30/09/2012

As 5 Mortes Acidentais Mais Absurdas



  • Homem morre atingido por suicida

Uma mulher atirou-se do 8º andar de um prédio, em Barcelona, e acabou caindo em cima de um pedestre de 50 anos que passava pela calçada. A suicida morreu na hora, mas o homem chegou a ser socorrido, apesar de ter morrido no hospital. A esposa do homem, que caminhava ao lado dele na hora do incidente, sofreu ferimentos leves. (Fonte)

  • Advogado morre ao tentar provar que a janela era inquebrável

Garry Hoy ganhou até página na Wikipedia por esse feito. Resumindo a história, o advogado de 38 anos se jogou contra a janela do 24º andar de um prédio em Toronto para provar aos estudantes de Direito que visitavam de que a janela era inquebrável, sendo, portanto, seguro trabalhar ali. A janela, na verdade, não se quebrou, mas saiu inteira da parede, levando Gary Hoy com ela.  (Fonte)

  • Trabalhador morre após cair em um caldeirão de Hershey's

Tipo Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate, mas de verdade e sem graça. Um empregado de uma fábrica de chocolates em New Jersey estava abastecendo um caldeirão com pedaços de chocolate para derreter, quando escorregou e caiu dentro do equipamento, que fervia chocolate a 50°C, e acabou atingido por uma das espátulas. Smith ficou preso na substância, inconsciente, por 10 minutos até que o socorro conseguisse tirá-lo de lá. Mas ele foi dado como morto logo em seguida. (Fonte)

  • Homem morre atacado por abelhas no funeral de sua esposa

Um homem de 50 anos estava realizando os rituais crematórios de sua esposa, na Índia, quando a fumaça atiçou um enxame de abelhas de uma colmeia próxima. As outras pessoas presentes puderam fugir, mas o homem ficou para terminar o ritual, e acabou morrendo em consequência das múltiplas ferroadas. (Fonte)

  • Todo um time de futebol morre atingido por um raio

Poderia até ser golpe do time adversário, se isso fosse remotamente possível. Durante uma partida no Congo, um raio caiu no meio do campo de futebol, matando, inexplicavelmente, todos os jogadores do time visitante. O time da casa saiu do incidente completamente ileso. (Fonte)

.

Cuidado.

23/09/2012

"Eu Ouço Gente Morta": Jeff Buckley

Cedo demais. É só no que consigo pensar sempre que lembro que Jeff Buckley morreu, tão tragicamente, aos 30 anos.

Jeff era filho de Tim Buckley, que foi um cantor americano de folk bastante conhecido nos anos 60. O fardo de ser filho de Tim , apesar de não ter sido criado por ele (seus pais se separaram logo, de modo que Jeff cresceu com a convivência de seu padrasto), o incomodava um pouco - especialmente no começo, quando ele aspirava a carreira musical, mas não queria fazer fama pelo nome do pai que mal conhecia (até então, ele nem usava o nome da família). E esse começo na carreira não foi fácil: Jeff estudou Música e ficou pulando de estado em estado e de emprego em emprego e se apresentando em hotéis e bares cantando covers diversos; até finalmente cair nas mãos do destino primeiro empresário de seu já falecido pai, Herb Cohen, que o ajudou a gravar umas demos. Ironicamente, sua primeira performance em público foi em um concerto em tributo a Tim Buckley, no qual cantou várias canções do pai. A apresentação não apenas alavancou sua própria carreira, como também serviu para que Jeff fizesse 'as pazes' com o pai, dizendo que havia sido "uma maneira de compensar o funeral a que nunca compareci e as coisas que nunca pude dizer".

Com isso, Jeff gravou seu primeiro disco, Grace, que foi o único que lançou em vida. O álbum conta com músicas de autoria própria, em sua maioria. Tanto o álbum quanto o próprio cantor e compositor aparecem até hoje em variadas listas de "os melhores... de todos os tempos". O segundo álbum de Jeff Buckley, Sketches For My Sweetheart The Drunk, foi lançado postumamente.

E foi numa noite de 1997 que o impensável ocorreu. A banda de Jeff estava a caminho de Memphis para encontrá-lo e começarem a trabalhar com algum material novo. Jeff resolveu, enquanto isso, ir nadar, com roupa e tudo, num canalzinho do rio Mississippi, coisa que ele fazia com frequência. Seu roadie, que estava com ele, se afastou por alguns momentos para arrumar um equipamento e, quando voltou, viu que Jeff havia sumido. A procura por ele foi incansável, mas infrutífera. O corpo de Jeff Buckley só foi aparecer seis dias depois, às margens do Rio Mississippi. A autópsia comprovou que não foi encontrado álcool ou qualquer outra droga em seu organismo, e que seu afogamento foi realmente um trágico acidente.



Talvez a característica mais marcante da obra de Jeff Buckley seja sua voz. Jeff tinha arranjos vocais muito variados e incomuns para seu estilo musical, vagamente classificado como 'rock alternativo'. Alcançava notas altas com muita naturalidade e as segurava por bastante tempo, porém sem o uso do falsetto (a não ser por Corpus Christi Carol, que é cantada toda em falsetto). Além da guitarra, Jeff tocou diversos outros instrumentos em estúdio. De modo geral, as composições de Jeff Buckley formam uma bela obra, de execuções sempre emocionantes; e ainda hoje recebe diversas premiações.

Sua canção mais famosa é sua adaptação de um clássico de Leonard Cohen, Hallelujah, que já postei aqui anteriormente. Fiquem com algumas de suas canções próprias:

Lover, You Should've Come Over:

Too young to hold on, but much too old to just break free and run

Yard of Blonde Girls:



Just Like A Woman, cover (lindo!) de Bob Dylan:


E sua versão de Corpus Christi Carol, com o falsetto:


16/09/2012

Domingo DIY: Reciclando meias

Falei no Twitter que tava coçando de vontade de fazer algo DIY (do it yourself) e postar um tutorial, mas não sabia o quê. Aí hoje mais cedo eu tava aqui limpando a gaveta de meias e encontrei um par que não dava mais pra usar; então, em vez de jogar fora, me lembrei de um tutorial que vi na internet há uns meses mas nunca havia tentado reproduzir, e resolvi tentar.

Eu citaria a fonte do tutorial original com muito prazer, mas não faço a mínima ideia de onde eu o vi. Se topar com ele novamente, atualizo a postagem e cito a fonte. Enquanto isso, fiquem com o tutorial que eu mesma fiz. Esse aqui é bem simples e rápido de fazer!



Bom, a ideia era pegar uma meia velha (porém bonitinha, né) e transformá-la num bichinho qualquer. Os meus bichinhos sempre ficam parecendo monstros (ou, como no caso desse, um Pikachu com talidomida e catapora). Mas sintam-se todos à vontade para fazer algo mais apresentável, haha

Vamos lá. Você vai precisar de:

  • Um pé de meia
  • Tesoura
  • Fios de costura (um de cor igual/aproximada à da cor da meia, e outras para finalização)
  • Agulha
  • Enchimento*
  • Tinta para tecido (opcional)

Já comecei fazendo Emmanuellice pela foto. Eu usei tinta pra tecido branca, não preta. Enfim. 


*o enchimento ideal seria aquele próprio pra isso, de poliéster, mas não achei quem venda aqui na cidade. Então eu uso enchimento de travesseiro (comprei um daqueles bem baratos, tem enchimento ali pro resto da vida), que é formado de pedaços de espuma e fiapos de tecido. Serve perfeitamente, mas talvez você precise ficar dando umas modeladas/apertadas pra não ficar fazendo aquelas 'pontas' por dentro.


  • Primeiro, vire a meia pelo avesso, com o calcanhar pra cima, e corte um pedaço do cano, no sentido vertical (como mostrado na foto). Tire também um pedacinho do lado oposto, onde ficam os dedos, formando um buraco pequeno.




  • Depois, ainda com a meia do lado do avesso, costure os cortes verticais. Estas serão as orelhas (ou chifres...) do seu bichinho (ou monstro, né). Eu usei um modelo soquete. Se você for usar um modelo de cano maior, pode cortá-lo, ou fazer orelhas mais longas! Depois de costurada, desvire a meia, pelo buraco que você fez no lado oposto.





  • Agora é a hora de colocar o enchimento. Vá enchendo pelo buraco na ponta da meia. Encha bastante, deixe bem gordinho (atenção pras 'orelhas', se ficar muito estreito, vá empurrando com a ajuda de uma caneta ou algo assim). Finalize costurando o buraco com um ponto escondido (meus pontos escondidos são escandalosamente visíveis, mas parece que dessa vez eu consegui - mesmo usando fio verde [fio preto tá em falta aqui ok]).





  • Pra finalizar, desenhe o rosto! Talvez o ideal e mais caprichoso seja fazê-lo com agulha e linha, mas eu sou uma negação com isso aí e preferi recorrer à tinta pra tecido. Você pode também usar pedaços de tecido ou feltro, ou aqueles olhinhos que já vêm prontos, use a imaginação (ou, o mais importante, o que você tiver à mão)!




  • Voilà!

Quanto à funcionalidade, você também pode:


  • Encher com um saquinho de areia, para usá-lo como peso para porta. (Tenha certeza de colocar a areia dentro de um saquinho plástico, ou ela vai ficar 'vazando' pelo tecido da meia!).
.

(Uma vez, tentei fazer algo com braços e pernas (e até um rabo), mas não vou mostrar aqui por motivos óbvios de falta de capacidade motora minha com uma agulha. Quando ficar boa nisso, mostro como se faz.)

Bom, pra quem gosta de DIY e quer tentar, a minha dica é que vocês não saiam gastando com material. A graça do DIY é você conseguir fazer as coisas com o que tem à mão. Claro que uma coisinha ou outra a gente sempre acaba tendo que comprar, mas não faça disso uma regra (senão sai muito mais em conta já comprar o troço feito, não é?). A prática do DIY é barata e divertida, então não sintam vergonha em mostrar a meia velha na internet, hahaha

Se curtirem a ideia, posso postar outros tutoriais, com o tempo. Ainda tô me aperfeiçoando em tudo (aquela coisa da prática), mas gosto de compartilhar, até mesmo pra despertar ideias nos outros e assim a gente poder compartilhar. Beijos!

14/09/2012

Primo Earl

Agora, se você quer falar sobre problemas na bexiga, então meu primo Earl é provavelmente o cara com quem você quer falar. Acho que todos vocês conhecem o Earl; ele mora lá na Rota 13, naquele viveiro de larvas. Earl não gosta quando você confunde o viveiro de larvas dele com um viveiro de minhocas. Um viveiro de minhocas é para minhocas, e um viveiro de larvas é para larvas, e o Earl tem as maiores larvas do estado. Quase um metro de comprimento. Claro, Earl acredita que isso é devido ao fato de que as instalações médicas de St. Smithen despejam seus dejetos na propriedade dele. Um fato interessante sobre as larvas de 1 metro é que... que, bem, um dia a louça desapareceu, e no dia seguinte a sua televisão desapareceu, e alguns dias depois disso, seu Chevy '57 desapareceu. Mas lá estão elas: as maiores larvas do mundo.


Enfim, um dia, Earl e eu estávamos sentados na cozinha, aquelas larvas gigantes se arrastando pelo chão, e o Earl vira pra mim e diz: "Já aconteceu de você fazer linguiça de porco, e ver que tem pelos nela toda?", e me deu um olhar que me arrepia até hoje.

Bom, Earl tem um filho que eles chamam de Earl Junior, o que eu acho bem inteligente, já que ele é filho do Earl. Ele não é um garoto muito normal, desde aquele acidente com o trator. Enfim, ele acumulou 5 mil dólares em ligações telefônicas para serviços de atendimento. Ele ligava para números estranhos, tipo "976-PIGG" (porco), com dois Gs, e "976-SHEEP" (ovelha), que tem 5 letras, eu sei. Ele é um garoto doente. Earl sugeriu que, talvez, bem, talvez eu pudesse falar com ele. Então eu fui ao seu quarto, fiz ele sentar, mas antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, Earl Junior olhou pra mim, e disse: "Já aconteceu de você fazer uma linguiça de porco, e ver que tem pelos nela toda?". E me deu um olhar que me arrepia até hoje.


Earl também tem uma filha, e eles a chamam de Effie-Sue. E Effie-Sue, ela não se parece muito com uma garotinha, ela se parece mais uma... uma grande pilha de fungo. Earl põe a culpa disso, também, no fato das instalações médicas do St. Smithen ficarem jogando seus dejetos no viveiro de larvas dele. E, eu nunca tive muito contato com a Essie... Effie-Sue. Me desculpe, eu nem penso tanto assim nela pra saber o nome dela direito. Nunca tive muito contato com ela. Ela normalmente só fica sentada no sofá como uma grande bola de fungo e só... evapora. Bom, um dia ela olhou pra mim, e aquela pequena bola de fungo abriu a boca (ou o que eu acho que era a boca - odiaria pensar no que mais poderia ser aquilo), e daquele orifício saíram as palavras: "Já aconteceu de você fazer linguiça de porco e notar que tem pelos nela toda?", e aí aquela... aquela bolinha de fungo me deu um olhar que me arrepia até hoje.

E Earl tem uma esposa, e nós a chamamos de... Esposa. Nós não sabemos o nome dela, porque ela realmente não fala muito. Por muito tempo, nós achamos que ela só sabia dizer duas palavras, que eram "cachorro" e "perereca*". Nós achamos que ela queria dizer "cachorro" e "gato*", mas aí descobrimos que o que ela realmente queria dizer era "cachorro-perereca", uma grande palavra com hífen, que não aparece muito nas conversações, especialmente entre Batistas. (*pussy, em inglês) Nós nunca a ouvimos dizer outra coisa. Sabe, ela trabalha ali... nas instalações médicas do St. Smithen e na Refinaria de Linguiça de Porco, tem um emprego bem pago lá, embora ela só diga aquelas... bem, aquela palavra. E nós a ouvimos dizer uma outra coisa, uma vez, mas foi há muito tempo atrás. Nós estávamos sentados pela casa, e ela me olhou e disse: "Já aconteceu de você fazer uma linguiça de porco e ver que tem pelos nela toda?", e me deu um olhar que me arrepia até hoje.


Bom, um dia, Earl levou sua família para ir pescar no riacho. Ele levou a esposa, que só podia dizer "cachorro-perereca"; levou seu filho, Earl Junior, que tirou um dia de folga das suas ligações "976-animais da fazenda"; e levou aquela pequena... aquela filha bolinha de fungo, Effie-Sue. Eles todos entraram num barquinho e começaram a pescar. Todos sabemos que as instalações médicas do St. Smithen e a Refinaria de Linguiça de Porco andam despejando coisas no riacho. Todo tipo de coisa hedionda, grandes barris flutuando no riacho, com coisinhas neles que dizem "Instalações Médicas do St. Smithen e Refinaria de Linguiça de Porco". Enfim, Earl estava pescando, e ele pegou um pintado, que tinha 27 olhos. Era um pintado de 27 olhos. Earl olhou pra ele, e decidiu: "Hm, não é que isso seria bom de comer!". Então ele pegou a sua faca para abri-lo. Mas o peixe olhou para ele e disse: "Por favor, senhor! Por favor, não me coma!" E Earl disse: "Mas eu tenho fome! Fome! Eu trabalho num viveiro de larvas! Minha esposa só sabe dizer 'cachorro-perereca'! Minha filha é uma pilha de fungo! Meu filho gasta todo o dinheiro da faculdade em ligações para serviços de atendimento! Eu tenho que comer você!" E o peixe disse: "Por favor, não come coma, senhor, por favor!" E ele disse: "Eu tenho! Eu tenho!". Então o peixe disse: "Tudo bem então, se você vai me abrir, deixe-me fazer uma pergunta: Já aconteceu de você ir comer uma linguiça de porco e ver que tem pelos nela toda?". E então, todos os 27 olhos olharam para Earl, e depois olharam para a sua esposa que só podia dizer "cachorro-perereca", e olharam para o seu filho estranho que fazia ligações, e olharam para aquela... pilhazinha de fungo que se passa pela filha do Earl. E deram a eles um olhar! Todos aqueles 27 olhos lhes deram um olhar! Um olhar que eles nunca esqueceram, até hoje! Cara!

.

Sério, isso é uma música:


The Dead Milkmen: Cousin Earl (1990)

07/09/2012

Quem topa desmitificar alguns fatos?

Que sujeira no salão!

.

Todo mundo bem, por aí? Esse semestre tá uma loucura. Que correria!



(Tô pensando seriamente em fazer um mural todo obsessivo pra anotar os dias que tem Doctor Who passando, pra eu não esquecer de assistir. A correria chegou a esse ponto, vê se pode.)


Há um tempo achei um link interessante na Wikipedia e salvei ele aqui nos favoritos e ficou lá (como todos os outros trocentos que lhe fazem companhia). O nome da página é "List of common misconceptions" ("lista de concepções erradas comuns"), e tem bastante coisa que eu não sabia. Escolhi alguns itens  científicos aleatoriamente e vou dividir aqui com vocês. Aprender coisa nova nunca é demais, não é mesmo?





  • Touros não se irritam com a cor vermelha. Realmente, touros não se irritam com cor nenhuma, já que todo tipo de gado é dicromático (ou seja, não enxerga cores, ou as enxerga com pouquíssima intensidade). O que os irrita são os movimentos do toureiro, que são entendidos como ameaça.


  • "Evolução" não significa que algo era inferior e passou a ser superior. Existem organismos que evoluíram para coisas mais simples e menos complexas. "Evoluir" significa "mudar para adaptar".


  • Homens e dinossauros não coexistiram. A última espécie de dinossauro extinguiu-se há mais de 65 milhões de anos, enquanto a primeira espécie de Homo foi surgir apenas há 2,4 milhões de anos. Nos desencontramos por ~pouco~


  • Cabelo e unhas não continuam crescendo depois que morremos. A verdade é que a pele resseca e começa a "encolher", por isso a impressão errada.


  • Humanos não possuem apenas 5 sentidos (visão, audição, tato, paladar e olfato), mas quase 20. Entre eles, estão os sentidos do equilíbrio postural (percepções de balanço e aceleração), propriocepção (percepção de posição e orientação corporal), termocepção (relativo à percepção da temperatura ambiente), além das percepções de tempo, fome, sede, estômago cheio, vontade de urinar/defecar etc.

  • O gene dos ruivos não está em extinção. Como o gene que define a cor ruiva é recessivo, é possível que muitas pessoas o carreguem mas não o manifestem. A única maneira desse gene ser extinto seria se todas as pessoas do mundo que portassem tal gene morressem antes de se reproduzir ou simplesmente não o fizessem.


  • Nós não usamos apenas 10% do cérebro. Um ser humano com o corpo funcional (salvo, portanto, portadores de qualquer tipo de deficiência) usa 100% do órgão, já que cada área dele é responsável por uma função diversa.


  • Estalar as articulações dos dedos não os engrossa. O barulho que ouvimos são bolhas de ar que se formam ocasionalmente no líquido sinovial, que está presente entre todas as nossas articulações, com função de diminuir o atrito entre os ossos. Podem estalar à vontade, somos todos recheados de plástico-bolha! :D








.

E aí, algo foi novidade?
Em breve, postarei curiosidades referentes a outras áreas. Beijos e bom feriado!