Pular para o conteúdo principal

Sísifo, o cara que enganou a Morte e "sifu"

Vocês são muito espertos e conseguiram empatar a minha enquete! Então escolhi falar do Sísifo antes porque... ah, porque adoro fazer trocadilhos infames com o nome dele, como bem veem. E porque ele era um espertinho, que nem vocês!

.



Sísifo foi rei de Corinto, mas ser rei não significava que ele fosse um cara legal e justo. Entre algumas outras atitudes questionáveis, Sísifo dedurou um segredinho de Zeus (acho que já o chamei em algum outro post de "O Primeiro Grande Pulador de Cerca", não? Ele era, mesmo). O deus dos raios sequestrou uma ninfa do rio chamada Egina, filha do deus dos rios, Asopo. Sísifo por acaso sabia onde Egina estava e contou a Asopo. Zeus, obviamente, não gostou nada dessa intromissão e ordenou que o deus Tânatos (ou simplesmente "Morte") acompanhasse o dedo-duro Sísifo pessoalmente ao submundo, e que o acorrentasse no Tártaro.

O Tártaro, caso eu já não tenha mencionado, é o que equivaleria ao "inferno" cristão. É a região do submundo onde ficam as almas que pagam punições pelos atos que cometeram em vida: assassinos, adúlteros e espertinhos em geral, como nosso amigo Sísifo.

Mas Sísifo não era só um rei dedo-duro, ele era também um espertinho. Então enquanto estava lá acorrentado no Tártaro, fingiu interesse nas correntes e perguntou sobre elas à Tânatos. Deve ter sido algo como "Ei Tânatos, essas correntes que você me arrumou são bem descoladas. Como elas funcionam?". Aí o inocente Tânatos mostrou para Sísifo como elas funcionavam, e nisso o rei conseguiu escapar das correntes, aprisionar Tânatos e fugir do submundo.

Ora, como a Morte estava acorrentada e indefesa lá no submundo, ninguém mais na Terra morria. Como era de se esperar, Ares, que era o deus da guerra, ficou furioso. As pessoas não morriam em seus combates, que graça isso teria? Então Ares foi pessoalmente até o Tártaro libertar Tânatos de suas correntes.

Tânatos agora devia estar enfezado, e foi buscar Sísifo para que pudesse prendê-lo novamente. Portanto, antes de morrer, este ordenou à sua esposa que não o enterrasse e nem fizesse os costumeiros ritos funenários, mas que apenas largasse o seu corpo em praça pública. Assim feito, quando a alma de Sísifo chegou ao submundo, Hades ficou furioso porque os ritos funerários não haviam sido respeitados, e então mandou Sísifo de volta à terra para que punisse sua esposa pela falta de respeito ao deus dos mortos. (Outra versão da lenda diz que Sísifo persuadiu Perséfone, esposa de Hades, a voltar à terra para punir a esposa, já que o fato dela não ter realizado os ritos demonstrava a sua "falta de amor" — Claro, tudo isso foi estratégia do espertão do Sísifo para poder novamente escapar do submundo).

E lá vai Sísifo, outra vez fora do Tártaro, viver em paz na terra por mais 30 anos. Quando a galera lá de baixo percebeu que o espertão não ia voltar, Hermes (o deus mensageiro e que tinha acesso a todos os cantos do mundo, inclusive ao Olimpo e ao submundo) se encarregou de levá-lo de volta, e desta vez definitivamente ao Tártaro. E então sua punição foi decidida: ao invés de ficar lá acorrentado pela eternidade, seu castigo seria rolar uma enorme rocha roliça até o topo de um morro. Os deuses lhe garantiram que, se ele conseguisse chegar com essa rocha até no topo do morro, ele seria libertado. Só que os deuses eram vingativos, ah, vocês sabem disso. Quanto mais alto ele chegava, mais a pedra pesava e, quando ele estava quase chegando ao topo, ela saía rolando morro abaixo, de modo que ele teria que começar tudo de novo - pela eternidade.



Sísifo ficou conhecido então por duas características: sua esperteza em vida, e seu sofrimento em morte. É o símbolo do trabalho em vão e ganhou até um termo que designa uma tarefa que, por mais que seja executada, nunca dá resultado: um trabalho sisifiano.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…