Pular para o conteúdo principal

"Aquele que é levado para fora"

Em folclores de todo o mundo existem histórias dos mais variados espíritos vingativos (exatamente o que você pensou, espíritos de pessoas que buscam vingança pelos fatores que envolveram a sua morte). Os mais famosos mundialmente talvez sejam a Mulher de Branco e a Bloody Mary, que viraram assunto pra uma porção de filmes.

Mas hoje me lembrei de um em particular que resolvi apresentar a vocês. É uma lenda do folclore escandinavo que, embora não muito conhecido pelo mundo, bota bastante medo por lá.

.

A literatura se refere a ele como Myling, embora seu nome no folclore local seja Utburd, "aquele que é levado para fora".

Na época em que esta lenda surgiu, era bastante comum que se abandonassem nas florestas bebês que fossem ilegítimos ou nascessem com alguma deformidade, ou mesmo quando a família não tinha condições de criá-lo. Segundo a lenda, os espíritos destas crianças vagariam pela terra até que encontrassem alguém que as proporcionasse um enterro decente. Algumas versões da lenda defendem que estes espíritos assombrariam o local de sua morte, e até perseguiriam a família responsável por seu abandono.

A parte assustadora da lenda é que estes espíritos nem sempre apresentam a forma de uma criança. Às vezes ele se manifesta como um grande cão negro, ou mesmo uma coruja branca. Às vezes ele se mantém invisível, embora seu choro possa ser ouvido a uma certa distância... E às vezes ele parece mesmo uma criança - uma criança de punhos cerrados e expressão de dor e ódio. De qualquer forma, qualquer que fosse a imagem escolhida, existem relatos de avistamentos de utburds tão grandes quanto um celeiro (!).

E, embora tudo o que estes espíritos queiram seja um "despacho" digno, o comportamento deles não é nada amigável. Dizem que sua sede de vingança não desaparece ou diminui nem mesmo quando todos da família já morreram. As lendas afirmam que olhar diretamente nos olhos de um utburd paralizaria qualquer mortal, e então eles pulariam nas costas da vítima, exigindo serem levados a um cemitério. Mas não para por aí. Durante o trajeto, o utburd vai crescendo e ficando mais pesado, chegando a um ponto onde carregá-lo nas costas se torna uma tarefa praticamente impossível, visto que a terra sob os pés da vítima começa a abrir e puxá-lo para baixo. Se a vítima não for capaz de chegar até o cemitério e cumprir sua missão involuntária, o utburd a mata violentamente.

Tudo bem, estamos no Brasil e provavelmente não encontraremos utburds pelo caminho (embora não devam faltar espíritos de crianças abandonadas por aí...). Mas existe um jeito de evitá-los. Água e ferro são repelentes naturais de fantasmas, então um mergulho no rio ou um bom e velho canivete de bolso serão suficientes para afastar um utburd, desde que se aja a tempo.

.


Aliás, desculpem a falta de imagens, mas não há gravura de utburds pela internet (além de fotos de uma duvidosa banda de Black Metal que leva o mesmo nome...).

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…