Asterix, o Gaulês"). O segundo, em 2002, "Asterix e Obelix: Missão Cleópatra" (baseado no segundo volume, "Asterix e Cleópatra"). Em 2008, "Asterix nos Jogos Olímpicos" (baseado no quinto volume, de mesmo nome). O próximo filme está previsto para o ano que vem, e será baseado no quarto volume da série, chamado "Asterix Entre os Bretões" (o filme se chamará "Asterix e Obelix: Deus Salve A Bretanha") (que é um dos mais engraçados, e faz uma breve referência aos Beatles!). Asterix foi interpretado por atores diferentes em cada filme, mas Obelix sempre foi papel de Gérard Depardieu (diga-se de passagem, perfeito para o papel).



Conheci a série pela coleção de um tio, que a deixou em nossa guarda, e está com a gente até hoje. Infelizmente, não é a coleção completa (faltam alguns dos últimos volumes), mas pretendemos completá-la. Já li inúmeras vezes, e nunca deixa de me divertir. Recomendo a todos que tiverem curiosidade em ler!

Visite o site oficial para saber os detalhes dos volumes e dos filmes, conhecer os personagens, curiosidades, jogos e mais um monte de coisas legais:

(falei como uma criança de 10 anos nesse post, to nem aí)

"Esses romanos são uns loucos"
— Obelix

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…