Pular para o conteúdo principal

Os Reis do Rock!

(Fiz esse post pro Musicólatras, aproveito e divulgo por aqui também)

No dia 13 de julho comemora-se o Dia Mundial do Rock. Eu, particularmente, comemoro o dia prestando homenagem aos caras que fizeram isso acontecer (não os que participaram do festival que deu origem à data), mas aos pioneiros, os jovens dos anos 1950 que ousaram na música popular, misturando country com o rhythm & blues, e criaram o estilo mais controverso, amado, criticado, morto e ressuscitado da História da Música: o Rock'n'Roll.

Quando falamos em "rock" e em "anos 50", a primeira pessoa que nos vem em mente é o eterno rei, Elvis Presley. Mas Presley teve seus colegas e antecessores, que são tão dignos de homenagem quanto ele. Vou apresentar aqui alguns deles, para aqueles que não conhecem; e que os roqueiros das novas gerações aprendam a respeitá-los, como as grandes lendas que são!


• Bill Haley



Junto com seus cometas, foram a primeira banda de membros brancos a espalhar o rock'n'roll pelos Estados Unidos e o resto do mundo, ainda em 1952. O Bill Haley & His Comets só parou em 1981, com a morte do seu frontman. Emplacaram muitos hits, sendo o maior deles a Rock Around The Clock:



Carl Perkins



O nome dele talvez não traga muitas lembranças aos leigos, mas suas canções foram incansavelmente regravadas por outros artistas. Um exemplo disso é seu clássico, Blue Suede Shoes, mais conhecido na voz de Elvis Presley.


Elvis Presley



Difícil falar de Elvis em um parágrafo, mas o Rei foi um dos mais populares no gênero, desde sua época até os dias de hoje. Se tornou um ícone em vários níveis, tanto por seu visual, quanto por sua voz versátil e sua performance ousada para a época.


Little Richard



Little Richard foi o primeiro a misturar outros estilos da música negra americana ao rock'n'roll, como o soul e o funk. Fez sucesso por sua maneira de tocar o piano e influenciou as seguintes gerações de roqueiros com o seu vocal gritado. E está alive & rocking até hoje!


Chuck Berry



Outro que influenciou as futuras gerações, com seus solos de guitarra e temática em torno da juventude. Chuck foi preso muitas vezes por diversos motivos, mas entre uma prisão e outra, foi aprimorando o rock'n'roll e continua firme até hoje.


Fats Domino



Além de também ter sido influência no rock, Domino é exemplo em outros campos. Em 2005, quando o furacão Katrina arrasou New Orleans, nos EUA, todos acreditaram que Fats havia morrido, pois morava lá. A população estava de luto, mas não sabiam que ele e sua família haviam sido resgatadas. Desde então, Fats lançou um álbum e realizou concertos em prol das vítimas do furacão.


Gene Vincent



Gene queria era ser marinheiro. Até tentou, e estava indo bem, apesar de uma ou outra confusãozinha. Mas usou seu primeiro salário para comprar uma motocicleta, e acabou se acidentando. O acidente quase lhe tirou uma perna, mas a amputação não foi necessária, apesar de ter ficado com sequelas e uma dor extenuante que lhe acompanhou pelo resto da vida - além de ter destruído o sonho de servir na Marinha. E então, Gene encontrou seus Blue Caps e se tornou mais uma lenda do rock.


Eddie Cochran



Dizem que Eddie imitava Elvis, o que até podia ser visualmente verdade, mas Cochran era multiinstrumentalista e experimentou técnicas de gravação que eram incomuns na época, como overdubbing e multitracking. Faleceu muito jovem, aos 21 anos, devido a um acidente de carro; mas suas canções também foram incansavelmente regravadas por inúmeros artistas, do classic rock ao punk rock.


Jerry Lee Lewis



A vida de Lewis foi amplamente marcada por escândalos, desde sua criação musical, tocando músicas gospel em ritmo de rock'n'roll e sendo consequentemente expulso da escola por isso, até ter posteriormente se casado com uma prima de apenas 13 anos. Apesar disso, Lewis reinventou a maneira de tocar piano no rock'n'roll e tem até hoje uma das performances mais dinâmicas do gênero, pelo qual garantiu seu lugar no hall das lendas.



Buddy Holly



Responsável por influenciar alguns dos principais músicos da história, como os Beatles, os Rolling Stones, Bob Dylan e Eric Clapton, seu sucesso durou apenas um ano e meio. Holly morreu, aos 22 anos, na queda do avião que também levou outros músicos, no dia que ficou conhecido como "O Dia Que a Música Morreu". Holly também foi responsável, junto dos demais artistas que citei, por unir a música branca com a música negra.



Ritchie Valens



Esse filho de mexicanos, que foi o precursor do rock latino, só desfrutou de oito meses de sucesso. Valens morreu no mesmo acidente de avião que levou Buddy Holly, mas deixou de legado a inesquecível La Bamba:





That's why I go for that rock and roll music,
Any old way you choose it.
It's got a back beat, you can't blues it,
Any old time you use it.
It's gotta be rock and roll music,
If you wanna dance with me ♪

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…