Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2012

Relatório de Leitura de 2012

(atualizado 31/12)

Bom.
Isso vai ser meio...
... extenso.


Achei que ia ser difícil conseguir bater o recorde do ano passado, de 41 livros; mas, incrivelmente, a proeza foi superada: este ano devorei 59 livros. (se acham que é muito, tenham em mente que alguns deles cheguei a ler duas vezes. E, ah, a quase centena de HQs não está incluída no post.)
E este ano foi super empolgante, nesse sentido (só nesse, aliás, haha), porque li muitos livros deliciosos e é por isso que esse post vai ser tenso de fazer, porque vou meio que querer falar de todos ;( Mas vou fazer o possível pra não ser pedante.

Não sei nem que critério vou usar pra postá-los aqui, socorro.
.
Se lembram quando eu disse, no ano passado, que o meu método de leitura era ir pegando os livros na ordem em que eles estivessem na estante, salvo quando a gente comprava algum que eu estivesse com pressa de ler? Esse ano a gente comprou TANTO livro que eu só consegui ler 4 seguindo o método da estante, HAHAHAHHAHAH
Como eu havia par…

HCtZ: Top Álbuns 2012

Esse post vai ter um monte de vídeos, estão avisados.
Achei que não ia conseguir juntar álbuns suficientes pra esse post, mas não é que deu?
Este ano não fui a nenhum dos shows que queria ir (e isso incrivelmente não me deprime mais); não sei quais acontecerão no ano que vem porque também não irei a eles.
O ano marcou a volta de algumas das bandas que eu gosto, como o Garbage e o Refused (que voltou só pra terminar de novo em seguida), o hiato de outras, e o fim de outras ainda, como o Westlife. Também foi o ano da morte de divas como a Etta James, a Whitney Houston e a Donna Summer, e tantos outros membros de bandas clássicas (e contemporâneas).
De tudo o que foi lançado esse ano, ouvi pouco. Mas lá vão meus escolhidos, sem ordem de preferência:
.

Reel Big Fish Candy Coated Fury
Fiquei muitos meses sem conseguir ouvir Reel Big Fish (que vocês sabem ser uma das minhas bandas favoritas) sem associar a banda a um monte de coisas chatas que aconteceram em relação a eu não ter podido ir a…

Cover: "Total Eclipse of the Heart"

"Nuss Manu, não tinha música mais coxinha pra escolher?"
Meus amigos, essa não é apenas mais uma balada coxinha dos anos 80. Se desviarmos a atenção do desespero da Bonnie Tyler e do clipe bizarríssimo (que foi filmado num hospício, aliás), veremos que a letra é, na verdade, bem boa.

"WE'RE LIVING IN A POWDER KEG AND GIVING OFF SPARKS!" ("estamos vivendo num barril de pólvora e soltando fagulhas" - FALA SÉRIO!)
Ou sou eu que tô curtindo balada coxinha dos anos 80 mesmo, o que eu até posso admitir. E, ainda melhor pra minha cara, tô curtindo balada coxinha dos anos 80 na versão de uma boyband!!
.


Esse clássico das power ballads foi composto por Jim Steinman (que também compôs outras baladas de sucesso, tanto da Bonnie Tyler quanto de outros artistas. Ele também é produtor e cuida da trilha sonora de muitos³ filmes - procurem) em 1982. Estourou em primeiro lugar nas paradas em 1983, interpretado por Bonnie Tyler.

A canção vem recebendo versões desde entã…

Clichês da TV e do Cinema Que Você Nunca Verá na Vida Real

Adaptação porca do artigo original no Mental Floss, olhem lá que é melhor.
.
Clorofórmio:

Cena clássica nos filmes de suspense, o vilão chegando por trás com um lenço encharcado de clorofórmio na intenção de desmaiar alguém. Na prática, não é assim tão fácil nocautear alguém com clorofórmio: a substância perde rapidamente seu poder ativo assim que entra em contato com o oxigênio (ou seja, não dá pra ficar escondido atrás da porta segurando um lenço encharcado até a vítima aparecer). E, pra melhorar, o clorofórmio não faz efeito na hora: dependendo de fatores como o tamanho e peso da vítima, pode levar até 10 minutos para que ela desmaie.

Cair atravessando vidros:

Aí o mocinho se joga pela janela do décimo quinto andar, cai em pé e sai andando, e tudo o que ele exibe é um cortezinho charmoso na maçã do rosto. Tirando os absurdos como não quebrar ao menos meia dúzia de ossos, o fato de atravessar vidros dessa forma não poupa a pele de ninguém. Estilhaços de vidro cortam tecidos com facil…