Pular para o conteúdo principal

Domingo DIY: Stencil

Alguns aspectos do que vou ensinar aqui hoje vão meio que contra a maioria das técnicas que vocês encontrarão pela internet, mas, acreditem, já tentei de TODAS e a maioria foi um grande fiasco, pra mim. Eu nunca admito que não levo jeito pras coisas, então adaptei alguns passos de forma que funcionassem satisfatoriamente pra mim. Acredito que devam funcionar pra outras pessoas, também.

Ando me aventurando com stencil há uns anos, e acho que até hoje nunca fiz um que tivesse ficado bem-feito o suficiente. O de hoje também não ficou, mas olhem a minha cara de quem tá ligando (bom, imaginem a minha cara de quem tá ligando). Alguns deles são:



  Cliquem pra aumentar. Essa do Dalek, à esquerda, tem "Exterminate!" escrito em vermelho, embaixo.



Hoje, finalmente peguei aquela mochila preta sem graça e resolvi fazer algo a respeito - tipo colocar o emblema da USS Enterprise. Pra brincar com stencil em tecido, você vai precisar de:



- o objeto a ser pintado (OH REALLY)
- o desenho a ser pintado
- tinta pra tecido
- papel-cartão
- papel carbono
- tesoura
- estilete
- lápis/caneta
- batedor pra stencil
- pincel fino
- fita adesiva

Notas sobre os materiais:

Lembram quando eu disse no outro post que a graça do DIY era justamente usar o que você já tinha à mão? Então, grande parte dessas coisas mais diferentes vocês podem trocar por outra coisa: o papel-cartão pode ser qualquer papel mais durinho que uma folha sulfite (até caixinha de embalagem vale - eu usei o calendário do ano passado, pra vocês verem o nível). O batedor pra stencil é frescura, vocês podem usar qualquer tipo de espuma: um rolinho de pintura, uma esponja de banho ou o lado macio da esponja de lavar louça servem perfeitamente.

Passo a passo:



1. Primeiro, temos que transformar o desenho em um molde. É fácil: coloque-o sobre uma folha de papel carbono, posicionado sobre o papel-cartão. Use o lápis ou caneta pra contornar o desenho. ATENÇÃO: pra achar o desenho desejado, busquem pelo nome do objeto mais a palavra "stencil" em seu buscador de imagens de preferência. Normalmente, já existirão alguns moldes disponíveis, mas em alguns casos você não achará o que quer. Assim, recomendo que vocês procurem no filtro "clip art" ou "desenho linear".



2. Em seguida, corte o molde com a tesoura e os detalhes internos com o estilete. Essa parte deve ser feita com bastante cuidado (pelo bem dos detalhes e dos seus dedos, também). ATENÇÃO: desenhos com detalhes internos (como no caso do que eu usei) necessitam de algumas "pontes", que servem para que os detalhes não se desloquem do molde e acabem deixando sua pintura torta. Improvisem algumas (não muitas) para que eles não se soltem.



3. Fixe o molde com a fita adesiva na posição em que o deseja pintar, bastante firmemente.


4. Comece a bater a tinta com o batedor, suavemente e sem pressa (a chance de borrar esse troço é bem chata). ATENÇÃO: forre o tecido com algum papel ou plástico para que a tinta não passe para o outro lado. E ATENÇÃO [2]: procurem não fazer essa etapa com pincel, pois ele desloca o tecido com os movimentos de vai-e-vem, então a pintura fica bem desigual (e a coisa vira uma borradeira).

viram só a borradeira? ;(

5. Espere secar por alguns minutos antes de, cuidadosamente, retirar as fitas e o molde. ATENÇÃO: não espere secar completamente. Você vai perceber que, inevitavelmente, aconteceram alguns borrões, então é mais fácil removê-los enquanto a tinta ainda está meio molhada (remova com um cotonete úmido e com um pouco de sabão).

6. Retoque os detalhes finais (as "pontes" e os pedacinhos desiguais) com o pincel fino.

parabéns por ter estourado a foto, Emmanuella

7. Espere secar completamente antes de colocar em uso, e é isso aí!

.

A técnica mais comum que eu vejo em tutoriais é usando papel vegetal no lugar do papel-cartão. Depois do desenho ser passado a limpo nele, a gente precisa passar o papel a ferro quente pra que ele não fique com pontas e tal. Além de dar bem mais trabalho, eu não consigo cortar papel vegetal sem rasgar a coisa em pelo menos cinco lugares diferentes, então o uso de um papel mais firme me pareceu uma solução óbvia. Quanto à tinta, muita gente usa tinta em spray, o que com certeza é BEM mais prático, mas BEM mais caro. 

No mais, sugiro muita paciência. Não vai dar 100% certo da primeira vez, e nem na segunda (e, pra mim, nem na décima-terceira). Eu comecei a fazer stencil por não poder comprar as coisas como eu queria, então isso serviu de motivação pra continuar tentando. Se forem tentar, me digam como funcionou pra vocês e, se quiserem, me mostrem fotos!

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…