Pular para o conteúdo principal

"Eu Ouço Gente Morta": Chet Baker

Eu sei, que nome horrível pra uma nova ~coluna~ do blog, mas foi bem sacado vai, diz aí.

Eu ouço muita gente morta. O tempo todo. Alguns morreram depois de eu começar a ouvi-los. Outros morreram antes. E outros morreram até antes de eu nascer. Mas o importante é que eles tão vivão aqui no meu coração.

Hoje apresento a quem não conhece Chet Baker (que eu conheci graças ao pessoal de muito bom gosto do Musicólatras, numa fase em que estava entrando aos poucos no mundo do Jazz).

;


Chet fez sucesso nos anos 50 porque, além de tocar o trompete e o piano, também cantava (o que não era muito comum, ser instrumentista e cantar ao mesmo tempo). Sempre comentou-se muito da voz e do estilo de canto de Chet, com seu tom suave. Seu estilo de tocar também não era de firulas, mas simples e improvisado com eficiência. Em seu auge, tocou com os artistas mais renomados do gênero. E também fez sucesso com a mulherada por causa dessa cara linda que lhe rendeu o apelido de James Dean do Jazz.

Infelizmente, além de talentoso e lindo, Chet foi meio azarado. Foi acabar se viciando em heroína, vício que influenciou negativamente tanto em sua carreira quanto em sua aparência. Em poucos anos, parecia ter envelhecido o dobro do que realmente tinha. Chegou a penhorar seus instrumentos para poder manter o vício e foi preso várias vezes pelos mais diversos motivos relacionados a ele. Foi perdendo prestígio nos EUA e só conseguia ser chamado pra tocar na Europa. Um dia, já nos anos 60, Chet foi espancado em um bar, tão violentamente que perdeu todos os dentes da frente, o deixando impossibilitado de tocar propriamente seu trompete. Precisou arrumar outros empregos, fazer uma dentadura e treinar muito, até finalmente conseguir se aperfeiçoar e voltar a tocar em público.



A morte de Chet, em 1988, aos 58 anos, também não foi das mais românticas. Encontraram o seu corpo na rua, embaixo da sacada do quarto de hotel onde estava hospedado, na Holanda. Não houve evidência de luta, mas encontraram drogas em seu organismo, levando à conclusão de que a morte dele não tenha passado de um infeliz acidente.

Mas, apesar disso tudo, Chet Baker deixou um legado e tanto para o mundo do Jazz. Seu estilo foi pioneiro no gênero. Foram lançados filmes e biografias sobre ele, além de um musical que percorreu alguns países. Até hoje são lançadas coletâneas com suas melhores performances, instrumentais e cantadas.



Chet Baker é mais associado à sua versão de My Funny Valentine, por causa de seu solo marcante de trompete:



Minha favorita pessoal é esta que segue. Por causa de razões.


My heart should be well-schooled
'Cause I've been fooled in the past
But still I fall in love too easily
I fall in love too fast. 

Lógico que a minha biografia ficou porcamente incompleta, então sugiro que, caso queiram saber mais sobre o artista, confiram o post lá do Musicólatras!

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…