Pular para o conteúdo principal

Cruz invertida: você está fazendo isso errado

Só vou explicar uma coisinha que eu vejo bastante por aí e dou risadas internas por causa da ironia, mas achei melhor explicar pra não ficar feio pra cara de quem curte.

Acho que todo mundo já viu pelo menos uma vez uma foto de qualquer banda de Black Metal, tipo esta abaixo:


Pelo menos dois deles estão usando crucifixos invertidos (um até com Jesus e tudo, olha só que maneiro).

As bandas de Black/Death Metal (principalmente estas, embora artistas de vários gêneros façam o mesmo) são conhecidas por disseminarem a mensagem anti-Cristo pró-Tinhoso, e pra isso elas usam, além da música de qualidade duvidosa, as pinturas faciais tenebrosas, as roupas de couro com tantos spikes quanto couberem nelas e uma diversidades de símbolos malvadões, como pentagramas e o símbolo máximo do revolts, a cruz invertida.

Chocante! E o mais legal é que a galera que curte esse tipo de coisa sai tatuando o símbolo (tipo o vocalista do Deicide que o queimou na própria testa), ou usando em acessórios ou no avatar das suas redes sociais. Porque, né, todo mundo tem que saber que essa pessoa odeia o Cristianismo.

E teve uma pessoa que ostentou o mesmo símbolo tão publicamente que deixa qualquer banda de Black Metal Norueguês 666 From Hell Groarrr no chinelo. Só vou ali achar a foto, peraê...

.
.
.

Achei!


O Papa João Paulo II! :D

Mas, espera. O Papa? Anticristo? :O

Não, meus capetinhas. É aqui que entram os 5 minutinhos de Google que eu sempre recomendo que vocês gastem. A cruz invertida não é um símbolo do Satanismo.

Primeiro de tudo, ela é chamada de Cruz de São Pedro. A história não é longa: Pedro foi um dos 12 apóstolos de Jesus e, como consequência disso, foi martirizado, como todos os outros nos anos seguidos à crucificação de Cristo (perseguir católicos já era moda há 2 mil anos, "moderninhos"). Foi setenciado a morrer pela crucificação, e seu último pedido foi para que fosse crucificado de cabeça para baixo, pois ele não se achava digno de morrer da mesma maneira que seu Mestre. Desde então, o símbolo da cruz invertida foi atribuído ao santo, e alguns cristãos o adotaram como símbolo de humildade.

(São Pedro foi o primeiro Papa, por isso o símbolo no trono do Papa João Paulo II.)

Não se sabe exatamente quando foi que começaram a usar o símbolo, erroneamente, como sinal de sympathy for the devil. A Igreja alega que pode ter sido devido a um problema de tradução da própria Bíblia, quando Jesus, em uma discussão, chama Pedro de "Satanás" (quando na verdade a palavra era Ha-Satan, que significa "adversário" - Marcos 8:33). A partir da má-interpretação, houveram várias teorias da conspiração defendendo que a Igreja Católica era, na verdade, Satanista.

De qualquer forma, o símbolo da cruz invertida por si só não mudou entre os católicos, embora a cruz-invertida-com-Cristo-e-tudo seja considerada desrespeitosa por alguns. Portanto, amigos do corpse-paint, façam melhor do que isso. Mostrem suas habilidades de pesquisa e mandem ver!

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…