17/12/2012

HCtZ: Top Álbuns 2012

Esse post vai ter um monte de vídeos, estão avisados.

Achei que não ia conseguir juntar álbuns suficientes pra esse post, mas não é que deu?

Este ano não fui a nenhum dos shows que queria ir (e isso incrivelmente não me deprime mais); não sei quais acontecerão no ano que vem porque também não irei a eles.

O ano marcou a volta de algumas das bandas que eu gosto, como o Garbage e o Refused (que voltou só pra terminar de novo em seguida), o hiato de outras, e o fim de outras ainda, como o Westlife. Também foi o ano da morte de divas como a Etta James, a Whitney Houston e a Donna Summer, e tantos outros membros de bandas clássicas (e contemporâneas).

De tudo o que foi lançado esse ano, ouvi pouco. Mas lá vão meus escolhidos, sem ordem de preferência:

.

Reel Big Fish
Candy Coated Fury

Fiquei muitos meses sem conseguir ouvir Reel Big Fish (que vocês sabem ser uma das minhas bandas favoritas) sem associar a banda a um monte de coisas chatas que aconteceram em relação a eu não ter podido ir ao show, no ano passado. Até achei que nem ia querer ouvir o álbum novo, ainda mais por ser o primeiro da banda desde a saída de um dos membros principais, o vocalista/trompetista/guitarrista/tecladista Scott Klopfenstein. Mas, obviamente, não resisti, ainda mais por ter sido o primeiro de inéditas desde 2007. E não me decepcionei, porque as músicas são ainda super divertidas. Só lamento a banda ter perdido a mão com os clipes (que costumavam ser dos mais engraçados) e lançaram um bem toscão como primeiro single. Em vez dele escolhi um outro, feito por um fã, que ficou bem legal:

I Know You Too Well To Like You Anymore


.

The Gaslight Anthem
Handwritten

O Gaslight anda num ritmo frenético no lançamento de material novo, aproveitando a onda de fama que os pegou (o lado ruim dessa fama toda é que finalmente começaram a aparecer os haters, haha). O álbum é típico deles: as letras cheias de "internas" do Brian Fallon, que a gente não entende metade das referências mas ainda assim consegue se identificar com o drama geral e cantar alto e sofridamente como se fosse tudo com a gente mesmo. Eu tenho um monte de favoritas, nesse álbum. Uma delas é o primeiro single:

"45"


.

Hot Water Music
Exister

O Hot Water Music é outra daquelas bandas que saiu do hiato pra voltar a gravar coisa nova esse ano, mas confesso que só fui começar a ouvir mesmo a banda porque curti muito a carreira solo (que tem patavinas a ver com o HWM) de um dos vocalistas, Chuck Ragan. Há quem diga que eles não soam mais como costumavam - atribuo isso ao tempo em que cada um se dedicou a outras coisas; mas ainda assim é um álbum cheio de energia e com músicas que com certeza se tornarão hinos nos shows.

Drag My Body



 .

Chet Baker
Ashes and Fire

A depressão que me dá sempre que vejo as fotos mais recentes dele (maldita heroína). Não sei se as coletâneas entram como "álbuns novos", mas ela foi realmente lançada esse ano e, apesar de não ter músicas novas, tem todas as que eu gosto mais, e a tenho ouvido bastante. Adoro ouvir o Chet cantar, além de tocar, então aí tem tudo!




Everything Happens to Me




.

Lucero
Women & Work

Me lembro que eles lançaram esse álbum bem na época que eu tava começando a curtir a banda, então fiquei super empolgada pra ouvir logo, tipo contando as horas pra ouvir o stream ao vivo no site da Rolling Stone mesmo, haha. Acho esse álbum demais! Vi algumas opiniões de fãs mais antigos reclamando sobre ter seguido a linha do álbum anterior (que, pelo que entendi, foi o menos favorito do povo até então), mas pessoalmente adorei a levada mais Americana do álbum, que gosto mais do que o Country deprê que eles costumavam misturar ao som.

Women & Work

pensem num vídeo caipira

.

Paul McCartney
Kisses on the Bottom

Esse eu demorei tanto pra conseguir ouvir que achei que o ano ia passar e eu ia ficar sem (não baixei álbuns esse ano, eu sei, sou uma pessoa exemplar), mas finalmente chegou no Spotify e pude conferir. É um álbum de covers, muito gostoso de ouvir pra quem curte aqueles jazz antigos que fizeram sucesso há décadas. Destaque, claro, para o vídeo com Johnny Depp e Natalie Portman interpretando uma das canções na linguagem de sinais:


My Valentine


.

The Hives
Lex Hives

Esses suecos sempre conseguem a proeza de lançar músicas que ficam uma semana na minha cabeça, tempo que aproveito para inventar uma coreografia pra cada uma delas (que até ensaio mas jamais serão exibidas).





Go Right Ahead



.

Entre outros álbuns do ano que gostei muito, listo:

  • Bruce Springsteen - Wrecking Ball
  • The Menzingers - On The Impossible Past
  • Ceremony - Zoo
  • Sharks - No Gods
  • OOMPH! - Des Wahnsinns fette Beute
  • Neil Young & Crazy Horse - Americana
  • ZZ Top - La Futura
  • Three Days Grace - Transit of Venus
  • Stone Sour - House of Gold & Bones Part 1

.

Decepção do ano:

  • Gallows - Gallows

Eu adorava o Gallows até o vocalista Frank Carter sair. Pra mim, ele era o diferencial do Gallows em relação a outras bandas de Hardcore. O vocalista atual é mais do mesmo e as músicas ficaram clichezonas.

.

Os Álbuns de 2013:

Dos que aguardo, estão:

  1. Bad Religion - True North
  2. Pure Love - Anthems
  3. Streetlight Manifesto - The Hands That Thieve (que ia ser lançado esse ano, mas atrasou. ~novidade~)
.

E vocês, o que ouviram de lançamentos esse ano?

2 comentários:

  1. Não ouvi grandes novidades esse ano, mas gostei do disco da Diana Krall. Esse do Paul é bem legalzinho também, minha filha tem.

    ResponderExcluir
  2. Joia Pura.
    Só você pra achar estas belezas...

    ResponderExcluir

Bom senso, respeito e educação são esperados e sempre bem-vindos nos comentários. Obrigada pela visita!